Para uma gênese do conceito de máquina de guerra em "Capitalismo e Esquizofrenia"

Yasmin de Oliveira Alves Teixeira, Lourenço da Silva Queiroz

Resumo


O conceito de máquina de guerra é desenvolvido mais extensamente por Gilles Deleuze e Félix Guattari na obra Mil platôs, de 1980. Entretanto, a expressão que designa o conceito já aparece em textos do início dos anos 1970, nos quais os autores se debruçam sobre o problema prático ligado à organização política e à análise social do desejo. No presente artigo, partimos da hipótese de que o conceito de máquina de guerra surge, inicialmente, como um desdobramento das reflexões dos autores acerca desse problema prático. Trata-se, nessa perspectiva, de deslindar como a crítica da forma-partido aparece intrinsecamente vinculada ao delineamento de uma lógica de composição e operação das organizações capazes de atuar exteriormente à burocracia do aparelho de Estado.



Palavras-chave


máquina de guerra, aparelho de Estado, organização política, Gilles Deleuze, Félix Guattari.

Texto completo:

PDF

Referências


BUCHANAN, I. Is Anti-Oedipus a May ’68 book?. In: Deleuze and History. BELL, A. J.; Colebrook, C. (Org.). Edinburgh: Edinburgh University Press, 2009.

CLAUSEWITZ, K. De la guerre, livre I. Paris: Flammarion, 2014.

DELEUZE; G. Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed.34, 1992.

DELEUZE, G. Deux régimes de fous (org. David Lapoujade). Paris: Les Éditions de Minuit, 2003.

DELEUZE, G. L’île déserte: textes et entretiens (1953-1974). Paris: Les Éditions de Minuit, 2002.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. L’Anti-Oedipe. Paris: Minuit, 1972.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mille Plateaux. Paris: Minuit, 1980.

GUATTARI, F. Psychanalyse et transversalité: essais d’analyse institutionnelle. Paris: François Maspero, 1972.

LAPOUJADE, D. Deleuze, os movimentos aberrantes. São Paulo: n-1 edições, 2015.

REICH, W. Psicologia de massas do fascismo. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SIBERTIN-BLANC, G. État et généalogie de la guerre: l'hypothèse de la “machine de guerre” de Gilles Deleuze et Félix Guattari. Astérion, n. 3, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Yasmin de Oliveira Alves Teixeira, Lourenço da Silva Queiroz