Concepções de líderes religiosos sobre as pessoas com transtornos mentais/Conceptions of religious leaders about people with mental disorders

Thayse Samara Galdino Araujo, Márcia Maria Mont'Alverne de Barros

Resumo


A relação entre a religiosidade e a saúde mental é frequentemente observada nas instituições de tratamento psiquiátrico. Diante desse cenário considera-se importante que os líderes religiosos tenham a compreensão sobre o que são os transtornos mentais. Trata-se de um estudo descritivo-exploratório, desenvolvido na abordagem de pesquisa qualitativa. O objetivo dessa pesquisa foi o de conhecer as concepções dos líderes religiosos sobre as pessoas com transtornos mentais e de que maneira é ofertado o acompanhamento religioso para esse público.  Foi utilizada para a coleta das informações uma entrevista semiestruturada, durante o período de agosto a outubro de 2018, com representantes de três religiões distintas: catolicismo, protestantismo e espiritismo, todos com pelo menos cinco anos de experiência como líder religioso e acompanhando pelo menos uma pessoa com transtorno mental. Adotou-se a análise de conteúdo temática. Os participantes foram esclarecidos no que diz respeito ao Termo de Consentimento Livre e Esclarecido - TCLE. Todos os aspectos éticos foram respeitados conforme preconiza a Resolução 466∕2012, do Conselho Nacional de Saúde. Os achados do estudo, evidenciaram, dentre outros aspectos, que os líderes religiosos reconhecem a importância do tratamento especializado para pessoas com transtornos mentais.

 

Abstract

The relationship between religiosity and mental health is often observed in psychiatric treatment institutions. Given this scenario it is considered important that religious leaders have an understanding of what mental disorders are. It is a descriptive-exploratory study developed in the qualitative research approach. The objective of this research was to know the conceptions of religious leaders about people with mental disorders and how religious accompaniment is offered to this public. A semi-structured interview was used during the period of August to October of 2018, with representatives of three different religions: Catholicism, Protestantism and Spiritualism, all with at least five years of experience as a religious leader, and following at least a person with mental disorder. Thematic content analysis was adopted. The participants were clarified with regard to the Informed Consent Form - EHIC, and all ethical aspects were respected according to Resolution 466/2012 of the National Health Council. The findings of the study showed, among other aspects, that religious leaders recognize the importance specialized treatment for people with mental disorders.K

Key words: Mental disorders; religion; mental health.

 

Resumen

La relación entre la religiosidad y la salud mental es frecuentemente observada en las instituciones de tratamiento psiquiátrico. Ante este escenario se considera importante que los líderes religiosos tengan la comprensión de lo que son los trastornos mentales. Se trata de un estudio descriptivo-exploratorio, desarrollado en el abordaje de investigación cualitativa. El objetivo de esta investigación fue el de conocer las concepciones de los líderes religiosos sobre las personas con trastornos mentales y de qué manera se ofrece el acompañamiento religioso para ese público. Se utilizó para la recolección de las informaciones una entrevista semiestructurada, durante el período de agosto a octubre de 2018, con representantes de tres religiones distintas: catolicismo, protestantismo y espiritismo, todos con al menos cinco años de experiencia como líder religioso, y acompañando por lo menos una persona con trastorno mental. Se adoptó el análisis de contenido temático. Los participantes fueron esclarecidos en lo que se refiere al Formulario de consentimiento informado - TCLE, y todos los aspectos éticos se respetaron conforme a la Resolución 466/2012 del Consejo Nacional de Salud. Los hallazgos del estudio evidenciaron, entre otros aspectos, que los líderes religiosos reconocen la importancia del tratamiento especializado para personas con trastornos mentales.

Palabras clave: Trastornos mentales; la religión; salud mental.

 

 


Palavras-chave


Transtornos mentais; religião; saúde mental.

Texto completo:

PDF

Referências


Gomes NS., Farina M., Forno CD., Espiritualidade, Religiosidade e Religião: Reflexão de Conceitos em Artigos Psicológicos. Revista de Psicologia da Imed, 2014. p.107-112.

Murakami R., Campos CJG. Religião e saúde mental: desafio de integrar a religiosidade ao cuidado com o paciente. Revista Brasileira de Enfermagem, 2012. p.361-367.

Ballone GJ. O que são Transtornos Mentais. in. PsiqWeb, Internet, disponível em http:// www.psiqweb.med.br. Acessado em 14 de janeiro de 2008.

Vasconcelos EM. A associação entre vida religiosa e saúde: uma breve revisão de estudos quantitativos. Reciis, 2010. v. 4, n. 3, p.12-18.

Koenig HG. Religião, espiritualidade e transtornos psicóticos. Archives Of Clinical Psychiatry 2007. v. 34, p.95-104.

Pinheiro MCP., et al. Influência da religiosidade na qualidade de vida de pacientes com transtorno afetivo bipolar. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo, 2012. p.19-24.

Reinaldo AMS. Sofrimento mental e agências religiosas como rede social de apoio: subsídios para a enfermagem. Escola Anna Nery, 2012. v. 16, n. 3, p.537-543.

Pargament KI., Lomax JW. Understanding and addressing religion among people with mental illness. World Psych., Londres, v. 12, n. 1, p. 26-32, fev. 2013.

Reinaldo MAS., Santos, RLF. Religião e transtornos mentais na perspectiva de profissionais de saúde, pacientes psiquiátricos e seus familiares. Saúde em Debate, 2016. v. 40, n. 110, p.162-171.

Gomes ILV., et al. Conhecimento dos profissionais de saúde sobre o direito das crianças hospitalizadas: um estudo exploratório. Revista ciência e saúde coletiva, 2010. v. 15, n 2, p. 463-470.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

Estados E Capitais Do Brasil. João Pessoa. 2018. Disponível em: https://www.estadosecapitaisdobrasil.com/capital/joao-pessoa/. Acesso em: 26 abr. 2018.

Conselho Nacional De Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa – Resolução 466/12. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/ultimasnoticias/2013/06 jun14 publicada resolução.html. Acesso em: 06 de julho de 2016.

Salles MM., Barros S. Inclusão social de pessoas com transtornos mentais: a construção de redes sociais na vida cotidiana. Ciência & Saúde Coletiva, 2013. p.2129-2138.

Gonçalves AM. A doença mental e a cura: um olhar antropológico. Instituto Politécnico de Viseu, 2015. p.159-171, Disponível em: http://repositorio.ipv.pt/bitstream/10400.19/556/1/A%20doen%C3%A7a%20mental%20e%20a%20cura.pdf. Acesso em: 29 set. 2018.

Jabert A., Facchinetti C. A experiência da loucura segundo o espiritismo: uma análise dos prontuários médicos do Sanatório Espírita de Uberaba. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 2011. v. 14, n. 3, p.513-529.

Arribas CG. Kardecismo e umbanda: duas religiões brasileiras. Horizontes Antropológicos, 2013. p.466-470.

Silva CN. Igreja católica, assistência social e caridade: aproximações e divergências. Sociologias, 2006. p.326-351.

Carlos DM., et al. O acolhimento institucional como proteção a adolescentes vítimas de violência doméstica: teoria ou prática? Rev. Latino-am. Enfermagem, 2013. p.1-7.

Silva L., Moreno V. A religião e a experiência do sofrimento psíquico: escutando a família. Ciência, Cuidado e Saúde, 2004. p.161-168.

Barros MMMA., Jorge MSB., Vasconcelos MGF. Experiências de famílias com usuários atendidos em dispositivos de atenção psicossocial. Physis Revista de Saúde Coletiva, 2013. p.821-841.

Maurin JT., Boyd CB., Burden of mental illness on the family: a critical review. Archives of Psychiatric Nursing, 1990. v. 4, n. 2, p. 99-107.

Kardec A., O livro dos médiuns, ou, Guia dos médiuns e dos evocadores: espiritismo experimental / [tradução de Guillon Ribeiro da 49.ed. francesa]. 71. ed. - Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2003.

Almeida AM., Lotufo Neto F. A mediunidade vista por alguns pioneiros da área mental. Archives Of Clinical Psychiatry, 2004. v.31, n. 3, p.132-141.

Alvarado CS., et al. Perspectivas históricas da influência da mediunidade na construção de idéias psicológicas e psiquiátricas. Archives Of Clinical Psychiatry 2007. v. 34, p.42-53.

Almeida AAS., Oda AMGR., Dalgalarrondo P. O olhar dos psiquiatras brasileiros sobre os fenômenos de transe e possessão. Archives Of Clinical Psychiatry, 2007. v. 34, p.34-41.

Bomfim AJR. Um “Alarido” Neopentecostal: Diversidade e Ressignificação Simbólica na Igreja Universal do Reino de Deus. Scientia Plena, 2007. p.62-69.

Bielemann VLM., et al. A inserção da família nos centros de atenção psicossocial sob a ótica de seus atores sociais. Texto & Contexto Enfermagem, 2009. p.131-139.

Arribas CG. O Caráter Religioso do Espiritismo. Revista Interdisciplinar de Ciências Humanas, 2013. p.3-16.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB