Poderes, Direito e Dominação: a tomada de consciência e a inclusão de outros sujeitos a partir de questões raciais

Paulo Fernando Soares Pereira, Ana Claudia Farranha Santana

Resumo


RESUMO:

O artigo pretende analisar, a partir da perspectiva da Sociologia Jurídica, como se dão as relações entre os poderes, o direito e a dominação dos sujeitos dominados pelas classes dominantes. Dessa forma, o artigo, inicialmente, valendo-se da epistemologia crítica do “Norte”, faz a análise do processo de dominação, no qual as Ciências Sociais, incluindo o Direito, são elementos essenciais para invisibilizar as lutas sociais. Assim, em seguida, as lutas sociais por novos direitos são analisadas como formas que levam a uma “tomada de consciência” das classes dominadas, levando-as a enveredar pelos caminhos das reivindicações por direitos que lhe foram e são renegados. Finalizando, o trabalho, a partir de uma epistemologia do “Sul”, analisa como têm sido enfrentadas as questões dos novos direitos na América Latina, partindo do pressuposto segundo o qual a questão racial é um dos elementos fundamentais para a compreensão do processo de dominação inaugurado pela Modernidade. A metodologia consistiu na revisão crítica da literatura, incluindo os debates proporcionados pela Sociologia Jurídica, que informa que o direito não é isento de pretensões, mas um instrumento que pode estar a serviço, de forma invisível, das classes dominantes.

ABSTRACT: 

The article aims the analysis, from the perspective of Juridical Sociology, how the relations between powers, law, domination and dominated individuals take place. At first, the issue adopts the Northern critical epistemology to analyze the process of domination, in which the Social Sciences, including Law, are essential elements to invisibilizate social struggles. Thus, the social struggles for new rights are examined as ways to lead dominated classes to awareness, taking them to follow the paths of demanding for their rights, which have been and still are denied. Concluding, by approaching a Southern epistemology, the paper analyzes how the issues on new rights in Latin American have been faced, assuming that the racial question is one of the fundamental elements in order to understand the process of domination unveiled by Modernity. The methodology is based on a critical review of literature, including the debates provided by Juridical Sociology, which informs that Law is not exempt from exhortations, being, in fact, an instrument that may be used, invisibly, by dominating classes for dominating others, as a rule.



Palavras-chave


Poderes; Direito; Dominação; Tomada de consciência; Questão racial; Powers; Law; Domination; Awareness; Racial Question

Texto completo:

PDF

Referências


ÁVILA SANTAMARÍA, Ramiro. El neoconstitucionalismo transformador: el Estado y el derecho en la Constitución de 2008. Quito: Abya Yala, 2011.

ARANTES, Marco Antonio. Sartre e o humanismo racista europeu: uma leitura sartriana de Frantz Fanon. In: Sociologias, Porto Alegre, ano 13, nº 27, mai./ago. 2011. p. 382-409.

BERTEN, André. Modernidade e desencantamento: Nietzsche, Weber e Foucault. Tradução de Marcio Anatole de Sousa Romeiro. São Paulo: Saraiva, 2011.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Löic. A astúcia da razão imperialista. In: O mistério do ministério: Pierre Bourdieu e a política democrática. Tradução de Paulo Cezar Castanheira. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2005, p. 209-230.

BORTOLUCI, José Henrique; JACKSON, Luiz C; PINHEIRO FILHO, Fernando. Contemporâneo clássico: a recepção de Pierre Bourdieu no Brasil. In: Lua Nova, São Paulo, nº 94, 2015. p. 217-254.

BUCK-MORSS, Susan. Hegel y Haití: la dialética amo-esclavo: uma interpretación revolucionaria. Traducción de Fermín Rodríguez. Buenos Aires: Grupo Editorial Norma, 2005.

BUCK-MORSS, Susan. Hegel e Haiti. In: Novos Estudos - CEBRAP, Tradução de Sebastião Nascimento, São Paulo, nº 90, 2011. p. 131-171.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Educación intercultural crítica: construyendo caminos. In: WASH, Catherine (org.). Pedagogías decolonialies: práticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya Yala, 2013, p. 145-161.

CUEVAS MARÍN, Pilar. Memoria colectiva: hacia un proyecto decolonial. In: WASH, Catherine (org.). Pedagogías decolonialies: práticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya Yala, 2013, p. 69-104.

DUSSEL, Enrique. 1492. O encobrimento do outro: a origem do “mito da modernidade”. Tradução de Jaime A. Clasen. Petrópolis: Vozes, 1993.

DUSSEL, Enrique. Direitos humanos e ética da libertação: pretensão política de justiça e a luta pelo reconhecimento dos novos direitos. In: Revista InSURgência, Brasília, ano 01, v. 1, nº 01, jan./jun., 2015. p. 121-135.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Tradução de José Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

GIDDENS, Antony. As consequências da modernidade. Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

GIDDENS, Antony. O Estado-Nação e a violência: segundo volume de uma crítica contemporânea ao materialismo histórico. Tradução de Beatriz Guimarães. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

GOYARD-FABRE, Simone. Os princípios filosóficos do direito político moderno. Tradução de Irene A. Paternot. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. Tradução de Luiz Sérgio Repa e Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HANKE, Lewis. El prejuicio racial en nuevo mundo: Aristóteles y los indios de hispanoamérica. Traducido por Marina Orellana. Santiago do Chile: Editorial Universitária, 1958.

HANKE, Lewis. La humanidad es una: estudio acerca de la querela que sobre la capacidad intelectual y religiosa de los indígenas americanos sostutivieron en 1550 Bartolomé de las Casas y Juan Ginés. Traducido por Jorge Avendano-Inestrillas y Margarita Sepúlveda de Baranda. 2. ed. Ciudad de México: Fondo de Cultura Econômica, 1985.

JONES, James M. Racismo e preconceito. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Editora Da Universidade de São Paulo, 1973.

LANDER, Edgardo. Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, Edgardo (Compilador.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciências sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 21-53.

LATOUR, Bruno. Nunca fuimos modernos: ensayos de antropología simétrica. Traducción de Víctor Goldstein. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2012.

LIMA, Enrique Espada. O Haiti e o projeto de uma “História Universal” hoje. In: Afro-Ásia. Salvador, nº 44, 2011. p. 287-293.

MADEIRA, Lígia Mori. O direito nas teorias sociológicas de Pierre Bourdieu e Niklas Luhmann. Direito & Justiça, Porto Alegre, v. 33, n. 1, junho 2007. p. 19-39.

MIGNOLO, Walter D. (Editor). Local histories/global designs: coloniality, subaltern knowledges, and border thinking. Princeton: Princeton University Press, 2000.

MÍLOVIC, Míroslav. Filosofia da comunicação: para uma crítica da modernidade. Brasília: Plano Editora, 2002.

OSTERHAMMEL, Jürgen. Colonialism: a theoretical overview. Translated from German by Shelley L. Frisch. 2. ed. Princeton: Markus Wiener Publishers, 2005.

REVATHI, Krishnaswamy; HAWLEY, John C. (Editors). The postcolonial and the global. Minneapolis: University of Minnessota Press, 2008.

SANTOS, Gislene Aparecida dos. Eichmann, o Racismo Institucional e as Políticas Públicas: reflexões sobre o PIMESP e outras políticas. In: Revista Gestão e Políticas Públicas - RGPP , vol. 03, nº 01, 2013. p. 113-131.

SARTRE, Jean-Paul. Orfeu negro. In: Reflexões sobre o racismo. Tradução de J. Guinsburg. 5. ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro – DIFEL, 1968, p. 89-125.

SARTRE, Jean-Paul. Colonialismo e neocolonialismo. Tradução de Diva Vasconcelos. São Paulo: Tempo Brasileiro, 1968.

SOUZA, Jessé. A tolice da inteligência brasileira: ou como o país se deixa manipular pela elite. São Paulo: Leya, 2015.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 227-278.

TOURAINE, Alain. Crítica da modernidade. Tradução de Elia Ferreira Edel. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

WALSH, Catherine. Introducción. Lo pedagógico y lo decolonial: entretejiendo caminhos. In: WASH, Catherine (org.). Pedagogías decolonialies: práticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya Yala, 2013, p. 24-68.

ZEA, Leopoldo. Discurso desde a marginalização e a barbárie. Tradução de Luís Gonzalo Acosta Espejo e Maurício Delamaro. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.21875/tjc.v2i1.10625

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Paulo Fernando Soares Pereira, Ana Claudia Farranha Santana