Terapia Ocupacional e a promoção da saúde no contexto hospitalar: cuidado e acolhimento / Occupational Therapy and health promotion in the hospital context: care and hospitality

Letícia Pereira Santos, Tamara Neves Finarde Pedro, Maria Helena Morgani de Almeida, Rosé Colom Toldrá

Resumo


Introdução: O adoecimento e a hospitalização de longa duração para pessoas adultas jovens podem causar importantes rupturas e mudanças em seu cotidiano. A terapia ocupacional propõe atividades significativas para amenizar as alterações decorrentes do adoecimento e da hospitalização na vida diária e promover saúde, ampliando modos de organização da atenção. Objetivo: Descrever e refletir sobre a atenção desenvolvida pela terapia ocupacional a duas jovens hospitalizadas. Método: Foi realizado estudo de caso, retrospectivo, de natureza qualitativa, com base em análise documental relativa aos percursos terapêuticos trilhados por duas jovens acompanhadas pela terapia ocupacional em uma enfermaria de clínica médica de um hospital universitário. Resultados: Foram desenvolvidas atividades expressivas, artesanais, utilização do computador e acesso às redes sociais, para estímulo de novas possibilidades de vida e cuidado. Foram também adotadas técnicas terapêuticas de posicionamento, mobilização e conservação de energia para alívio de sintomas físicos, melhora funcional e do autocuidado. A atenção da terapia ocupacional em articulação com aquela prestada pela equipe de enfermagem e por voluntários possibilitou o reconhecimento das atividades produzidas pelas usuárias e o compartilhamento de suas experiências com demais usuários e familiares. Conclusão: As vivências de atividades, de técnicas e os vínculos terapêuticos construídos entre as terapeutas ocupacionais e as usuárias, compuseram seus percursos terapêuticos e possibilitaram acolhimento, resgate e desenvolvimento de habilidades diversas, incluindo as de autocuidado, configurando-se importantes estratégias para a promoção da saúde.

 

Abstract

Introduction: Illness and long-term hospitalization for young adults may cause major disruption in their daily life with changes in their daily routine. Occupational therapy proposes significant activities to alleviate the changes due to illness and hospitalization in daily living and promote health, increasing ways of organizing care. Objective: To describe and reflect on the care provided by occupational therapy to two young women hospitalized. Method: A retrospective qualitative case study was carried out based on a documentary analysis of the therapeutic pathways taken by two young women accompanied by occupational therapy in an internal medical ward of a university hospital. Results: Expressive, handcrafted activities, computer use and access to social networks were developed. Therapeutic techniques of positioning, mobilization, massage and conservation of energy also were adopted for relief of physical symptoms and functional improvement and self-care. The attention of the occupational therapy in articulation with the nursing team and volunteers allowed the recognition of the activities produced by the users and the sharing of their experiences with other users and their families. Conclusions: The proposed therapeutic enabled the users to develop strategies for self-knowledge and self-care, improvement of their health, reorganization of their daily routine inside and outside of the hospital and potentialization of their abilities.

Keywords: Human activities; Hospitalization; Humanization of hospital care; Health promotion; Occupational therapy.

 


Palavras-chave


Atividades Humanas; Hospitalização; Humanização da Assistência Hospitalar; Promoção da Saúde; Terapia Ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Pereira EEB, Souza ABFde, Carneiro SR, Sarges, ESNF. Funcionalidade global de idosos hospitalizados. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Rio de Janeiro. 2014; 17(1):165-176.

Santos CAV; De Carlo, MMRP. Hospital como campo de práticas: revisão integrativa da literatura e a terapia ocupacional. Cad. Ter. Ocup UFSCar. São Carlos. 2013; 21(1):99-107. doi: 10.4322/cto.2013.014.

Associação Americana de Terapia Ocupacional - AOTA. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. São Paulo. 2015; 26(esp):1-49. doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26iespp1-49.

Dickie V. O que é ocupação? In: CREPEAU, E.; COHN, E.; SCHELL, B. Willard & Spackman: Terapia Ocupacional. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2011.

Pereira SL, Tamara NF, Almeida, MHMde, Toldrá, RC. O desenho como recurso terapêutico junto a jovem hospitalizada: um relato de caso. Medicina. Ribeirão Preto. 2014; 47(supl):4.

Lima KMSV; Silva KL; Tesser CD. Práticas integrativas e complementares e relação com promoção da saúde: experiência de um serviço municipal de saúde. Interface (Botucatu). Botucatu. 2014; 18(49):261-272. doi.org/10.1590/1807-57622013.0133.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Projeto Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. [acesso em: 12 out 2015]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartas_promocao.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010, 59 p. (Série B. Textos básicos de saúde) (Série Pactos pela saúde 2006, 7). [acesso em: 12 out 2015]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed.pdf

Lima LJC; Silveira NDR. Atividades artísticas como promoção de qualidade de vida no envelhecimento. In: Campos, A. C. V.; Berlezzi, E. M.; Correa, A. H. M. (org). Teorias e práticas socioculturais no envelhecimento ativo. Ijuí. Ed. Unijuí; 2016, p. 103-128.

Castro ED; Inforsato EA; Buelau RM; Valent IU; Lima AL. Território e diversidade: trajetórias da terapia ocupacional em experiências de arte e cultura. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. São Carlos. 2016; 24(1):3-12. doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0663

Liberman F. Delicadas Coreografias: Apontamentos sobre o Corpo e Procedimentos em uma Terapia Ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. São Carlos. 2010; 18(1):67-76.

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência de Média e Alta Complexidade no SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS, 2007, 248 p. [acesso em: 12 out 2015]; Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/colec_progestores_livro9.pdf

Lüdke M; Meda A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo. Editora Pedagógica e Universitária Ltda; 1988.

Britton L; Rosenwax L; Mcnamara B. Occupational therapy practice in acute physical hospital settings: Evidence from a scoping review. Aust Occup Ther J, Melbourne. 2015; 62(6):370-377. doi: 10.1111/1440-1630.12227.

Silva MAM, Pinheiro AKB, Alves AMS, Moreira ACA. Promoção da saúde em ambientes hospitalares. Rev. bras. Enferm. Brasília. 2011; 64(3):596-9. doi.org/10.1590/S0034-71672011000300027.

Malta DC; Merhy EE. O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface (Botucatu). Botucatu. 2010; 14(34):593-605. doi: 10.1590/S1414-32832010005000010.

Toldrá RC; Souto ACF. Atenção ambulatorial de média complexidade em saúde e reabilitação de pessoas com deficiência física no âmbito da Terapia Ocupacional:reflexões a partir da prática. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. São Carlos. 2013; 21(2):299-306. doi: 10.4322/cto.2013.031.

Lima EMFA; Inforsato EA; Quarentei MS; Dorneles PS; Castro ED PACTO: 10 anos de ações na interface arte e saúde e suas ressonâncias no campo profissional. Cad. Ter.Ocup UFSCar. São Carlos. 2011; 19(3):369-380. doi.editoracubo.com.br/10.4322/cto.2011.010. 4.

Katzenstein T; Schwartz G; Almeida MHM. Reflexões sobre aproximação de idosos a tecnologias de informação e comunicação a partir dos arquétipos Senex e Puer. Revista Kairós Gerontologia. São Paulo. 2012; 15(3):203-218.

Angeli AAC; Luvizaro NA.; Galheigo SM. O cotidiano, o lúdico e as redes relacionais: a artesania do cuidar em terapia ocupacional no hospital. Interface -- Comunicação, Saúde, Educação. Botucatu. 2012; 16(40):261-272. doi.org/10.1590/S1414-32832012005000016.

Griffin SD; Mcconnell, D. Australian occupational therapy practice in acute care settings. Occup Ther Inter. London. 2001; 8(3):184-197. doi: 10.1002/oti.145/pdf.

Bombarda, TB, Lanza AL, Santos CAV, Joaquim RHVT. Terapia Ocupacional na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulto e as percepções da equipe. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. São Carlos. 2016; 24(4):827-835. doi.org/10.4322/0104-4931.ctoRE0861




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto16020

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB