Contribuições do materialismo histórico para a terapia ocupacional: uma análise dialética do fazer e da generacidade humana / Contributions of historical materialism to occupational therapy: a dialectical analysis about human doing and genericity

Ana Flávia Dias Tanaka Shimoguiri, Abílio da Costa-Rosa

Resumo


O homem é o único ser capaz de produzir além das necessidades físicas podendo engendrar um processo produtivo direcionado pela ética do desejo no qual ao fazer ele constrói sua existência material e subjetiva, para Marx, essa é sua atividade vital que lhe confere a genericidade humana. Com o Modo Capitalista de Produção (MCP) o fazer e a produção tornaram-se vias de enquadramento para um laço social de (re)produção e consumo, de expropriação econômica e subjetiva, consequentemente de produção de subjetividades alienadas. A Terapia Ocupacional (TO) opera com o fazer e com as funções produtivas, todavia, ao falar sobre o homem como ser práxico não traz a práxis referenciada a um saber-fazer genuíno, assim, nossa proposta é a partir das contribuições do Materialismo Histórico, avançar na compreensão de um sujeito inseparável do seu fazer para pensar as atividades como dispositivos de subjetivação e singularização, de produção de saúde.

Abstract

 

Man is the only one capable of producing beyond the physical needs, he can engender a productive process directed by the ethics of desire, so doing things he can build him material and subjective existence, for Marx, this is the vital activity that gives him the human genericity. Occupational Therapy (OT) operates with the various activities that make up human production, activities of daily living, practical life, among others. From the contributions of Historical Materialism, through a bibliographical review, our objective in this work was to discuss the effects of the Capitalist Mode of Production on occupational therapies practices, and, mainly, to advance in the understanding of a subject inseparable from his doing, conceptualizing the activities used by OT as devices of subjectivation and health production.

Keywords: Capitalism, Subjectivity, Occupational therapy

 

Resumen

 

El hombre es el único ser capaz de producir más allá de las necesidades físicas, él puede engendrar un proceso productivo dirigido por la ética del deseo, entonces, haciendo atividades el hombre construye su existencia material y subjetiva, para Marx, esta es una actividad vital que proporciona la generalidad humana. La Terapia Ocupacional (TO) opera con las diversas actividades que componen la producción humana, actividades de vida diaria, de vida práctica, entre otras. A partir de las contribuciones del Materialismo Histórico, por medio de revisión bibliográfica, nuestro objetivo en este trabajo fue discutir los atravesamientos que las prácticas de TO sufrieron dadas las injunciones del modo capitalista de producción, y, sobre todo, avanzar en la comprensión de un sujeto inseparable de su hacer, conceptuando las actividades utilizadas por la TO como dispositivos de subjetivación y de producción de salud.

Palabras clave: Capitalismo, Subjetividad, Terapia ocupacional


Palavras-chave


Capitalismo; Comunismo; Terapia ocupacional;

Texto completo:

PDF

Referências


Benetton, MJ. Trilhas Associativas: ampliando subsídios metodológicos à clínica da terapia ocupacional. 3. ed. Campinas: Arte Brasil editora/ UNISALESIANO-Centro Universitário Católico Auxílium, 2006.

Marx, K. Manuscritos Econômicos Filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

Nina-e-Silva, CH.; Alvarenga, LFC. As concepções marxistas e darwinistas sobre a evolução do comportamento de manipulação. Psicologia.pt: o portal dos psicólogos, 2012. Disponível em http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0638.pdf. Acesso em 01 ago 2014.

Marx, K. Formações econômicas pré-capitalistas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

__________. O capital. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

__________; Engels, F. A Ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Semeraro, G. A concepção de “trabalho” na filosofia de Hegel e de Marx. Educação e Filosofia, 2013. v. 27, n. 53, p. 87-104. Disponível em 146http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/14991/12680 Acesso em 16 out 2013.

Kaji-Markenfelt, A. A transformação do macaco em homem: o processo de hominização através da linguagem e do trabalho. Dissertação (Mestrado em Psicologia) -- Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2006. Disponível em http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/2466/1/Alessandra%20Ribeiro%20Kaji-Markenfeldt_A%20transforma%C3%A7%C3%A3o%20do%20macaco%20em%20homem.pdf. Acesso em 01 ago 2014.

Andrade, MC. O encontro da loucura com o trabalho na economia solidária: a produção de práxis de pré-incubagem através do dispositivo intercessor na Saúde Mental. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - Faculdade de Ciências e Letras, 2013, Assis. Disponível em http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/105590/andrade_mc_dr_assis.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 15 out 2014.

Shimoguiri, AFDT. Contribuições da psicanálise de Freud e Lacan e do Materialismo Histórico para a terapia ocupacional: uma clínica do desejo e do carecimento na Saúde Coletiva. 2016. Disponível em http://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/134320/shimoguiri_afdt_me_assis.pdf?sequence=3. Acesso em 20 jun 2016.

Arendt, H. A condição humana. Tradução Roberto Raposo. 7. ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

Languer, A. O trabalho como essência do homem. Revista Vinculando, 2004. Disponível em: http://vinculando.org/brasil/conceito_trabalho/trabalho_essencia_homen.html. Acesso em 08 jan 2015.

Simmel, G. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, O. G. (Org.). O Fenômeno Urbano. Rio de Janeiro: Zahar Editoresm, 1973. p. 11-25.

Lacan, J. O seminário, Livro 17: O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

Costa-Rosa, A. (2013). Atenção Psicossocial além da Reforma Psiquiátrica: contribuição a uma Clínica Crítica dos Processos de Subjetivação na Saúde Coletiva. São Paulo: UNESP.

Mângia, EF. Alienação e trabalho. Rev. Terapia Ocupacional Univ. São Paulo, 2033. v. 14, n. 1, p. 34-42. Disponível em http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/13913/15731. Acesso em 14 out 2015.

Freud, S. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos. In: Freud, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 15). Rio de Janeiro: Imago, 1996.

Bauman, Z. Vidas Desperdiçadas. Trad. DENTZIEN, P. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

Guatarri, F.; Rolnik, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 2005.

Santos, B. S. A crítica da razão indolente -- Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

Clavreul, J. A ordem médica: poder e impotência do Discurso Médico. São Paulo: Brasiliense, 1983.

Lima, EMFA. (2004). Oficinas, Laboratórios, Ateliês, Grupos de Atividades: Dispositivos para uma clínica atravessada pela criação. In: Figueiredo, AC; Costa, CM. Oficinas terapêuticas em saúde mental -- sujeito, produção e cidadania. Coleções IPUB. Rio de Janeiro, Contra Capa Livraria. p. 59 -- 81.

Altoé, S. (Org). René Lourau: analista institucional em tempo integral. São Paulo: Hucitec, 2004.

Foucault, M. A História da Loucura na Idade Clássica (1961). São Paulo: Perspectiva, 2003.

Amarante, P. O paradigma psiquiátrico. In: Amarante, P. O Homem e a Serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria (p. 39-63). Rio de Janeiro: Fiocruz, 1996.

Pinel, P. Tratado médico-filosófico sobre a alienação mental ou a mania. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2007.

Castel, R. A Ordem Psiquiátrica -- A idade de Ouro do Alienismo. Rio de janeiro: Graal, 1978.

Ferrigno, ISV. Terapia Ocupacional: considerações sobre o contexto profissional. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 1991. v. 2, n. 1, p. 3-11.

Lima, EMFA. A saúde mental nos caminhos da terapia ocupacional. Mundo da Saúde, 2006. v. 30, n. 1, p. 117-122. Disponível em: http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/34/saude_mental.pdf Acesso em 01 ago 2014.

Coffito. Definição de Terapia Ocupacional. Brasília, 2009. Disponível em: http://www.coffito.org.br/conteudo/con_view.asp?secao=46 Acesso em 01 ago 2014.

OMS. Classificação Internacional de Funcionalidades -- CIF. Brasília, 2001. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/SPP_Arquivos/PessoascomDeficiencia/ClassificacaoInternacionaldeFuncionalidades.pdf. Acesso em 01 ago 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB