O autor-editor: o caminho paralelo da poesia concreta

Marina Ribeiro Mattar, Rogério Barbosa da Silva

Resumo


Resumo: A autopublicação tornou-se um caminho possível para autores como os poetas concretos, que detinham pouca legitimidade no campo literário e estavam interessados em romper com a tradição poética vigente. Entre a produção dos concretos, dá-se ênfase aos livros de Augusto de Campos, como Poetamenos (1953) e Poemóbiles (1974). O artigo problematiza o caminho paralelo tomado pelos poetas concretos no papel de autores-editores de seus livros, com foco na produção de Augusto de Campos, identificando como essa concentração dos processos editorais no autor, enquanto editor, refletem na composição do livro enquanto veículo de comunicação e enquanto objeto.

 

Abstract: Self-publishing became a possible way for authors such as the concrete poets, who had little legitimacy in the literary field and were interested in breaking with the current poetic tradition. Among the production of concretes, emphasis is placed on the books of Augusto de Campos, such as Poetamenos (1953) and Poemóbiles (1974). The article discusses the parallel path taken by concrete poets in the role of author-publishers of their books, focusing on the production of Augusto de Campos, identifying how this concentration of editorial processes in the author as editor, reflect on the composition of the book as a vehicle for communication and as an object.


Palavras-chave


poesia concreta; autopublicação; Augusto de Campos.

Texto completo:

PDF HTML

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Marina Ribeiro Mattar, Rogério Barbosa da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.