A fisiologia da estética em Nietzsche: da Genealogia à Vontade de Potência

Vitor Leandro Kaizer

Resumo


O objetivo deste artigo é ampliar e discutir o problema da fisiologia da estética proposto por Nietzsche em Genealogia da moral (1887), no qual levanta a necessidade de retornar ao tema em suas obras seguintes. Realizou-se, por tanto, a leitura transversal desta temática, partindo-se de sua primeira exposição em Genealogia da moral e passando pelas obras subsequentes, isto é: Crepúsculo dos ídolos (1888), O caso Wagner (1888), Nietzsche contra Wagner (1888), Ecce homo (1888) e, inclusive, Vontade de potência (1901). Deste modo, chegou-se ao entendimento de que a perspectiva nietzschiana distingue-se radicalmente do pensamento estético abstrato-racional – como, por exemplo, ocorre em Kant e Schopenhauer –; pois Nietzsche analisa a arte, a criação artística e a contemplação estética não a partir da ótica do espectador, mas do artista, ou seja: do âmbito fisiológico da arte.

Palavras-chave


Nietzsche; Arte; Estética; Fisiologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ARALDI, C. “A fisiologia e o problema do valor na genealogia de Nietzsche”. In: Revista Sofia. Vitória, ES, v. 6, n. 2, pp. 3-12, jul./dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

BITTENCOURT, R. “Estética como fisiologia aplicada em Nietzsche”. In: Revista Viso: caderno de estética aplicada. Rio de Janeiro, RJ, v. 4, n. 8, pp. 121-143. jan./jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

______. “Nietzsche e a fisiologia como método de interpretação do mundo”. In: Revista Trágica: estudos sobre Nietzsche. Rio de Janeiro, RJ, v. 4, n. 1, pp. 67-86, jan./jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

DIAS, R. Nietzsche e a música. Rio de Janeiro: Imago, 2005.

FONSECA, A.; MACHADO, F. “Nietzsche e a arte após a ‘metafísica de artista’: de Humano, demasiado humano (1878) aos últimos escritos (1888)”. In: Problemata: revista internacional de filosofia. v. 9, n. 2, pp. 118-135, 2018. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

GIACOIA JÚNIOR, O. Nietzsche. São Paulo: Publifolha, 2000. Livro eletrônico, paginado incorretamente. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2018.

KANT, I. “Crítica do juízo”. In: CHAUÍ, M. Kant (II). 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

MACHADO, R. Nietzsche e a verdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

NIETZSCHE, F. Assim falava Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução de Ciro Mioranza. São Paulo: Escala Educacional, 2006.

______. Crepúsculo dos ídolos: ou como se filosofa com o martelo. Tradução de Renato Zwick. Porto Alegre: L&PM, 2009.

______. Digitale Kritische Gesamtausgabe Werke und Briefe (eKGWB). Disponível em: . Acesso em várias datas.

______. Ecce homo: de como a gente se torna o que a gente é. Tradução de Marcelo Backes. Porto Alegre: L&PM, 2003.

______. Genealogia da moral: uma polêmica. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

______. Nietzsche contra Wagner: dossiê de um psicólogo; O caso Wagner: um problema para músicos. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia de Bolso, 2016.

______. O nascimento da tragédia: ou helenismo e pessimismo. 2. ed. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Companhia de Bolso, 2007.

______. Vontade de potência. Tradução e prólogo de Mário Ferreira dos Santos. Petrópolis: Vozes, 2017.

PEREIRA, C. “Nietzsche e a fisiologia da arte”. In: Cad. Nietzsche. São Paulo, SP, v. 36, n. 2, pp. 177-200, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

RAJOBAC, R. “Música como fisiologia aplicada: considerações a partir do Nietzsche tardio”. In: Revista Per Musi. Belo Horizonte, MG, n. 35, pp. 46-64, set./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.

SANTOS, F. “Nietzsche contra os elementos dramático-musicais dos

drazmas (sic) de Richard Wagner”. In: Revista Paralaxe. São Paulo, SP, v. 2, n. 1, pp. 48-64, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2019.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e como representação. 1. tomo. 2. ed. Tradução, apresentação, notas e índices de Jair Barbosa. São Paulo: Unesp, 2015.

SOUSA, E. “Richard Wagner: leitmotiv e música dramática”. In: Philosophica 36. Lisboa, pp. 25-44, nov. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Vitor Leandro Kaizer