Reforma Trabalhista: uma das muitas formas de expressão da nova razão de mundo

Paula Freitas de Almeida, Reginaldo Euzébio Cruz, Renato Lima dos Anjos

Resumo


RESUMO:

O objetivo desse texto é demonstrar que a reforma trabalhista ocorrida no Brasil por meio das leis 13.429 e 13.467, de 2017 promove a desregulação das relações de trabalho e coloca em seu lugar um conjunto normativo de tutela do processo de acúmulo de capital. Ao fazer isso, o país concretiza na sua dimensão juslaboral a “nova razão de mundo”, numa compreensão de que não se trata apenas de um novo modelo econômico ou de produção, mas sim de um novo modo de vida em sociedade. Buscar-se-á demonstrar a presença desse processo por meio da análise de três aspectos que dialogam na conformação entre dinâmica do mundo do trabalho e a regulação que sobre ela recaí, a saber i) qual o contorno institucional que vem se conformando em torno da uberização, ii) a assumpção da figura do trabalhador hipersuficiente para atacar a sua forma de organização coletiva e, por fim, iii) a introdução do critério econômico como meio de acesso à justiça do trabalho.

ABSTRACT:

The purpose of this article is to show that the labor reform that took place inBrazil through laws 13.429 and 13.467 in 2017 promoted the deregulation oflabor’s relations and substituted the previous regulation with a normative set toprotect the process of capital accumulation. In so doing, the country realizes in its juslaboral dimension the “new way of the world” through a mindset that it is not just a new economic or production model, but a new way of life in society. It seeks to demonstrate the presence of this process by analyzing three aspects that dialogue in the conformation between the dynamics of the world of work and the regulation that falls on it, namely: i) what is the institutional outline being formed through the “uberrization” process, ii) the assumption of the figure of the self-sufficient worker up against their collective organization and, finally, iii) the introduction of the economic criterion as a means of access to labor justice.

Texto completo:

PDF

Referências


ABILIO, Ludmila. Uberização traz ao debate a relação entre precarização do trabalho e tecnologia. Revista do Instituto Humanitas Unisinos – IHU. Edição 503, 2017.

BELLUZZO, Luiz Gonzaga. Como o Brasil caiu à Série B da economia global e nunca mais voltou. Carta Capital, 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2018.

BIANCHI, Daniel. MACHADO, Maíra. A situação dos motoristas de Uber: superexploração do trabalho por trás do discurso empreendedor. Anais do II Encontro RENAPEDTS. Aldacy Rachid Coutinho, Leonardo Vieira Wandelli (orgs.). FlorianópolisSC.Empório do Direito, 2016. Disponível em: . Acesso em 15 nov. 2018.

BIAVASCHI, Magda. O direito do trabalho no Brasil – 1930/1942. A construção do sujeito de direitos trabalhistas. Tese de Doutorado. IE/Unicamp: 2005. BIHR, Alain. Da grande noite à alternativa. O movimento operário europeu em crise. São Paulo: Boitempo Editorial, 1998.

BOLTANSKY, Luc.; CHIAPELLO, Eve. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009. CARDOSO, Adalberto. A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial (Coleção Mundo do Trabalho), 2003.

Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (CESIT). Contribuição crítica à reforma trabalhista. CESIT/IE/ Unicamp, 2017. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2018.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução de Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016. GOMES, Angela de Castro. Autoritarismo e corporativismo no Brasil: o legado de Vargas. In: BASTOS, P. P. Z;

DUTRA, P. C. D. A Era Vargas. Desenvolvimentismo, economia e sociedade. São Paulo: Editora Unesp, 2011. GORZ, André. Metamorfoses do Trabalho: crítica da razão econômica. Tradução de Ana Montoia. São Paulo: Annablume, 2007.

HYMAN, Richard. Europeização ou erosão das relações laborais?. In: ESTANQUE, E. et al. Mudanças no trabalho e ação sindical: Brasil e Portugal no contexto da transnacionalização. São Paulo: Editora Cortez, 2005.

KREIN, José Dari. A regulação do trabalho entre 2003 e 2014: tendências conflitantes. In: SALAS, C.; KREIN, JD.; Biavaschi, M.; Leite, M. P (orgs.). Trabalho e regulação em perspectiva comparada. Edufscar, São Carlos: 2017.

KREIN, José Dari. ABÍLIO, Ludmila. ALMEIDA, Paula Freitas. BORSARI, Pietro. CRUZ, Reginaldo Euzébio. Flexibilização das relações de trabalho: insegurança para os trabalhadores. In: KREIN, José Dari et al (org). Dimensões críticas da reforma trabalhista no Brasil. Campinas, SP: Curt Nimeundajú, 2018.

PACHUKANIS, Évguéni. Teoria geral do Direito e marxismo. Tradução de Paula Vaz de Almeida. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

POCHMANN, Márcio. A década dos mitos. O novo modelo econômico e a crise do trabalho no Brasil. Ed. Contexto, São Paulo: 2001.

____________. A uberização leva à intensificação do trabalho e da competição entre os trabalhadores. Diário Liberdade. 10 nov 2016.

SCHUAB, Klaus. Aplicando a Quarta Revolução Industrial. São Paulo: EDIPRO, 2018.

SILVA, Sayonara Grillo. Relações coletivas de trabalho: configurações institucionais no Brasil contemporâneo. São Paulo: LTr, 2008.

SLEE, Tom. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Editora Elefante, 2017. Tribunal Superior do Trabalho (TST). Primeiro ano da reforma trabalhista: efeitos. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2018.




DOI: https://doi.org/10.21875/tjc.v4i2.24400

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Paula Freitas de Almeida, Reginaldo Euzébio Cruz, Renato Lima dos Anjos



ISSN 2526-0464

Indexada em: / Indexed by: