A filosofia histórica contra a metafísica essencialista

Átila Brandão Monteiro

Resumo


Este artigo trata de aspectos fundamentais da crítica nietzchiana sobre a metafísica essencialista, buscando enfatizar a introdução do ponto de vista histórico na consideração dos problemas filosóficos e a crítica epistêmica dele derivada. Tais críticas incidem de forma incisiva sobre os pressupostos irrefletidos que, segundo Nietzsche, tornaram possível a metafísica, a partir de certas crenças como a ideia de incondicionado ou de uma racionalidade autônoma. O objetivo, portanto, é mostrar como a filosofia histórica de Nietzsche empreende uma polêmica com as filosofias metafísicas, inicialmente enfatizando elementos que tangem aos aspectos epistêmicos destas, mas que geram, igualmente consequências éticas e existenciais.


Palavras-chave


Nietzsche, filosofia histórica, metafísica, verdade

Texto completo:

PDF

Referências


LOPES, Rogério. Ceticismo e Vida Contemplativa em Nietzsche. 2008. 573 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – FAFICH/UFMG, Belo Horizonte, 2008

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência (Trad. Paulo César de Sousa). 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012

_____________. Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais (Trad. Paulo César de Sousa). São Paulo: Companhia das Letras, 2004

_____________. Humano, Demasiado Humano: um livro para espíritos livres (Trad. Paulo César de Sousa). São Paulo: Companhia das Letras, 2005


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Átila Brandão Monteiro