Terapia ocupacional x violência na escola: possibilidades de enfrentamento na educação infantil/ Occupational Therapy X Violence at school: possibility of coping in early childhood education

MARIA NATALIA SANTOS CALHEIROS, Natália Sobral Monteiro, Jessyca Gabrielle Albuquerque Virgolino

Resumo


Introdução: Sabe-se que a escola é um ambiente que contribui não só para o desenvolvimento de aprendizagem, mas também para a construção da cidadania, e nesse contexto diversas medidas vêm sendo tomadas para o enfrentamento da violência. Objetivo: Este artigo propõe investigar as possíveis intervenções da terapia ocupacional para o enfrentamento da violência na escola na educação infantil através de um diagnóstico situacional. Métodos: A pesquisa caracteriza-se como qualitativa, sendo realizada numa escola pública de educação básica localizada no município de João Pessoa-PB e sua coleta de dados se deu por meio de observações das crianças no recreio e aplicação de entrevista semiestruturada com professores e profissionais da educação infantil. Resultados: Utilizou-se a análise categorial de Bardin e desenvolveu-se três categorias abrangendo o significado da violência para os profissionais, as realidades do contexto frente a violência na escola e propostas de enfrentamento. Conclusão: Concluiu-se que, para o enfrentamento, é necessário construir um trabalho de atenção e cuidado articulado com a escola, crianças, família e comunidade.

Palavras-chave: Violência. Escola. Terapia Ocupacional. Educação Infantil. Enfrentamento da violência. Crianças. 


Abstract

Introduction: It is known that the school is an environment that contributes not only to the development of learning, but also to the construction of citizenship, and in this context several measures have been taken to confront violence. Objective: This article proposes to investigate the possible interventions of occupational therapy to cope with violence at school in early childhood education through a situational diagnosis. Method: The research is characterized as qualitative, being carried out in a public school of basic education located in the city of João Pessoa-PB and its data collection occurred through observations of children in the playground and application of semi-structured interviews with teachers and early childhood education professionals. Results: Bardin's categorical analysis was used and three categories were developed covering the meaning of violence for professionals, the realities of the context in the face of violence at school and proposals for coping. Conclusion: It was concluded that, in order to cope, it is necessary to build a work of attention and care articulated with the school, children, family and community.

Keywords: Violence. School; Occupational Therapy. Early Childhood Education. Coping with violence. Children.

 

Resumen

Introduction: Se sabe que la escuela es un entorno que contribuye no sólo al desarrollo del aprendizaje, sino también a la construcción de la ciudadanía, y en este contexto se han tomado varias medidas para hacer frente a la violencia. Objetivo: Este artículo propone investigar las posibles intervenciones de terapia ocupacional para hacer frente a la violencia en la escuela en la educación de la primera infancia a través de un diagnóstico situacional. Método: La investigación se caracteriza por cualitativa, realizada en una escuela pública de educación básica ubicada en la ciudad de Joao Pessoa-PB y su recopilación de datos se produjo a través de observaciones de niños en el patio de recreo y aplicación de entrevistas semiestructuradas con profesores y profesionales de la educación de la primera infancia. Resultado: Se utilizó el análisis categórico de Bardin y se desarrollaron tres categorías que abarcan el significado de la violencia para los profesionales, las realidades del contexto frente a la violencia en la escuela y las propuestas para hacer frente a la violencia. Conclusión: Se llegó a la conclusión de que, para hacer frente, es necesario construir una obra de atención y cuidado articulada con la escuela, los niños, la familia y la comunidad.

Palabras clave: Violencia. Escuela. Terapia Ocupacional. Educación en la primera infância. Afrontamiento de la violência. Niños. 


Palavras-chave


Terapia Ocupacional, violência, escola, crianças

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Becker, K., & Kassouf, A. (2016). Violência nas escolas públicas brasileiras: uma análise da relação entre o comportamento agressivo dos alunos e o ambiente escolar. Nova economia. 26(2), 653-677.

Buelau, R. M., Inforsato, E. A., & Lima, E. M. F. A. (2009). Exercícios de sonhar junto: criatividade e experiências estéticas no acompanhamento de uma criança. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. 20(3), 164-170.

Caimi, C. L., Oliveira, L. F. L., & Haushahn, R. C. (2008). Concepções de Agressividade no Âmbito da Educação Infantil. In: Contexto e Educação (pp. 155-179). São Geraldo: Editora Unijuí.

Candreva, T., Cassiani, V., Ruy, M. P., Thomazini, L., Freita H. C. de, & Prodócimo, E. (2009) A agressividade na educação infantil: o jogo como forma de intervenção. Pensar a prática. 12(1), 1-11.

Carleto, D. G. S., Alves, H. C., & Gontijo, D. T. (2010). Promoção de saúde, desempenho ocupacional e vulnerabilidade social: subsídios para a intervenção da Terapia Ocupacional com adolescentes acolhidas institucionalmente. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. 21(1), 89-97.

Charlot, B. (2002). A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Revista Sociologias. 4(8), 432-443.

Conselho Federal De Fisioterapia e Terapia Ocupacional - COFFITO. (2005). Revista Coffito. Brasília. Ano 7, n. 24.

Côrtes, C., Gontijo, D. T., & Alves, H. C. (2011). Ações da Terapia Ocupacional para a prevenção da violência com adolescentes: relato de pesquisa. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. 22(3), 208-215.

Costa, P. A. da S. (2011). Violência no cotidiano escolar: a visão dos professores que atuam no ensino fundamental de escolas públicas do município de Corumbá-MS. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Pioneiros, MS, Brasil.

Farias, M. N., & Faleiro, W. (2017). Contribuições da Terapia Ocupacional Social nas escolas do campo. Revista Brasileira de Educação do Campo. 2(--), 542-562.

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública. 24(1), 17-27.

Galvão, L. (2008). Cenas do cotidiano escolar: conflitos sim, violência não. Petrópolis: Vozes.

Gontijo, D., Julião, C., Kappel, V., Alves, H., & Farinelli, M. (2013). Identificação e caracterização da violência escolar: subsídios para ações de enfrentamento. Mundo Saúde. 37(1), 16-24.

Guimarães, C. M., Lopes, C. C. G. P., Fernandes, J. G. D., Sábio, S. C., Rodrigues, S. A, & Toninato, T. D. (2008). A produção científica brasileira sobre as práticas de formação inicial e continuada de professores para a educação infantil no período de 1996-2006. Revista Interações. 9(--), 32-65.

Kappel, V., Gontijo, D., Medeiros, M., & Monteiro, E. (2014). Enfrentamento da violência no ambiente escolar na perspectiva dos diferentes atores. Interface: Botucatu. 18(51), 723-35.

Lacourse, E., Coté, S., Nagin, D. S., Vitaro, F., Brendgen, M., & Tremblay, R. E. (2002). A Longitudinal-experimental Approach to Testing Theories of Antisocial Behavior Development. Development & Psychopathology. 14(--), 909- 924.

Malhotra, N. K., Rocha, I., Laudissio, M. C., Altheman, E., & Borges, F. M. (2005). Introdução a Pesquisa de Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Marcolino, T. Q. (2014). Reflexões sobre a investigação do raciocínio clínico em terapia ocupacional em saúde mental: o caso do Método Terapia Ocupacional Dinâmica. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. 22(3), 635-642.

Marques, R. (2011). Professores, família e projecto educativo. Lisboa: Asa Editores.

Minayo, M. C. S. (2006). Violência e saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. (2002). Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Genebra.

Ponce, J. (2016). Equipes Multidisciplinares e seu papel nas escolas: Uma experiência baseada em Obras de Arte. In: Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE: produções didático-pedagógicas. Curitiba: SEED/PR.

Reis, L. (2010). A participação da família no contexto escolar. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Santos, H. (2016). A violência presente nas relações entre alunos e professores no contexto escolar: um estudo bibliográfico. Disponível em: https://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2017/02/Artigo-Helen.pdf.

Silva, J. P. da. (2016). Violência na educação infantil: apreensão dos sentidos e significados docentes. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Pioneiros, MS, Brasil.

Silva, R. P. da. (2012). A escola enquanto espaço de construção do conhecimento. Revista Espaço Acadêmico. 12(139), 83-91.

Spósito, M. P. (2001). Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa. 27(1), 87-103.

Tigre, M, das G. do E. S. (2013). Escola, Juventude e Violência: um estudo no ensino médio. Tese de doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, SP, Brasil.

Tremblay, R., Gervais, J., & Petitclerc, A. (2008). Prevenir a violência pelo aprendizado na primeira infância. Montréal: Centre d’excellence pour le Departamento de Psicologia 10 développement des jeunes enfants. Disponível em: http://www.excellencejeunesenfants.ca/documents/Tremblay_RelatorioAgressao_PRT.pdf.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto34621

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB