Liberalização comercial e competitividade da agricultura brasileira

César Roberto L. da Silva, Maria Auxiliadora de C. V. da Silva, Valquíria da Silva

Resumo


A argumentação teórica utilizada pela Cepal no passado para justificar o protecionismo à indústria tinha por base a tendência à deterioração das relações de troca entre as nações dependentes de produtos básicos e as economias centrais, exportadoras de bens industrializados. Em meados da década de 1980, os países da América Latina deram início a um processo de ampla liberalização comercial. Este trabalho teve por objetivo comparar o desempenho da agricultura brasileira no mercado internacional, antes e depois da liberalização. Os resultados mostraram que houve expressivos ganhos de competitividade. No entanto, esses ganhos foram alcançados através de grande esforço exportador, uma vez que, na maior parte do período 1981-2000, as relações de troca da agricultura foram desfavoráveis ao país. Como as importações agrícolas apresentaram evolução muito mais acelerada que as exportações, é preciso planejar uma política de abertura comercial que reverta a crescente vulnerabilidade externa da atualidade.

Palavras-chave


protecionismo; liberalização comercial; competitividade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 César Roberto L. da Silva, Maria Auxiliadora de C. V. da Silva, Valquíria da Silva

Instituto de Economia da UFRJ

Avenida Pasteur, 250, Palácio Universitário, sl 114 
Urca, Rio de Janeiro, RJ, CEP 22290-240, Rio de Janeiro - RJ Brasil
Tel.: 55 21 3873-5242
e-mail: rec@ie.ufrj.br