Dispositivos de tecnologia assistiva para crianças e adolescentes com deficiência física confeccionados em projetos de extensão para comunidade / Assistive technology devices for children and adolescents with physical disabilities made in a community extension project

Bruna Araújo Morais Xavier, Gilma Correa Coutinho, Mariana Midori Sime, Fabiana Drumond Marinho

Resumo


Os dispositivos de Tecnologia Assistiva (TA) proporcionam autonomia às pessoas com deficiência. O objetivo do estudo foi investigar que tipos de dispositivos de TA de baixo custo têm sido confeccionados pela terapia ocupacional para crianças e adolescentes com deficiência física em um projeto de extensão universitário, caracterizando o material, o perfil epidemiológico e demográfico, e as atividades da vida diária auxiliadas com o uso dos dispositivos. Método: Estudo de análise documental realizado nas fichas de atendimento de pacientes na faixa etária de 0-18 anos, no período de 2013 a 2018. Os dados analisados foram sexo, idade, diagnóstico, município de moradia, tipo de dispositivo, material utilizado e as atividades da vida diária para o uso dos dispositivos. Resultados e Discussão: Foram analisadas 91 fichas de pacientes residentes em 26 municípios. Dentre os 27 diagnósticos encontrados, 7 casos considerados raros foram atendidos, e os de paralisia cerebral foram os mais frequentes. Dos dispositivos, as órteses estáticas e as adaptações para escrita foram as que mais atenderam aos pacientes, sendo utilizado o termoplástico e outros materiais de baixo custo, como o EVA e a madeira para a confecção. As órteses e as adaptações foram utilizadas nas atividades da vida diária de alimentação, escrita, vestuário e higiene. Considerações: Através do projeto de extensão, crianças e adolescentes com deficiência física tiveram acesso gratuito à dispositivos de TA, que deveriam ser ofertados pelos órgãos públicos de saúde em seus municípios de moradia. A vivência também favoreceu a potencialização do aprendizado dos discentes na atuação clínica da terapia ocupacional com a comunidade.

 

Abstract

Assistive Technology (AT) devices provide autonomy to people with disabilities. The aim of the study was to investigate what types of low-cost AT devices have been made by occupational therapy for children and adolescents with physical disabilities in a university extension project, featuring the material, the epidemiological and demographic profile, and the activities of life daily assistance with the use of the devices. Method: Document analysis study carried out on patient care records in the age group 0-18 years, from 2013 to 2018. The data analyzed were sex, age, diagnosis, municipality of residence, type of device, material used and activities of daily living for the use of devices. Results and Discussion: 91 records of patients residing in 26 municipalities were analyzed. Among the 27 diagnoses found, 7 cases considered rare were attended to, and cerebral palsy cases were the most frequent. Of the devices, static orthoses and adaptations for writing were the ones that most attended patients, using thermoplastic and other low-cost materials, such as EVA and wood for making. Orthoses and adaptations were used in daily activities of food, writing, clothing and hygiene. Considerations: Through the extension project, children and adolescents with physical disabilities had free access to AT devices, which should be offered by public health agencies in their municipalities. The experience also favored the enhancement of students' learning in the clinical performance of occupational therapy with the community.

Keywords: Education, Assistive technology, Child, Adolescent, Physical disability, Occupational Therapy

 

Resumen

Los dispositivos de tecnología de asistencia (AT) brindan autonomía a las personas con discapacidad. El objetivo del estudio fue investigar qué tipos de dispositivos de TA de bajo costo han sido fabricados por terapia ocupacional para niños y adolescentes con discapacidad física en un proyecto de extensión universitaria, destacando el material, el perfil epidemiológico y demográfico y las actividades de la vida. Asistencia diaria con el uso de los dispositivos. Método: Estudio de análisis documental realizado sobre historias clínicas de pacientes en el grupo de edad 0-18 años, de 2013 a 2018. Los datos analizados fueron sexo, edad, diagnóstico, municipio de residencia, tipo de dispositivo, material utilizado y actividades de la vida diaria para el uso de dispositivos. Resultados y Discusión: Se analizaron 91 registros de pacientes residentes en 26 municipios. De los 27 diagnósticos encontrados, se atendieron 7 casos considerados raros y los casos de parálisis cerebral fueron los más frecuentes. De los dispositivos, las ortesis estáticas y las adaptaciones para la escritura fueron las que más atendieron a los pacientes, utilizando termoplásticos y otros materiales de bajo costo, como EVA y madera para su confección. Se utilizaron órtesis y adaptaciones en las actividades diarias de alimentación, escritura, vestimenta e higiene. Consideraciones: A través del proyecto de extensión, los niños, niñas y adolescentes con discapacidad física tuvieron acceso gratuito a los dispositivos de TA, los cuales deben ser ofrecidos por las agencias de salud pública en sus municipios. La experiencia también favoreció la mejora del aprendizaje de los estudiantes en el desempeño clínico de la terapia ocupacional con la comunidad.

Palabras clave: Educación, Tecnología de asistencia, Niños, Adolescentes, Discapacidad física, Terapia ocupacional


Palavras-chave


Equipamentos de Autoajuda; Assistência Integral à Saúde; Pessoas com Deficiência; Educação; Terapia Ocupacional

Texto completo:

PDF

Referências


- Assistiva. Tecnologia e Educação [homepage da internet]. Disponível

Acesso em: 13 de maio de 2018.

- Pelosi MB, Nunes LR, D’oliveira P. Formação em serviço de profissionais da saúde na área

de tecnologia assistiva: o papel do terapeuta ocupacional. Rev. Bras. Cres. Desenv. Hum.

; 19(3): 435-444. DOI: 10.7322/jhgd.19931.

- Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO). Resolução nº 458, de

de novembro de 2015. Dispõe sobre o uso da Tecnologia Assistiva pelo terapeuta

ocupacional e dá outras providências. DOU 09-12 2015; Seção 1. Disponível

Acesso em: 12 de abril de 2018.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísitica (IBGE). Disponível

Acesso em 08 de abril de 2018.

- Marques MLC, Santos CBD, Rocha ANDC. Identificação da interação e do brincar da

criança com deficiência física no contexto escolar sob a visão dos professores. In: 8°

Congresso de extensão universitária da UNESP; Universidade Estadual Paulista (UNESP);

p. 1-7.

- CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. [Centro

Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações

Internacionais, org.; coordenação da tradução Cassia Maria Buchalla]. São Paulo. Editora da

Universidade de São Paulo, 2003.

- Lima RC et al. Os avanços da tecnologia assistiva para pessoas com paralisia cerebral no Brasil: Revisão de literatura. Rev. da Universidade Vale do Rio Verde 2014; 12(2):841-51.

- Cruz DMC, Emmel MLG, Manzini MG, Mendes PVB. Assistive technology accessibility and abandonment: challenges for occupational therapists. The Open Journal of Occupational Therapy, 2016.

- Viera S, Hossene WS. Metodologia científica para a área da saúde. Rio de Janeiro: Elsevier. 6ª reimpressão. 2001.

- Coutinho GC, Drumond FD, Sime MM. O desempenho de pessoas com deficiências neurológicas nas atividades de autocuidado com o uso de órteses de baixo custo. Proceedings of the 1st International Workshop on Assistive Technologies IWAT 2015 – Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, Espírito Santo, Brazil. ISSN 2346-59.

- Papalia DE, Feldman RD. Desenvolvimento humano. 12 ed. Porto Alegre: AMGH; 2013.

- Ribeiro MFM, Vandenberghe L, Prudente COM, Vila VSC, Porto CC. Paralisia cerebral: faixa etária e gravidade do comprometimento do filho modificam o estresse e o enfrentamento materno. Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21:3203-12. DOI: 10.1590/1413-12320152110.17352016.

- Binha AMP, Maciel SC, Bezerra CC. A. Perfil epidemiológico dos pacientes com paralisia cerebral atendidos na AACD-São Paulo. Acta Fisiátrica 2018; 25(1):1-6. DOI: 10.11606/issn.2317-190.v25i1a158818.

- Toledo CAW, Pereira CHCN, Vinhaes MM, Lopes MIR, Nogueira MARJ. Perfil epidemiológico de crianças diagnosticadas com paralisia cerebral atendidas no Centro de Reabilitação Lucy Montoro de São José dos Campos. Acta fisiátrica 2015;22(3). DOI:10.5935/0104-7795.20150023.

- Peixoto MVS. Epidemiologia da paralisia cerebral em crianças e adolescentes e associação com a vulnerabilidade em saúde. Aracaju. [Tese] - Universidade Federal de Sergipe; 2018.

- Ghizoni MF et al. Paralisia obstétrica de plexo braquial: revisão da literatura. Obstetrics brachial plexus palsy: literature review. Arquivos Catarinenses de Medicina 2010;39(4). Disponível em: Acesso em: 22 de abril de 2019.

- Heise CO, Martins R, Siqueira M. Neonatal brachial plexus palsy: a

permanent challenge. Arquivos de neuro-psiquiatria 2015; 73(9):803-8. DOI: 10.1590/0004-282X20150105.

- Costa CMS. Perfil das malformações congênitas em uma amostra de nascimentos no Município do Rio de Janeiro, 1999-2001. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, 2005. 51p. Disponível em: Acesso em: 05 de maio de 2019.

- Martins FJ, Beserra NC, Barbosa LG. Perfil clínico e epidemiológico de crianças internadas por hidrocefalia num hospital municipal de São Paulo no período de 2014 a 2016. Revista Brasileira de Neurologia 2018; 54(1). Disponível em: Acesso em: 05 de maio de 2019.

- Marinho F et al. Microcefalia no Brasil: prevalência e caracterização dos casos a partir do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), 2000-2015. Epidemio. Serv. De Saúde 2016; 25:701-12. DOI: 10.5123/s1679-49742016000400004.

- Brasil. Ministério da Saúde (BR); Gabinete do Ministro. Portaria no 199, de 30 de janeiro de 2014. Institui a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras, aprova as Diretrizes para Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e institui incentivos financeiros de custeio. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil; 2014. Disponível Acesso em 08 de maio de 2019.

- Secretaria de Estado da Saúde (SESA). Resoluções Comissão Intergestores Bipartide (CIB). Resolução nº 268/2012. Disponível

Acesso em 29 de outubro de 2019.

- Brasil. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR/Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNPD). VIVER SEM LIMITES. Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência. SDH-PR/SNPD, 2013. Disponível em: . Acesso em 16 de abril de 2019.

- Secretaria de Estado da Saúde – SESA. Disponível em Acesso em: 29 de outubro de 2019.

- Ferrigno ISV. Terapia da mão: fundamentos para a prática clínica. São Paulo. Santos. 2007; 157. P. 123-37.

- Edelsen, JE, Bruckner J. Órteses: abordagem clínica. [tradução Eliane Ferreira]. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2006. 200. p. 6,7.

- ASHT – American Society of Hand Therapists. Splint Classification System, Chicago, 1992. DOI: 10.1142/S0218810402001199.

- Agnelli LB, Toyoda CY. Estudo de materiais para a confecção de órteses e sua utilização prática por terapeutas ocupacionais no Brasil. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional 2010; 11(2).




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto34354

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB