Entraves na utilização de órteses de membros superiores por terapeutas ocupacionais do Recife/Obstacles in the use of bracing for upper limbs by Occupational Therapist of Recife

Brunna Matias Ribeiro Cabral, Ana Karina Pessoa da Silva Cabral, Flávia Cabral de Farias, Amanda Rodrigues de Paula, Lucas de Paiva Silva, Beatriz do Nascimento Silva, Daniela Salgado Amaral

Resumo


Introdução: A órtese para membros superiores é um dispositivo da Tecnologia Assistiva (TA) utilizado como recurso terapêutico pelo terapeuta ocupacional no processo de reabilitação. Apesar de ser um direito das pessoas com deficiência, o acesso a esse tipo de equipamento é restrito. Essa dificuldade pode estar relacionada a vários fatores, como o baixo número de profissionais capacitados e o alto custo dos materiais necessários para confecção.  Objetivos: Realizar um levantamento dos terapeutas ocupacionais da Região Metropolitana do Recife que usam órteses para membros superiores como recurso terapêutico e descrever as dificuldades encontradas nesse processo. Método: Estudo transversal descritivo, realizado através de pesquisa online e autoaplicada, com terapeutas ocupacionais residentes na Região Metropolitana do Recife e cadastrados no conselho da categoria. Para análise dos dados foi utilizada estatística descritiva, por meio da distribuição de probabilidade. Resultados/Discussão: Participaram da pesquisa 51 profissionais. Destes, 49% usam órteses na sua prática e 58,8% apresentam dificuldades para o uso. Entre as dificuldades relatadas, destacaram-se a falta de cursos de capacitação, a não disponibilização de material para confecção no local de trabalho e o grande tempo de espera para aquisição, devido à burocracia dos serviços.  Conclusão: A utilização de órtese para membro superior pelos terapeutas ocupacionais ainda é restrita na Região Metropolitana do Recife e os obstáculos descritos podem estar interferindo no acesso dos usuários a esse recurso.

 

Abstract

Introduction: The upper limb orthosis is a device of Assistive Technology (AT), used as a therapeutic resource by the occupational therapist in the rehabilitation process. Despite being right of persons with disabilities, access to this type of equipment is restricted. This difficulty may be related to several factors such as the low number of trained professionals and the high cost of materials needed for manufacturing. Objectives: To conduct a survey of of occupational therapists in the Metropolitan Region of Recife who are using orthopedic devices as a therapeutic resource and describe the difficulties founded in this process. Method: Descriptive cross-sectional study conducted through online and self-applied research, with occupational therapists residents in the metropolitan area of Recife and registered in the category board. For data analysis, descriptive statistics were used by probability distribution. Results/Discussion: 51 professionals participated in the research. Of these, 49% use orthopedic devices in practice and 58.8% haved difficulties to use. Among the reported problems, they highlighted the lack of training courses, the unavailability of material to make them in the workplace and the long waiting time for acquisition due to bureaucracy of services. Conclusion: The use of upper limb orthosis by occupational therapists is still restricted in the metropolitan area of Recife and the described obstacles may be interfering with users’ access to this feature.

Key words: Assistive Technology; Occupational Therapy; Orthosis; Upper Limb.

Resumen

Introducción: La órtesis para miembros superiores es un dispositivo de la Tecnología Asistiva (TA) utilizado como recurso terapéutico por el terapeuta ocupacional en el proceso de rehabilitación. Aunque es un derecho de las personas con discapacidad, el acceso a este tipo de equipo es restringido. Esta dificultad puede estar relacionada con varios factores, como el bajo número de profesionales capacitados y el alto costo de los materiales necesarios para la confección. Objetivos: Realizar un levantamiento de los terapeutas ocupacionales de la Región Metropolitana de Recife que usan órtesis para miembros superiores como recurso terapéutico y describir las dificultades encontradas en ese proceso. Método: Estudio transversal descriptivo, realizado a través de investigación online y autoaplicada, con terapeutas ocupacionales residentes en la región metropolitana de Recife y registrados en el consejo de la categoría. Para el análisis de los datos se utilizó estadística descriptiva, a través de la distribución de probabilidad. Resultados/discusión: Participaron 51 profesionales, de los cuales el 49% usan órtesis en la práctica y el 58,8% presenta dificultades para el uso. Entre las dificultades relatadas, se destacaron la falta de cursos de capacitación, la no disponibilidad de material para confección en el lugar de trabajo y el largo tiempo de espera para la adquisición debido a la burocracia de los servicios. Conclusión: La utilización de órtesis para miembro superior por los terapeutas ocupacionales todavía está restringida en la región metropolitana de Recife y los obstáculos descritos pueden estar interfiriendo en el acceso de los usuarios a ese recurso.

Palabras clave: Extremidad Superior; Ortesis; Tecnología Asistiva; Terapia ocupacional.

 

 


Palavras-chave


Membros Superiores; Órteses; Tecnologia Assistiva; Terapia Ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Instituto Brasileiro Geográfico e Estatístico - IBGE. Censo Demográfico, 2010. Cidades@: Recife. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2014.

Cruz DMC; Emmel MLC. Associação entre papéis ocupacionais, independência, tecnologia assistiva e poder aquisitivo em sujeitos com deficiência física. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013; 21(2):1-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n2/pt_0104-1169-rlae-21-02-0484.pdf

Belkin J; Yasuda L. Ortótica. In: Pedretti W, Early MB. Terapia Ocupacional: capacidades e práticas para as disfunções físicas. 5ª edição. São Paulo: Roca; 2005. 557-595.

Silva RCR; Sfredob Y. Terapia Ocupacional e o uso de tecnologia assistiva como recurso terapêutico na artrogripose. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2013; 21(3):479-491. doi: 10.4322/cto.2013.050. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/908

Petten AMVNV; Ávila AF; Lima CGS. Efeito do uso de órtese de punho na função manual. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2014; 22(1):79-87. doi: 10.4322/cto.2014.009. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/972

Rocha EF; Castiglioni MC. Reflexões sobre recursos tecnológicos: ajudas técnicas, tecnologia assistiva, tecnologia de assistência e tecnologia de apoio. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2005; 16(3):97-104. doi: 10.11606/issn.2238-6149.v16i3p97-104. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/13968

Pelosi MB. O papel do terapeuta ocupacional na tecnologia assistiva. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2005; 13(1):39-45. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/176/133

Brasil. Presidência da República. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei nº 7.853 de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF; 1999 dez 20; Seção 1. p 16.

Cruz DMC; Emmel MLC. Políticas Públicas de Tecnologia Assistiva no Brasil: Um Estudo Sobre a Usabilidade e abandono por Pessoas com Deficiência Física. Rev. FSA. 2015; 12(1):79-106. doi: 10.12819/2015.12.1.6.1. Disponível em: http://www4.fsanet.com.br/revista/index.php/fsa/article/view/367

Caro CC; Fariab PSP; Bombardab TB; Ferrignob ISV; Palharesa MS. A dispensação de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção (OPM) no Departamento Regional de Saúde da 3ª Região do Estado de São Paulo. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2014; 22(3):521-529. doi: 10.4322/cto.2014.073. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/796

Alves ACJ; Emmel MLG; Matsukura TS. Formação e prática do terapeuta ocupacional que utiliza tecnologia assistiva como recurso terapêutico. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2012; 23(1):24-33. doi: 10.11606/issn.2238-6149.v23i1p24-33. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/46909

Mendonça KNN. Conhecimento e utilização de equipamentos de Tecnologia Assistiva pelos terapeutas ocupacionais do Distrito Federal. [Monografia]. Brasília: Universidade de Brasília; 2012. Disponível em: http://bdm.unb.br/handle/10483/4625

Vasconcellos L; Guedes LFA. E-Surveys: Vantagens e Limitações dos Questionários Eletrônicos via Internet no Contexto da Pesquisa Científica. In: X SemeAd - Seminário em Administração FEA/USP. 2007; São Paulo. Universidade de São Paulo: 1-16. Disponível em: http://sistema.semead.com.br/10semead/sistema/resultado/an_resumo.asp?cod_trabalho=420

Cruz DMC. Papéis Ocupacionais e pessoas com deficiências físicas: independência, tecnologia assistiva e poder aquisitivo. [Tese]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2012. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/2893?show=full

Galvão RC; Barroso BIL; Grutt DC. A tecnologia assistiva e os cuidados específicos na concessão de cadeiras de rodas no Estado do Rio Grande do Norte. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2013; 21(1):11-18. doi: 10.4322/cto.2013.003. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/725

Toyoda CY. Formação em tecnologia assistiva. In: Encontro de Tecnologia Assistiva da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP, 2008, Ribeirão Preto.

Agnelli LB; Toyoda CY. Estudo de materiais para a confecção de órteses e sua utilização prática por terapeutas ocupacionais no Brasil. Cad. Ter. Ocup. da UFSCar. 2003; 11(2):83-94. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/194/149

Vilar K; Martins E; Moreira L; Milhomem L; Leite A; Oliveira C. A utilização de material de baixo custo para a confecção de órteses: PVC tubular. Rev. Formadores. Ed. Especial, Anais Congresso Científico, 2013. Disponível em: http://www.seer-adventista.com.br/ojs/index.php/formadores/article/view/471/430

Conor GC; Simonelli AP. Perfil da prática profissional e produção científica da terapia ocupacional referente à tecnologia assistiva no Brasil. Rev. Fam. Ciclos Vida Saúde Contexto Soc. 2015; 3(2):106-112. doi: 10.18554/refacs.v3i2.1088. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/283005921_PERFIL_DA_PRATICA_PROFISSIONAL_E_PRODUCAO_CIENTIFICA_DA_TERAPIA_OCUPACIONAL_REFERENTE_A_TECNOLOGIA_ASSISTIVA_NO_BRASIL

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 818, de 05 de junho de 2001. Mecanismos para a organização e implantação de Redes Estaduais de Assistência à Pessoa Portadora de Deficiência Física. Diário Oficial da União. 2001 jun. 05; p 1.

Secretaria Estadual de Saúde (PE). [Internet]. Pernambuco: Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco; 2014 [acesso em 2017 jul 10]. Disponível em:


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB