Qualidade de vida de cuidadores de pacientes hospitalizados/Pacient caregivers life quality inside the hospital

Ana Paula Fagundes, Valéria Leite Soares

Resumo


Este estudo tem como objetivo investigar a qualidade de vida e o cotidiano de cuidadores de pacientes hospitalizados. Para coleta de dados, foi utilizado como instrumento de pesquisa o WHOQOL – Bref e um questionário estruturado. Os dados foram analisados pelo programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). Dos 19 sujeitos investigados, 100% eram cuidadores informais; 10,53 % não tinham laços parentais com o paciente e 89% eram do gênero feminino. Quanto à percepção destes em relação à qualidade de vida, 52,6% a consideram-na boa, e quanto ao quesito saúde, 52,6% disseram estar satisfeitos neste aspecto. Visto que a percepção em relação à qualidade de vida e saúde foi favorável, observou-se que outros fatores relacionados à qualidade de vida, como: sono, lazer, relações sociais e outros estavam prejudicados. As condições emocionais e de ambiência do hospital foram investigadas apontando fragilidades. Os resultados indicaram prejuízos na qualidade de vida e no cotidiano dos cuidadores pesquisados.

 

Abstract

The purpose of this study is to investigate the quality of life in the everyday routine of hospitalized patient caregivers. For data collection, WHOQOL - Bref and a structured questionnaire was used as research instruments, and the data were analyzed using Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). Of the 19 people investigated, 100% were informal caregivers; 10.53% have no parental ties with the patient; and 89% were female. Regarding the perception of these in relation to quality of life, 5.3% consider it very bad and about the health quality, 5.3% exposed being very dissatisfied while 10.5% are just dissatisfied. Despite the favorable perception of the quality of life and health, it was observed that another factors associated to life quality like sleep, leisure, social relationships and others were harmed. The emotional ambience and hospital conditions were investigated and the results indicate that the quality of life and routine of the caregivers who have participated in the survey were affected.

Keywords: Caregivers; Quality of life; Occupational therapy.


Palavras-chave


Cuidadores; Qualidade de vida; Terapia Ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro. Graal; 1979.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de atenção básica. Caderno de Atenção Domiciliar. Brasília, DF; 2012. Disponível em: < http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/cad_vol1.pdf> Acesso em: 28 de março de 2018.

Ministério da Saúde. Portaria nº. 1395, de 13 de dezembro de 1999. Institui a Política Nacional de Saúde do Idoso. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, D, 13 dez. 1999. Disponível em: < http://crn3.org.br/Areas/Admin/Content/upload/file-0711201573034.pdf> Acesso em: 28 de março de 2018.

Papaléo NM. Gerontologia: A velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo. Atheneu; 1996.

Sousa L; Figueiredo D; Cerqueira M. Envelhecer em família: Os cuidados familiares na velhice. 2ª ed. Lisboa. Ambar; 2006.

Berlim MT; Fleck MPA. Qualidade de Vida: um novo conceito para a pesquisa e a prática em psiquiatria. Rev Bras. Psiq. Rio de Janeiro. 1999; 25(4): 249-252.

Weber MB; Mazzotti NG; Prati C; Cestari TF. Aferição da qualidade de vida na avaliação global do paciente dermatológico. Rev HCPA. Porto Alegre. 2006; 26(2): 35-11.

Bocchi SCM; Silva L; Monti CMC; Wilza J; Spiri C. Familiares visitantes de adultos e idosos hospitalizados: análise da experiência na perspectiva do processo de trabalho em enfermagem. Rev Latino-Am. Enferm. Ribeirão Preto. 2007; 15(2): 304-310.

Marcolino TQ. O raciocínio clínico da Terapeuta Ocupacional ativa. Rev. Ceto.São Paulo. 2012; 13(13): 14-25.

Cavalcanti A; Silva e Dutra FCM; Elui VMC. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo. Rev Ter. Ocup. USP. São Paulo. 2015; 26(ed. esp.): 1-49.

Crepaul EB; Schell BAB; Cohn ES. Prática da Terapia Ocupacional Contemporânea nos Estados Unidos. In: Crepau EB; Cohn ES; Schell BAB. Willard & Spackman's Terapia Ocupacional. 11ª ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan; 2011, p. 121-133.

Gutierrez DMD; Minayo MCS. Produção de conhecimento sobre cuidados da saúde no âmbito da família. Rev Ciênc. Saú. Colet. Rio de Janeiro. 2010; 15(1): 1497-1508.

The WHOQOL Group. The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (the WHOQOL). In: Orley J; Kuyken W. Quality of life assessment: international perspectives. Heidelberg. Springer Verlag; 1994, p. 41-60.

Martins JJ; Albuquerque GL; Nascimento ERP; Barra DCC; Souza WGA; Pacheco WNS. Necessidades de educação em saúde dos cuidadores de pessoas idosas no domicílio. Rev Texto Contex Enferm. 2007; 16(1):254-262.

Rehem TCMSB; Trad LAB. Assistência domiciliar em saúde: subsídios para um projeto de atenção básica brasileira. Rev Ciênc Saú Colet. 2005; 10(1):231-242.

Beck ARM; Lopes MHM. Cuidadores de crianças com câncer: aspectos da vida afetados pela atividade de cuidador. Rev Bras. Enferm. 2007; 60(6): 670-675.

Brito SD. Cuidando de quem cuida: Estudo de caso sobre o cuidador principal de um portador de insuficiência renal crônica. Rev Psic. Est. Maringá. 2009; 14(3): 603-607.

Minayo MCS; Hartz ZMA; Buss PM. Qualidade de Vida e saúde: um debate necessário. Rev Ciênc. Saúd. Colet. Rio de Janeiro. 2000; 5(1): 2-4.

Carlo M; Bartalotti CC; Palm RDCM. Terapia Ocupacional: Reabilitação Física e Contextos Hospitalares. São Paulo. Roca; 2004.

Bub MBC; Medrano C; Silva CD; Wink S; Liss PE; Santos EKA. A noção de cuidado de si mesmo e o conceito de autocuidado na enfermagem. Rev Tex. Contex. Enferm. Florianópolis. 2006; 15(ed. esp.): 152-157.

Lima SF; Vitor ACS; Moraes MF; Silva VF; Pereira FG. Acompanhantes de paciente hospitalizados e suas demandas no cuidado. Rev Cien Escol Estad Saud Publ Cândido. Santiago. 2015; 1(1):52-62.

Inocenti A; Rodrigues IG; Miasso AI. Vivências e sentimentos do cuidador familiar do paciente oncológico em cuidados paliativos. Rev Esc. Enferm. USP. São Paulo. 2009; 11(4): 858-865.

Shiotsu CH; Takahashi RT. O acompanhante na instituição hospitalar: significado e percepções. Rev Esc. Enferm. USP. São Paulo. 2000; 34(1): 99-107.

Donkin SW. Sente-se bem, sinta-se melhor: guia prático contra tensões do trabalho sedentário. São Paulo. Harbra; 1996.

Muller MR; Guimarães SS. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Rev Est. Psic. I. Campinas. 2007; 24(4): 519-528.

Martins VP. A humanização e o ambiente físico hospitalar. In: Congresso Nacional da ABDEH nº 1; 2004; Salvador, BR. Anais do I Congresso Nacional da ABDEH – IV Seminário de Engenharia Clínica: ABDEH; 2004. p. 63-67.

Leão A; Salles MM. Cotidiano, reabilitação psicossocial e território. In: Matsukura TS; Salles MM (Org.). Cotidiano, atividade humana e ocupação. São Carlos. EUFSCar; 2016, p.200

Law M; Baptiste S; Carswell A; McColl MA; Polatajko H; Poock N. Medida Canadense de Desempenho Ocupacional (COPM). Belo Horizonte. UFMG; 2009.

American Occupational Therapy Association (2014). Occupational therapy practice framework: Domain and process (3rd ed.) American Journal of Occupational Therapy, 68 (Suppl.1). Trad. Dutra, F.C. MS; Elui, VMC. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2015; 26(ed. esp.): 1-49.

Silveira CS; Zago MMF. Pesquisa brasileira em enfermagem oncológica: uma revisão integrativa. Rev Latino-Am. Enferm. São Paulo. 2006; 14(4): 614-619.

Dumazedier J. Sociologia empírica do lazer. São Paulo. Perspectiva; 1979.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB