Avaliação do comportamento pessoal e social de pré-escolares/Evaluation of personal-social behavior of pre-schoolers

Angela Cristina Dornelas da Silva, Manuelle Clebiana de Lira Silva

Resumo


Introdução: o comportamento pessoal-social consiste no modo como a criança interage com outras pessoas e como se engaja nas atividades de autocuidado. A educação infantil é um importante espaço para a criança desenvolver este comportamento. Objetivos: verificar a prevalência de alteração no comportamento pessoal-social entre pré-escolares, e analisar a associação com variáveis biopsicossociais. Métodos: estudo seccional, exploratório e descritivo, com crianças de 2 a 6 anos de idade de uma escola pública em (informação suprimida). O desfecho foi avaliado através da escala do comportamento pessoal social do Teste de Triagem do Desenvolvimento de Denver II, e variáveis biopsicossociais através de questionário. Os dados foram analisados por estatística descritiva e inferencial. Resultados: dentre 60 crianças participantes do estudo, 15,0% apresentou alteração no comportamento pessoal social. Apesar de não detectar associações entre o desfecho e as variáveis biopsicossociais, identificou-se que muitas crianças não tiveram oportunidade de executar tarefas comuns do cotidiano. Conclusão: o estudo aponta para a importância da família e da escola possibilitarem o engajamento em atividades de autocuidado a fim de que as crianças desenvolvam autonomia para o ingresso no ensino fundamental.

Abstract

Introduction: Personal-social behavior consists of the way the child interacts with other people and how he engages in self-care activities. Early childhood education is an important space for children to develop this behavior. Objectives: to verify the prevalence of changes in personal-social behavior among preschoolers, and to analyze the association with biopsychosocial variables. Methods: sectional, exploratory and descriptive study was carried out with children aged 2 to 6 years old from a public school in João Pessoa. The outcome was assessed using the personal social behavior scale of the Denver II Developmental Screening Test, and biopsychosocial variables using a questionnaire. The data were analyzed using descriptive and inferential statistics. Results: among 60 children participating in the study, 15.0% showed changes in personal social behavior. Despite not detecting associations between the outcome and the biopsychosocial variables, it was found that many children did not have the opportunity to perform common everyday tasks. Conclusion: The study points to the importance of the family and the school to make it possible to engage in self-care activities so that children develop autonomy for entering elementary school.

Keywords: Child Development. Preschool. Activities of Daily Living. Risk Factors

 

Resumen

Introducción: el comportamiento personal-social consiste en la forma en que el niño interactúa con otras personas y cómo se involucra en actividades de autocuidado. La educación infantil es un espacio importante para que los niños desarrollen este comportamiento. Objetivos: verificar la prevalencia de cambios en la conducta personal-social entre preescolares y analizar la asociación con variables biopsicosociales. Métodos: se realizó un estudio seccional, exploratorio y descriptivo con niños de 2 a 6 años de una escuela pública de João Pessoa. El resultado se evaluó mediante la Escala de comportamiento social personal de la Prueba de detección del desarrollo de Denver II y las variables biopsicosociales mediante un cuestionario. Los datos se analizaron mediante estadística descriptiva e inferencial. Resultados: entre los 60 niños que participaron en el estudio, el 15,0% mostró cambios en el comportamiento social personal. A pesar de no detectar asociaciones entre el resultado y las variables biopsicosociales, se encontró que muchos niños no tenían la oportunidad de realizar tareas cotidianas comunes. Conclusión: el estudio señala la importancia de la familia y la escuela para posibilitar la realización de actividades de autocuidado para que los niños desarrollen autonomía para ingresar a la escuela primaria.

Palabras clave: Desarrollo Infantil. Preescolar. Actividades Cotidianas. Factores de Riesgo


Palavras-chave


Desenvolvimento infantil. Pré-Escolar. Atividades cotidianas. Fatores de risco.

Texto completo:

PDF

Referências


American Occupational Therapy Association. (2015). Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo - 3ª ed. traduzida. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 26 (esp), 1-49. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26iespp1-49

Blanche, E.I. (2000). Fazer junto com – não fazer para: a recreação e as crianças portadoras de paralisia cerebral. In L.D. Parham & L.S. Fazio (Eds.), A recreação na terapia ocupacional pediátrica (pp 202-218). São Paulo: Santos Livraria.

Cró, M.L., & Pinho, A.M. (2011). O Desenvolvimento Pessoal e Social da criança em contexto de creche versus prática profissional dos educadores de infância. Revista Reflexão e Ação, 19 (1), 308-327. http://dx.doi.org/10.17058/rea.v19i1.1544

Figueiras, A.C., Souza, I.C.N., Rios, V.G., & Bengugui, Y. (2005). Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDPI. Washington: OPAS.

Frankenburg, K.W., Dodds, J., Archer, P., Bresnick, B., Maschica, P., Edelman, N., & Shapiro, H. (2018). Denver II: Teste de triagem do desenvolvimento- Manual Técnico. (A. L. Sabatés, Trad.). São Paulo: Hogrefe (Obra original publicada em 1990).

Gesell, A. (1996). A criança dos 0 aos 5 anos (4a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Gómez, V.S. (2015). Evaluación del desarrollo madurativo en niños y niñas de adopción internacional y la influencia de la familia en su evolución [Tese de doctorado, Universitat de València]. http://hdl.handle.net/10550/50937

Halpern, R. (2015). A criança vulnerável: o papel dos fatores de risco e proteção na determinação do desenvolvimento da criança. In R. Halpern (Ed), Manual de pediatria do desenvolvimento e comportamento (pp. 59-72). Barueri: Manole.

Hassan, B.K., Werneck, G.L., & Hasselmann, M.H. (2016). Saúde mental materna e estado nutricional de crianças aos seis meses de vida. Rev Saúde Pública, 50 (7), 1-9. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2016050006237

Humphry, R. (2011). Ocupação e desenvolvimento: uma perspectiva contextual. In E.B. Crepau, E. Cohn, & B.A.B. Schell (Eds.), Willard & Spackman: terapia ocupacional (pp. 22-32). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Martins, M.F.D., Costa, J.S.D., Saforcada, E.T., & Cunha, M.D.C. (2004). Qualidade do ambiente e fatores associados: um estudo em crianças de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública, 20 (3), 710-718. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000300007

Ministério da Educação do Brasil. (2006). Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à educação. Brasília.

Paiva, N.M.N., & Costa, J.S. (2015). A influência da tecnologia na infância: desenvolvimento ou ameaça? Recuperado em 15 de março, 2021, de http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0839.pdf

Pereira, L., Guedes, S.C., Morais, R.L.S., Nobre, J.N.P., & Santos, J.N. (2021). Recursos ambientais, tipos de brinquedos e práticas familiares que potencializam o desenvolvimento cognitivo infantil. CoDAS, 33(2), 01- 08. https://doi.org/10.1590/2317-1782/20202019128

Rezende, M.A., Costa, O.S., & Pontes, P.B. (2005). Follow-up of the child's motor abilities in day-care centers and pre-schools. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 13 (5), 348- 355. https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000500003

Silva, A.C.D, Engstron, E.M., & Miranda, C.T. (2015). Fatores associados ao desenvolvimento neuropsicomotor em crianças de 6-18 meses de vida inseridas em creches públicas do Município de João Pessoa, Paraíba, Brasil. Cad. Saúde Pública, 31(9), 1881-1893. https://doi.org/10.1590/0102-311X00104814

Silva, A.F. (2018). Infância, gênero e brinquedos reflexões sobre a construção da domesticidade feminina através das coisas contemporâneas de brincar. Revista de Arqueologia, 31(2), 176-196. https://doi.org/10.24885/sab.v31i2.597

Siqueira, N.L.M., & Pfeifer, L. I. (2020). Definindo os objetivos da terapia ocupacional a partir do teste de triagem do desenvolvimento- Denver II. In L. I. Pfeifer, & N. L. M. Siqueira (Orgs.), Terapia ocupacional na infância: procedimentos na prática clínica (pp. 100-110). São Paulo: Memnon.

Word Health Organization. (1994). A user´s guide to the self reporting questionnaire (SRQ). Geneva.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto43130

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB