Estratégia Saúde da Família e o imperativo da vida saudável: capturas biopolíticas e sociedades de controle – ou sobre a crítica de Foucault e Deleuze

Irene Lopes Vieira Alves da Cunha Oliveira, Rodrigo Siqueira-Batista

Resumo


O artigo apresenta uma análise da Estratégia Saúde da Família (ESF) em busca de uma compreensão de suas possibilidades e limites. A pergunta orientadora pôde ser assim formulada: a ESF, desenhada – também – para se contrapor ao modelo assistencial hegemônico biomédico, tem sido capaz de atingir esse objetivo? Para tanto recorreu-se aos conceitos de biopolítica e de biopoder – formulados por Michel Foucault – e às considerações acerca das sociedades de controle de Gilles Deleuze, para a análise das questões concernentes à promoção à saúde e ao ideário da vida saudável. Os referenciais foucaultianos e deleuzianos permitiram compreender, no campo de atuação da ESF, tanto o poder (i) exercido sobre o corpo de seus usuários – buscando capturá-los e modulá-los –, quanto aquele (ii) dirigido à coletividade. Verificou-se que a ESF tem corrido o risco de se constituir um instrumento de governo dos indivíduos que poderá ser ainda mais eficaz do que aquele exercido no âmbito do hospital.

Palavras-chave


biopolítica, estratégia de saúde da família, sociedade de controle

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Irene Lopes Vieira Alves da Cunha Oliveira, Rodrigo Siqueira-Batista