NEGATIVIDADE E PRODUÇÃO: elementos para uma teoria do desejo em Deleuze

André Dias de Andrade

Resumo


Abordamos a crítica de Deleuze à negatividade no que tange à elaboração de uma ontologia positiva do desejo. Importa notar como as obras que se encaminham para uma teoria do desejo, notadamente Nietzsche e a Filosofia (1962) e Espinoza: filosofia prática (1970), servem de base para a construção de tal teoria propriamente dita em O Anti-Édipo (1972) – já fruto de um agenciamento entre Deleuze e Guattari. Além de pensar o desejo como chave de leitura para as obras-comentário de Deleuze, buscando suas afinidades com a puissance nietzschiana e o conatus espinozista, adotamos como fio-condutor a crítica que elas estabelecem contra a noção de negativo e sobre como esta compromete toda concepção de desejo. Assim, acreditamos que o recenseamento terminológico das obras nos fornece os elementos com os quais Deleuze, junto de Guattari, elaboram uma ontologia do desejo como “produção” e que serve de alternativa a uma concepção negativa e representativa do desejo presente na filosofia francesa contemporânea.

Palavras-chave


Nietzsche, Trágico

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 André Dias de Andrade