Elementos da Prática da Terapia Ocupacional na Síndrome do Túnel do Carpo: Um Estudo Bibliográfico

Laryssa Bryd Gomes de Sousa, Leticia Zanetti Marchi Altafim, Renata Gomes Barreto, Wendy Chrystyan Medeiros de Sousa

Resumo


A mão é responsável por grande parte da realização das atividades diárias e com isso tende a ter um maior risco de lesão. Dentre as várias doenças que acometem este segmento do corpo, a síndrome do túnel do carpo (STC) é uma doença que tem incidência elevada. A Terapia Ocupacional é uma profissão que trabalha com desempenho funcional, e a STC é uma neuropatia que causa prejuízo no desempenho ocupacional, assim se faz necessário o uso de alguns elementos em sua prática, como forma de avaliar, prevenir e/ou reabilitar. Portanto este artigo teve por objetivo buscar na literatura estudos sobre elementos da prática da Terapia Ocupacional, utilizados na Síndrome do Túnel do Carpo. Os resultados foram estruturados em uma tabela para melhor organização e divididos em três categorias: Estudos com foco nos instrumentos de avaliação, estudos com foco na prevenção e estudos com foco na intervenção/reabilitação. Observou-se que apesar dos artigos terem elementos da Terapia Ocupacional, poucos deles se referiam à prática da profissão, apesar da doença causar danos tanto no desempenho funcional como no contexto social do indivíduo.

 

Abstract

The hand is responsible for performing a large part of daily activities and, as a result, tends to have a greater risk of injury. Among the various diseases that affect this segment of the body, carpal tunnel syndrome (CTS) is a disease that has a high incidence. Occupational Therapy is a profession that works with functional performance, and CTS is a neuropathy that causes impairment in occupational performance. Thus it is necessary to use some elements in their practice, as a way to evaluate, prevent and / or rehabilitate. The objective of this study was to search in the literature the elements of the Occupational Therapy practice, before the STC. The results were organized into three categories, namely: Studies focusing on evaluation instruments, studies focusing on prevention and studies focusing on intervention / rehabilitation. It was observed that, although the articles have elements of Occupational Therapy, few of them referred to the practice of the profession, although the disease causes damages both in the functional performance and in the social context of the individual.

Keywords: Carpal Tunnel Syndrome, Occupational Therapy, Median Nerve.


Palavras-chave


Síndrome do Túnel Carpal, Terapia Ocupacional, Nervo mediano.

Texto completo:

PDF

Referências


Ferrigno I. Terapia da Mão: fundamentos para prática clínica. São Paulo: Santos; 2007.

Karolczak APB, Vaz MA, Freitas CR, Merlo ARC. Síndrome do túnel do carpo. Rev Bras Fisioter. 2005; 9(2): 117-22.

Silva GAA, Oliveira PAC, Júnior EAS. Síndrome do Túnel do Carpo: Definição, Diagnóstico, Tratamento e Prevenção--Revisão da Literatura. Revista CPAQV-Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida. 2014; 6(2): 1-11.

Caetano EB, Vieira LA, Neto JJS. Mitos e verdades sobre a Síndrome do Túnel do Carpo. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. 2014. ISSN eletrônico 1984-4840, 16(2): 101-102.

Kouyoumdjian JA. Síndrome do túnel do carpo: aspectos atuais. Arq Neuropsiquiatr. 1999; 57(2-A): 504-512. DOI http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1999000300026

Dawson DM, Hallett M, Millender LH. Entrapment neuropathies. 2Ed. Boston: Little, Brown; 1990.

Oliva A. Abordagem fisioterapêutica na síndrome do túnel do carpo decorrente da ler,dort em mulheres. Universidade Veiga de Almeida; 2007.

Gonçalves MFS, Guimarães HS, Oliveira TVC. Intervenção fisioterapêutica na síndrome do Túnel do carpo: um estudo de caso. ScireSalutis, Aquidabã, 2012; 2(1):10â€15. DOI http://dx.doi.org/10.6008%2FESS2236-9600.2012.001.0002

Boscoli IF. Cicatrização e Cirurgia Plástica. Disponível em:. Acesso em: 01 ago 2016.

Cooper C. Deficiências da mão. In:. Trombly CA, Radomski MV. (Org.). Terapia ocupacional para disfunções físicas. 5. ed. São Paulo: Santos; 2005.

Osorio LJO. Terapia ocupacional y articulación de los servicios de rehabilitación de mano con cirugía de mano en la red hospitalaria Méderi. Universidad colegio mayor nuestra señora del rosario. Bogotá; 2015.

Cavalcanti A, Manhães SA. Ortopedia e Traumatologia. In. Cavalcanti A, Galvão C. Terapia ocupacional, fundamentação & prática. Rio de. Janeiro, Guanabara Koogan; p. 254-256; 2007.

The American Occupational Therapy Association. The unique role of occupational therapy in rehabilitation of the hand. Bethesda: AOTA; 2011.

Mendes KDD, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfer¬magem; 2008; 17(4): 758-764. DOI http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Moreira D, Álvarez RAA, Gogoy JR, Cambraia AN. Abordagem sobre preensão palmar utilizando o dinamômetro JAMAR ®: uma revisão de literatura. Revista Brasileira Ciência e Movimento. 2003; 11(2): 95-99.

Figueiredo IM, Sampaio RF, Mancini MC, Silva FCM, Souza MAP. Teste de força de preensão utilizando o dinamômetro Jamar. Acta Fisiátr.; 2007;14(2), p. 104-110.

Souza A. Avaliação da eficácia dos Monofilamentos de Semmes-Weinstein no diagnóstico e evolução da neuropatia diabética através da análise comparativa com estudo eletrofisiológico dos nervos e da correlação com o exame clínico. [Dissertação]. São Paulo; 1997.

Andreazzi AL, Mota GA, Villarino TP, Leite PS. Hanseníase: Avaliação da sensibilidade com os monofilamentos de semmes Weinstein; 2005.

Lima SMPF, Takatori M,Barreira KS, Hirata S. Avaliação da sensibilidade tátil superficial em adultos com lesão do sistema central: implicações na assistência em terapia ocupacional. O mundo da saúde, São Paulo, jan/mar; 2006; 30 (1), p. 73-80.

Gutterres CMF, Barfknecht KS. Terapia ocupacional nas ler/dort. Boletim da saúde. Porto alegre. 2005; 19(1): 85-90.

Souza AP, Santos AEG, Palma JNC, Silvério KA, Ferreira L, Aguiar MA, et al. Qualidade de vida no trabalho utilizando a ginástica laboral. Saúde em Foco, 7. Ed; 2015.

Moraes CA, Pereira K, Pontes LMC. A atuação da terapia ocupacional em empresas na elaboração e aplicação de um manual de orientação à saúde do trabalhador que realiza levantamento e carregamento de cargas; 2007.

Mendes LF, Lancman S. Reabilitação de pacientes com LER/DORT: contribuições da fisioterapia em grupo. Ver. Bras. Saúde ocup. 2010; 35(121): 23-32. DOI http://dx.doi.org/10.1590/S0303-76572010000100004.

Montrezor J.B. A Terapia Ocupacional na prática de grupos e oficinas terapêuticas com pacientes de saúde mental. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos. 2013; 21(3): 529-536. DOI http://dx.doi.org/10.4322%2Fcto.2013.055

Trombly C. Terapia Ocupacional para disfunções físicas. 5. ed. São Paulo: Santos Livraria Editora; 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB