Terapia Ocupacional para escrita de pessoas com doença de Parkinson/Occupational Therapy for writing of people with Parkinson’s Disease

Carolina do Nascimento Cabral, Charleny Mary Ferreira de Santana, Weldma Karlla Coelho, Flávia Pereira da Silva, Lucas de Paiva Silva, Danielle Carneiro de Menezes Sanguinetti

Resumo


Introdução: A escrita manual corresponde a uma forma de comunicação com o objetivo de reproduzir informações para outras pessoas. Quando bem adquirida, a escrita é considerada um ato automático em que a pessoa a executa sem que haja o planejamento dos movimentos necessários. Traumas, lesões e outras disfunções podem alterar o desempenho da escrita, como ocorre na Doença de Parkinson (DP). Objetivo: Diante disso, teve-se como objetivo estudar a escrita manual de pessoas com Doença de Parkinson antes e após o treino da escrita e de habilidades manuais. Métodos: Este trabalho corresponde à análise dos dados de um estudo piloto, no qual participaram cinco pessoas com DP, todos com o membro direito dominante para a escrita. Os participantes foram submetidos a cinco intervenções, incluindo a avaliação e reavaliação. Resultados/Discussão: Os resultados mostram que houve melhora na legibilidade da escrita e que os sintomas clínicos apresentados pelos pacientes interferem negativamente no desempenho da escrita manual. Indica-se que esta proposta de tratamento seja implementada num tempo maior e que sejam incorporadas outras medidas de resultado para aprimorar as análises. Conclusão: Foi possível perceber que houve melhora no uso das habilidades motoras finas necessárias para o desempenho da escrita dos participantes, como melhora na precisão dos traços e na coordenação motora fina. Em relação ao treino da escrita, o estudo aponta que a utilização de pistas visuais, como por exemplo, tracejados, favorece a escrita manual.

Abstract

Introduction: Manual writing corresponds to a form of communication for the purpose of reproducing information for other people. When well-received, writing is considered an automatic act in which the person performs it without planning the necessary movements. Trauma, injury, and other dysfunctions can alter writing performance, as occurs in Parkinson's Disease (PD). Objective: This study aimed to study the handwriting of people with Parkinson's disease before and after writing and manual skills training. Methods: This work corresponds to the analysis of the data of a pilot study, in which five people with PD participated, all with the dominant right member for writing. Participants underwent five interventions, including assessment and reevaluation. Results/Discussion:The results show that there was an improvement in the legibility of writing and that the clinical symptoms presented by the patients interfered negatively in the performance of manual writing. It is suggested that this treatment proposal be implemented in a longer time and that other outcome measures be incorporated to improve the analyzes. Conclusion: It was possible to notice that there was an improvement in the use of the fine motor skills necessary for the writing performance of the participants, such as improvement in the precision of the traces and fine motor coordination. In relation to writing training, the study points out that the use of visual cues, such as dashes, favors manual writing.

Keywords: Handwriting; Motor Skills; Occupational Therapy; Parkinson Disease

 

Resumen

Introducción: La escritura manual corresponde a una forma de comunicación con el objetivo de reproducir información a otras personas. Cuando es bien adquirida, la escritura es considerada un acto automático en que la persona la ejecuta sin que haya la planificación de los movimientos necesarios. Traumas, lesiones y otras disfunciones pueden alterar el desempeño de la escritura, como ocurre en la enfermedad de Parkinson. Objetivo: Estudiar la escritura manual de personas con enfermedad de Parkinson antes y después del entrenamiento de la escritura y de habilidades manuales. Métodos: Este trabajo corresponde al análisis de los datos de un estudio piloto, en el que participaron cinco personas con Parkinson, todos con el miembro derecho dominante para la escritura. Los participantes se sometieron a cinco intervenciones, incluida la evaluación y la reevaluación. Resultados/Discusión: Los resultados muestran que hubo mejoría en la legibilidad de la escritura y que los síntomas clínicos presentados por los pacientes interfieren negativamente en el desempeño de la escritura manual. Se indica que esta propuesta de tratamiento se aplique en un tiempo mayor y que se incorporen otras medidas de resultado para mejorar los análisis. Conclusión: Fue posible percibir que hubo mejoría en el uso de las habilidades motoras finas necesarias para el desempeño de la escritura de los participantes, como mejora en la precisión de los trazos y en la coordinación motora fina. En cuanto al entrenamiento de la escritura, el estudio apunta que la utilización de pistas visuales, como por ejemplo, discontinuas, favorece la escritura manual.

Palabrasclave: Destreza Motora; Escritura Manual; Enfermedad de Parkinson; Terapia ocupacional.

 


Palavras-chave


Destreza Motora, Doença de Parkinson, Escrita Manual, Terapia Ocupacional

Texto completo:

PDF

Referências


Saito TC. A Doença de Parkinson e Seus Tratamentos: uma revisão bibliográfica. [Monografia]. Londrina: Centro Universitário Filadélfia; 2011. Disponível em: http://web.unifil.br/pergamum/vinculos/000004/00000414.pdf.

Sime MM. Preensão para escrita manual em universitários: diferentes tipos e sua relação com teste de destreza fina. [Dissertação]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2012. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/6863/4777.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Cardoso MH; Henderson S; Capelline SA. Tradução e adaptação cultural brasileira do Detailed Assessment Speed Handwriting: equivalência conceitual e semântica. Audiol Commun Res. 2014; 19(4):321-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/acr/v19n4/pt_2317-6431-acr-2317-64312014000400001447.pdf. doi: 0.1590/S2317-64312014000400001447.

Cardoso MF. Adaptação cultural do Detailed Assessmento Speed Handwriting (DASH) para escolares de ensino público. [Dissertação]. Marília: Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências; 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/110549/000789304.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

De Queiroz R. A informação escrita: do manuscrito ao texto virtual. [Internet]. [citado 10jan.2016]. Disponível em: http://www.ufrgs.br/limc/escritacoletiva/pdf/a_info_escrita.pdf.

Pasculli AG. Tradução e Adaptação Transcultural do Minnesota Handwriting Assessment para Aplicação no Brasil. [Dissertação]. Rio Claro: Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista; 2014. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/110449/000789050.pdf?sequence=1.

Borges V; Ferraz HB. Tremores. Rev. Neurocienc. 2006; 14(1):043-047. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2006/RN%2014%2001/Pages%20from%20RN%2014%2001-7.pdf.

Souza CFM; Almeida HCP; Souza JB; Costa PH; Silveira YSS; Bezerra JCL. A Doença de Parkinson e o Processo de Envelhecimento Motor: Uma Revisão de Literatura. Rev. Neurocienc. 2011; 19(4):718-723. Disponível em: http://revistaneurociencias.com.br/edicoes/2011/RN1904/revisao%2019%2004/570%20revisao.pdf.

Fukunaga JY; Quitschal RM; Doná F; Ferraz HB; Ganança MM; Caovilla HH. Postural control in Parkinson’s disease. Braz. j. Otorhinolaryngol. 2014; 80(6):508-514. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/bjorl/v80n6/1808-8694-bjorl-80-06-0508.pdf. Doi: 10.1016/j.bjorl.2014.05.032.

Nascimento NF; Albuquerque DBL. Avaliação das alterações funcionais nos estágios evolutivos da doença de Parkinson: uma série de casos. Rev Fisiot. Mov. 2015; 28(4):741-749. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fm/v28n4/1980-5918-fm-28-04-00741.pdf. Doi: 10.1590/0103-5150.028.004.AO11.

Galhardo MMAMC; Amaral AKFF; Vieira ACC. Caracterização dos distúrbios cognitivos na Doença de Parkinson. Rev. CEFAC. 2009; 11(2):251-257. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v11s2/a15v11s2.pdf. Doi: 10.1590/S1516-18462009000600015.

Rosenblum S; Samuel M; Zlotnik S; Erikh I; Schlesinger I. Handwriting as an objective tool for Parkinson’s disease diagnosis. J Neurol. 2013; 260(9):2357-61. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23771509. Doi: 10.1007/s00415-013-6996-x.

Costallat MD. Coordenação dinâmica manual. Educação da Coordenação visomotora, Psicomotricidade. Porto Alegre. Globo Editora; 1981.

Giuffrida CG; Rice EM. Habilidades Motoras e Desempenho Ocupacional: Avaliação e Tratamento. In: Willard, HS. Terapia ocupacional / Willard & Spackman. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011; 692-723.

Rodrigues AAC. Validade da avaliação da coordenação e destreza motora – ACCORDEM para crianças de 7 e 8 anos de idade. [Tese]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional; 2011. Disponível em: http://www.eef.ufmg.br/mreab/documentos_new/Dissertpdf/TeseAnAmelia.pdf.

American Occupational Therapy Association (AOTA). Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo - 3ª ed. traduzida. RTO [Internet]. 24abr.2015 [citado 20mai.2016]; 26(esp):1-9. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/97496. Doi: 10.11606/issn.2238-6149.v26iespp1-49.

Fetter S; Lima ELC; Lima GC. O ensino da escrita manual no Brasil: dos modelos caligráficos à escrita pessoal no século XXI. [Internet]. 2010 [citado 20mai.2016]. Disponível em: https://www.academia.edu/1621871/O_Ensino_da_Escrita_Manual_no_Brasil_Dos_Modelos_Caligr%C3%A1ficos_%C3%A0_Escrita_Pessoal_no_S%C3%A9culo_XXI.

Hoehn MM; Yahr MD. Parkinsonism: onset, progression, and mortality. Neurology. 1967; 17(5):427-442. Disponível em: https://n.neurology.org/content/neurology/17/5/427.full.pdf.

Ebersbach G; Baas H; Csoti I; Müngersdorf M; Deuschl G. Scales in Parkinson’s Disease. J Neurol. 2008; 255(9):1444. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16944355. Doi: 10.1007/s00415-006-4008-0.

Buck PO; Wilson RE; Seeberger LC; Conner JB; Castelli HJ. Examination of the UPDRS Bradykinesia Subscale: Equivalence, Rebility and Validity. Journal of Parkinson’s Disease. 2011; 1(3):253-8. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23939305. Doi: 10.3233/JPD-2011-11035.

Aragon A; Kings J. Occupational Therapy for People With Parkinson’s. Best practice guidelines. Londres, 2010. Disponível em: https://www.parkinsons.org.uk/sites/default/files/2017-12/otparkinsons_bestpractiseguidelines.pdf.

Bryant MS; Rintala DH; Lai EC; Protas EJ. An investigation of two interventions for micrographia in individuals with Parkinson’s disease. Clinical Rehabilitation. 2010; 24(11):1021-6. Disponível: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20554637. Doi: 10.1177/0269215510371420.

Ziliotto A; Cersosimo MG; Micheli FE. Handwriting Rehabilitation in Parkinson Disease: A Pilot Study. Ann Rehabil Med. 2015; 39(4):586-91. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26361595. Doi: 10.5535/arm.2015.39.4.586.

Da Mata FAF; Barros ALS; Lima CF. Avaliação do risco de quedas em pacientes com Doença de Parkinson. Rev. Neurociências. 2008; 16(1):20-24. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2008/RN%2016%2001/Pages%20from%20RN%2016%2001-5.pdf.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB