O que é evidenciado no Brasil sobre a Responsabilidade Social Corporativa advinda da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) nos formulários de referência e Relatos Integrados?

Rodrigo Gaspar de Almeida, Marguit Neumann, Simone Letícia Raimundini Sanches

Resumo


O objetivo desse estudo foi analisar a evidenciação da Responsabilidade Social Corporativa (RSC) advinda da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS) no Formulário de Referência (FR) e no Relato Integrado (RI). Em 2010, o Brasil instituiu a PNRS que ratificou a responsabilidade em relação a gestão de resíduos sólidos e estabeleceu que as empresas devem promover o acesso à informação aos stakeholders (artigo nº 6). Os resultados foram analisados sob as óticas da Teoria dos Stakeholders e da Teoria da Legitimidade. Inferiu-se que os FR e RI contemplaram a temática resíduos sólidos e que a evidenciação da PNRS foi tida como aspecto de risco (econômico, legal, socioambiental, compliance), mecanismo para engajamento com os stakeholders (parceria com governo, empresas e sociedade) e criação de valor no curto, médio e longo prazo (reciclagem, reutilização, diminuição do envio de resíduos aos aterros). Destarte, a temática resíduos sólidos foi evidenciada por meio dos indicadores dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) e indicadores da Global Reporting Initiative (GRI). . As contribuições teóricas do estudo foram a discussão da temática PNRS no âmbito empresarial (apresentou-se o que as empresas da amostra evidenciaram em relação aos resíduos sólidos no FR e RI), a aplicação da Teoria dos Stakeholders na identificação dos stakeholders evidenciados em relação aos resíduos sólidos e PNRS (foram identificados o estado, população, investidores, mídia, funcionários e fornecedores) e a discussão da evidenciação socioambiental como instrumento de legitimação (verificou-se predomínio de informações voluntárias). As contribuições práticas à sociedade consistiram em analisar as atividades das empresas sob os resíduos sólidos que são contribuições para o Desenvolvimento Sustentável, nesse sentido, foi verificado que o FR e o RI podem ser utilizados para monitoramento das ações de resíduos sólidos e da própria PNRS.

Palavras-chave


responsabilidade social corporativa; política nacional dos resíduos sólidos; teoria dos stakeholders; teoria da legitimidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, C. A. Understanding integrated reporting: the concise guide to integrated thinking and the future of corporate reporting. Oxford: Do Sustainability, 2013.

ARAÚJO JUNIOR J. F. et al.; Social disclosure of brazilian and UK firms in light of stakeholder theory, legitimacy theory and voluntary disclosure theory. Advances in Scientific and Applied Accounting. São Paulo, v.7, n.2, p. 175-200, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS (ABRELPE). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2015. Ano: 2016. Disponível em: www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2015.pdf. Acesso em: 01 dez. 2016

AZEVEDO, G. O. D. Por menos lixo: a minimização dos resíduos sólidos urbanos na cidade de Salvador/BA. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

BADEN, D. e HARWOOD, I. A. (2013) Terminology Matters: A Critical Exploration of Corporate Social Responsibility Terms. Journal of Business Ethics v. 116, pp. 615--627, 2013.

BARDIN, L. Analise de Conteúdo. Edições 70: São Paulo, 2016.

BM&F Bovespa. Empresas Listadas: Relatório de Sustentabilidade ou Integrado. Ano 2016. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A828D 295048C0EF0151212076D915A6. Aceso em: 16 dez. 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Ano: 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 02 nov. 2016.

_____. Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de 2010. Ano: 2010a. Disponível em: http://www.pla nalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7404.htm. Acesso em: 16 dez. 2016.

_____. Lei n. 12.305 de 02 de agosto de 2010. Ano: 2010b. Disponível em: Acesso em: 02 nov. 2016.

BURLEA Åž. A. e POPA I. Legitimacy Theory. Ano: 2013. Disponível em: http://www.springerre ference.com/docs/html/chapterdbid/333348.html. Acesso em: 02 mar. 2017.

CARSON, R. Silent Spring. Houghton Mifflin, Boston: USA, 1962.

COMISSÃO DOS VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Instrução Normativa CVM nº 480 de 09 de dezembro de 2009 (texto consolidado). Ano: 2015. Disponível em: http://www.cvm.gov.br/legislacao/inst/inst480.html. Acesso em: 01 dez. 2016.

_____. O mercado de valores mobiliário brasileiro. Rio de Janeiro: Comissão de Valores Mobiliários, 2014.

COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (CODIM). Pronunciamento de orientação Nº 9, de 27 de Abril de 2011. Ano 2011. Disponível em: http://www.codim.org.br/downloads/Instrucoes_Preparativas_Referencia_Pronunciamento_ Orientacao_CODIM_N09_27042011.pdf. Acesso em: 01 dez. 2016.

COOPER, D. R. e SCHINDLER, P. S. Métodos de Pesquisa em Administração. AMGH: Porto Alegre, 2016.

DEEGAN, C. Introduction: The legitimising effect of social and environmental disclosures -- a theoretical foundation. Accounting, Auditing & Accountability Journal, v. 15, n. 3, p. 282-311, 2002.

ELKINGTON, J. Sustentabilidade, canibais com garfo e faca. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda, 2012.

FREEMAN, E. et al. Stakeholder theory the state of Art. Cambridge University Press, 2010.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitiva. Artmed: Porto Alegre, 2009.

GARCIA, S; et al. Qualidade da divulgação socioambiental: um estudo sobre a acurácia das informações contábeis nos relatórios de sustentabilidade. Ano: 2015. Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n25p95. Acesso em: 20 dez. 2016.

GRAY, R., KOUHY R. e LAVERS S. Corporate social and environmental reporting. Accounting, Auditing & Accountability Journal, Vol. 8 (2), pp. 47-77, 1995.

INTERNATIONAL INTEGRATED REPORTING COUNCIL (IIRC) A Estrutura Internacional para Relato Integrado. Ano: 2014. Disponível em: goo.gl/qupThg. Acesso em: 12 dez. 2016.

MARTINS, G. A. e THEÓPHILO, C. R. Metodologia da Investigação Cientifica para Ciências Sociais Aplicadas. 2ed. Atlas: São Paulo, 2009.

MEADOWS, D H.; et al. The Limits to Growth. New York-USA: Universe Book, 1972. Disponível em: goo.gl/XGgRUf. Acesso em: 11 jan. 2017.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA) Site do MMA, Aba Resíduos Sólidos. Ano: 2016 Disponível em: goo.gl/pE1Oxk. Acesso em 16 dez. 2016.

_____. Site do MMA aba Educação ambiental, histórico mundial. Ano: 2017. Disponível em: goo.gl/DrZvPa. Acesso em: 01 mar. 2017.

NOVAES, W. Eco-92: avanços e interrogações. Estudos Avançados, 6(15), pp.79-93, 1992.

OLIVEIRA, L D. Os “limites do crescimento” 40 anos depois: das “profecias do apocalipse ambiental” ao “futuro comum ecologicamente sustentável”. Revista Continentes (UFRRJ), v. 1, n. 1, pp 72-96, 2012.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Agenda 21. Ano: 2002. Disponível em: goo.gl/bQVZmC Acesso em 02 nov. 2016.

_____. The future we want. Ano: 2012. Disponível em: goo.gl/oECfdZ. Acesso em: 10 dez. 2016.

_____. Site da ONU, aba desenvolvimento sustentável. Ano: 2016. Disponível em: goo.gl/xTyw73. Acesso em: 27 dez. 2016.

RIBEIRO, M. S. Uma reflexão sobre as oportunidades para a contabilidade ambiental. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, Rio de Janeiro/RJ, v. 17, Ed. Especial, p.4-17, 2012.

RIBEIRO, A. M; BELLEN, H. M. V. e CARVALHO, L. N. G. Regulamentar faz diferença? O caso da evidenciação ambiental. Revista Contabilidade e Finanças-USP, São Paulo, v. 22, n. 56, p. 137-154, 2013.

SLOMSKI, V.; et al. Sustentabilidade nas organizações: a internalização dos gastos com o descarte do produto e/ou embalagem aos custos de produção. Revista de Administração: São Paulo, v.47, n.2, p.275-289, 2012.

SUCHMAN, M. C. Managing Legitimacy: Strategic and Institutional Approaches. Academy of Management Journal, Vol. 20, No. 3, pp. 571-610, 1995.

TILLING, M. V. Refinements to Legitimacy Theory in Social and Environmental Accounting. Commerce research paper series no. 04-6, 2004.

VOSS, B. L; et al. Evidenciação Ambiental dos Resíduos Sólidos de Companhias Abertas no Brasil Potencialmente Poluidoras. Revista Contabilidade e Finanças-USP, São Paulo, v. 24, n. 62, p. 125-141, 2013

WORLD COMMISSION ON ENVIRONMENT AND DEVELOPMENT (WCED). Our Common Future. Ano: 1986. Disponível em: goo.gl/sAKfBx. Acesso em: 26 nov. 2016.




DOI: https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v13i3.13855

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 RODRIGO GASPAR DE ALMEIDA, MARGUIT NEUMANN, SIMONE LETÍCIA RAIMUNDINI SANCHES

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores: 

Directory of Open Access Journals SPELL Scholar EBSCO

 
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vínculo Institucional:

Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis 
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) 
Av. Pasteur, 250 - Urca - Rio de Janeiro - 22.290-240 
Tel./Fax: (21) 3938-5119

Ficha Catalográfica:

Sociedade, Contabilidade e Gestão [recurso eletrônico]/ Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro. -- v. 1, n. 1, 2° semestre de 2006 -- Rio de Janeiro: UFRJ, 2006-.v. 
Quadrimestral 
Semestral 2006-2012
ISSN 1982-7342

1. Contabilidade e Gestão. I. Universidade Federal do Rio de Janeiro -- Faculdade de Administração e Ciências Contábeis.