Contribuições do esporte adaptado: Reflexões da terapia ocupacional para a área da saúde

Natasha Reis Ferreira, Débora Couto de Melo Carrijo, Evaine da Silveira Silva, Marisa Conceição Ramos, Cristiane Lopes Carneiro

Resumo


A Terapia Ocupacional utiliza atividades como recursos terapêuticos, tais como as Atividades de Lazer, podendo o esporte ser uma delas. Esta pesquisa teve como objetivos caracterizar, pela percepção dos paratletas de handebol, os benefícios e as limitações na prática esportiva, e discutir as ações do terapeuta ocupacional nesse âmbito. O instrumento metodológico utilizado foi a entrevista estruturada, audiogravada e posteriormente transcrita. Sete paratletas de Handebol adaptado foram entrevistados, sendo todos homens, com idades entre 32 e 51 anos. Os sujeitos destacaram, dentre os benefícios da prática esportiva, a melhoria de aspectos sociais, controle emocional e controle motor, além de compreenderem a atividade como promotora de benefícios para a saúde. As dificuldades foram menos relatadas, se comparadas aos benefícios, porém foram mencionadas as questões financeiras e as limitações motoras. Em relação aos profissionais da saúde, os entrevistados destacaram os fisioterapeutas e ortopedistas, porém identificaram que o terapeuta ocupacional também pode atuar no campo esportivo. Discute-se que o terapeuta ocupacional pode contribuir para o reconhecimento da funcionalidade, dos facilitadores e barreiras na realização da atividade esportiva e que essas, entendidas enquanto lazer, podem ser ampliadas e incentivadas pelos profissionais que atuam na atenção básica, ampliando o acesso e promovendo a participação na comunidade, como previsto nas estratégias da Reabilitação Baseada na Comunidade. Assim, o terapeuta ocupacional, ao atuar no campo do esporte adaptado, pode contribuir para o desenvolvimento da atividade, considerando seu conhecimento sobre as ações humanas e sua contribuição para a autonomia e a qualidade de vida.


Palavras-chave


Terapia Ocupacional, Esporte Adaptado, Benefícios, Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Carvalho AJM, Grande AAB. Perfil das atividades de vida diária dos atletas paraolímpicos de alta performance elaborado através do questionário HAQ (Health Assessmtent Questionnaire). Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. São Carlos. 2012; 20(2):273-278.

Associação Americana de Terapia Ocupacional. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo 3ª ed. Rev Ter Ocup Univ São Paulo; jan.-abr. 2015; 26(ed. esp.):1-49.

Cavalcanti A. Avaliação da recreação e do lazer In: Cavalcanti A, Galvão C. Terapia Ocupacional: fundamentação e prática, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007, p. 69-73.

Toldrá RC, Souto ACF. USEI - Atenção ambulatorial de média complexidade em saúde e reabilitação de pessoas com deficiência física no âmbito da Terapia Ocupacional: reflexões a partir da prática. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, 2013; 21(2): 299-306.

Almeida MAB, Gutierrez GL. Subsídios teóricos do conceito cultura para entender o lazer e suas políticas públicas. Conexões; [acesso em 2015 nov 28] Campinas; 2004; 2(1):48-63. Disponível em:

Hunger D, Squarcini CFR, Pereira JM. A pessoa portadora de deficiência física e o lazer. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, [acesso em 2015 nov 28] Campinas; 2004; 25(3):85-100. Disponível em:

Bacheladenski, MS, Matiello Junior E. Contribuições do campo crítico do lazer para a promoção da saúde. Ciênc. saúde coletiva [acesso em 2015 dez 1]. 2010; 15(5):2569-2579. Disponível em: Acesso em: 1 dez 2015.

Pinheiro MFG, Gomes CL. A temática do lazer em cursos de graduação da área da saúde. Revista Motriz, [acesso em 2015 nov 28] Rio Claro; 2011; 17(4):579-590. Disponível em:

Santos A, Jesus GM, Batista JDO, Rocha LAO, Farias SRR. Lazer, esporte, jogo e trabalho: uma relação com a deficiência. Revista Diálogos Possíveis; Salvador; 2006; 5(1):174-187.

Martinelli SA. A importância das Atividades de Lazer na Terapia Ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, 2011, 19(1):111-118.

Oliveira CB. Adolescência, inclusão de deficientes e educação física. Revista Digital; [acesso em 2015 nov 30] Buenos Aires; 2005; 10(82):1-6.

Disponível em:

Borella DR. Atividade Física Adaptada no contexto das matrizes curriculares dos cursos de Educação Física. [tese]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2010.

Glantz CH, Richman N. Atividades de Lazer. Pedretti LW, Early MB. Terapia Ocupacional: capacidades práticas para as disfunções físicas. 5ª ed, São Paulo: ROCA, 2005. p. 268-274.

Brasil. Lei Federal nº 13.146, de 06 de julho de 2015.Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em:

Luiz CCA, Macedo MDCD. Natação e atividades aquáticas para populações especiais: uma experiência em terapia ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, 2003; 11(2):124-127.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades – São Paulo- São Carlos Censo 2010. Disponível em: < http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=354890&search=sao-paulo|sao-carlos> Acesso em 30 nov 2015.

Itani DE, Araújo PF, Almeida JJG. Esporte adaptado construído a partir das possibilidades: Handebol Adaptado. Revista Digital; [acesso em 2015 nov 27] Buenos Aires; 2004; 10(72):1-11. Disponível em:

Cerezetti CRN, Nunes GR, Cordeiro DRCL, Tedesco S. Lesão Medular Traumática e estratégias de enfrentamento: revisão crítica. O Mundo da Saúde; [acesso em 2015 dez 8] São Paulo; 2012; 36(2):318-326. .Disponível em:

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Pessoa com Lesão Medular. Brasília: 2013.

Silva DSG, Câmara CNS. Poliomielite no Brasil: histórico e inclusão no mercado de trabalho. Revista Digital. [acesso em 2015 dez 5] Buenos Aires; 2011; 16(156). Disponível em:

Cartilha do Censo 2010. Pessoas com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012.

Ferreira LTD, Castro SS, Buchalla CM. The International Classification of Functioning, Disability and Health: progress and opportunities. Ciênc. saúde coletiva [acesso em 2015 dez 12]; 2014; 19(2):469-474. Disponível em:

Amaral, FLJS, Holanda CMA, Quirino MAB, Nascimento JPS, Neves RF, Ribeiro KSQS, et al. Acessibilidade de pessoas com deficiência ou restrição permanente de mobilidade ao SUS. Ciênc. saúde coletiva [acesso em 2015 dez 10]; 2012; 17(7):1833-1840. Disponível em:

Farias, N; Buchalla, CM. A Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde da Organização Mundial da Saúde: Conceitos, Usos e Perspectivas. Rev Bras Epidemiol; 2005; 8(2): 187-93.

Brazuna MR, Castro EM. A Trajetória do Atleta Portador de Deficiência Física no Esporte Adaptado de Rendimento. Uma Revisão da Literatura. Motriz; [acesso em 2015 dez 7], Rio Claro; 2001; 7(2):115-123. .Disponível em:

Oliver FC, Tissi MC, Aoki M, Vargem EF, Ferreira TG. Participação e exercício de direitos de pessoas com deficiência: análise de um grupo de convivência em uma experiência comunitária. Interface [acesso em 2015 dez 7], Botucatu; 2004; 8(15):275-288 Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/icse/v8n15/a07v8n15.pdf>

Wilhite, B, Shank, J. In praise of sport: Promoting sport participation as a mechanism of health among persons with a disability. Disability and Health Journal 2009; 2;116-127.

Adams RC, Daniel AN, Mc Cubbin JA, Rullman L. Esportes, jogos e atividades adaptadas para deficientes físicos In: Adams RC, Daniel AN, Mc Cubbin JA, Rullman L. Jogos, esportes, e exercícios para o deficiente físico. São Paulo: Manole, 1985. p.217-354.

Hasselkus BR. Introdução às populações de adultos e idosos. In: Neistadt EM, Crepau BE. Willard & Spackman Terapia Ocupacional, 9ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. p. 626-627.

Cardoso VD. A reabilitação de pessoas com deficiência através do desporto adaptado. Rev. Bras. Ciênc. Esporte [acesso em 2015 dez 08], Florianópolis, 2011; 33(2):529-539. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbce/v33n2/17.pdf>.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO

Indexado em: