A "variatio" no mito de Eco e Narciso, nas "Metamorfoses" de Ovídio, como exercício de um poeta "lascivus"

Dreykon Fernandes Nascimento, Leni Ribeiro Leite, Camilla Ferreira Paulino da Silva

Resumo


Quintiliano, em diversas passagens da sua Institutio oratoria (4.1.77; 10.1.88-9; 10.1.93), categoriza Ovídio e as suas obras de serem excessivamente lascivi. Diferentemente de Horácio, contudo, que exercia a crítica literária enquanto ocupava também o lugar social de poeta no principado augustano, Quintiliano a exerce em posição exclusiva de orador, em nome de uma instituição retórica sólida e voltada majoritariamente para o fórum público. Assim, não crendo ser lascivus apenas um vocábulo cujo significado é facilmente localizável num dicionário de língua latina, investigamos no presente trabalho o valor objetivamente retórico subjacente ao termo, e se é adequado ou não à obra ovidiana, analisando a variatio ou a variação genérica trabalhada por Ovídio, sobretudo, no mito de Eco e Narciso, presente no canto 3 das Metamorfoses. Para tal, aparelhamo-nos com estudos de Barchiesi (2006), Farrell (2009), Fedeli (2010), Fonseca (2015), Feldherr (2006), Harrison (2006), Hutchinson (2013), Keith (2002), Oliva Neto (2013), Pavlock (2009) Perutelli (2010), Vansan (2016) entre outros sobre o uso dos gêneros poéticos em Ovídio, e com estudos de Feldherr (2006) e Fox (2007) sobre a relação entre retórica e literatura, a posição de Quintiliano e sob que instância de poder fala quando rotula Ovídio de lascivus.


Palavras-chave


Ovídio. Lasciv. Metamorfoses. Variatio. Elegia erótica romana

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Retórica. Trad. Manuel Alexandre Júnior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2005.

BARCHIESI, Alessandro. Narrative technique and narratology in the Metamorphoses. In: HARDIE, Philip (Ed.). The Cambridge Companion to Ovid. Oxford: Oxford University, 2006. p. 180-99.

CAIRNS, Francis. Generic composition in Greek and Roman Poetry. Ann Arbor: Michigan Classical Press, 2007.

CARVALHO, Raimundo Nonato Barbosa de. Metamorfoses em tradução. 2010. Dissertação (Pós-doutorado em Letras Clássicas) — Universidade de São Paulo.

CATULO. Libro di Catullo. In: FEDELI, Paolo (Org.). Poesia d’amore latina. Trad. Gabriella Leto, Guido Paduano e Renato Mazzanti. Torino: Einaudi-Gallimard, 1998. p. 3-155.

DINIZ, Fábio Gêronimo Mota. As representações de Medeia nas Metamorfoses de Ovídio e na Argonáutica de Apolônio de Rodes. 2013. Trabalho de conclusão de curso (Bacharel em Letras) — Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

DUQUE, Guilherme Horst. Do pé à letra: os Amores de Ovídio em tradução poética. 2015. Dissertação (Mestrado em Letras) — Universidade Federal do Espírito Santo.

FARRELL, Joseph. Ovid's generic transformation. In: KNOX, Peter (Ed.). A companion to Ovid. Malden: Blackwell, 2009. p. 370-80.

FEDELI, Paolo. A poesia de amor. In: CAVALLO, Guglielmo; FEDELI, Paolo; GIARDINA, Andrea (org.). O espaço literário da Roma Antiga. Volume 1: A produção do texto. Trad. Daniel Peluci Carrara, Fernanda Messeder Moura. Belo Horizonte: Tessitura, 2010. p. 151-86.

FONSECA, Christine Margareth Whiting da. O mito de Ceix nas Metamorfoses 11, e o epos ovidiano. 2015. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas) — Universidade de São Paulo.

FOX, Matthew. Rhetoric and Literature at Rome. In: DOMINIK, William; HALL, Jon (Ed.). A Companion to Roman Rhetoric. Malden: Blackwell, 2007. p. 369-81.

GIDE, André. O tratado de Narciso. In: GIDE, André. A volta do filho pródigo. Trad. Ivo Barroso. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984, p. 7-24.

GREEN, Peter. Prefácio. Trad. Luiz A. de Araújo. In: OVÍDIO. Amores & Arte de amar. Tradução: Carlos Ascenso André; Prefácio e apêndices: Peter Green. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011. p. 11-76.

HANSEN, João Adolfo. Instituição retórica, técnica retórica, discurso. Matraga (Rio de Janeiro), v. 20, n. 33, p. 11-46, 2013.

HARRISON, Stephen. Ovid and genre: evolutions of an elegist. In: HARDIE, Philip (Ed.). The Cambridge Companion to Ovid. Oxford: Oxford University, 2006. p. 79-94.

HORÁCIO. Epístola aos Pisões. In: MACIEL, Bruno Francisco dos Santos. O Poeta Ensina a Ousar: ironia e didatismo nas Epístolas de Horácio. 2017. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) - Universidade Federal de Minas Gerais. p. 316-49.

HUTCHINSON, Gregory Owen. Genre and super-genre. In: PAPANGHELIS, Theodore D.; HARRISON, Stephen J.; FRANGOULIDIS, Stavros (ed.). Generic interfaces in Latin literature: encounters, interactions and transformations. Berlin: De Gruyter, 2013, p. 19-34.

KEITH, Alison. Sources and Genres in Ovid's Metamorphoses 1-5. In: BOYD, Barbara Weiden (Ed.). Brill's Companion to Ovid. Leiden: Brill, 2002. p. 235-70.

LEITE, Leni Ribeiro. Épica II: Ovídio, Lucano e Estácio. Campinas: Ed. Unicamp, 2016.

LOBATO, Lúcia Maria Pinheiro. Estrutura gramatical e teorias sintáticas. In: Sintaxe gerativa do português: da teoria padrão à teoria da regência e ligação. Belo Horizonte: Vigília, 1986. p. 70-85.

MAINGUENEAU, Dominique. A cenografia. In: MAINGUENEAU, Dominique. Discurso Literário. São Paulo: Contexto, 2006. p. 249-65.

MAINGUENEAU, Dominique. Posicionamento, arquivo e gêneros. In: MAINGUENEAU, Dominique. Discurso Literário. São Paulo: Contexto, 2006. p.163-79.

MARTINS, Paulo. Elegia Romana: construção e efeito. São Paulo: Iluminuras, 2009.

MELO, João Victor Leite. Tradução poética de Ibis, Nux e Halieutica: três poemas de uma suposta quarta fase ovidiana. 2019. Dissertação (Mestrado em Letras) — Universidade Federal de Juiz de Fora.

OLIVA NETO, João Angelo. Dos gêneros da poesia antiga e sua tradução em português. 2013. Dissertação (Título de Livre-Docente) — Universidade de São Paulo.

OVÍDIO. Amores & Arte de amar. Tradução: Carlos Ascenso André; Prefácio e apêndices: Peter Green. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011.

OVÍDIO. As metamorfoses. FURLAN, Mauri; NUNES, Zilma Gesser (org.). Trad. Claudio Aquati et alii. Florianópolis: Editora UFSC, 2017.

PAVLOCK, Barbara. Narcissus and elegy. In: PAVLOCK, Barbara. The image of the poet in Ovid's Metamorphoses. London: Winsconsin University, 2009. p. 14-37.

PERUTELLI, Alessandro. O texto como professor. In: CAVALLO, Guglielmo; FEDELI, Paolo; GIARDINA, Andrea (org.). O espaço literário da Roma Antiga. Volume 1: A produção do texto. Trad. Daniel Peluci Carrara, Fernanda Messeder Moura. Belo Horizonte: Tessitura, 2010. p. 293-328.

PREDEBON, Aristóteles Angheben. Edição do manuscrito e estudo das Metamorfoses de Ovídio traduzidas por Francisco José Freire. 2006. Dissertação (Mestrado em Letras) — Universidade de São Paulo.

QUINTILIANO. Instituição oratória. Trad. Bruno Fregni Basseto. Tomo II, Campinas: Editora Unicamp, 2015.

QUINTILIANO. Instituição oratória. Trad. Bruno Fregni Basseto. Tomo IV, Campinas: Editora Unicamp, 2016.

RUTHERFORD, Richard. Poetics and Literary Criticism. In: HARRISON, Stephen (Ed.). The Cambridge Companion to Horace. Cambridge: Cambridge University, 2007. p.248-61.

SILVA, Márcia Regina de Faria da. Ovídio e as inovações na elegia latina. PRINCIPIA, v. 1, n. 26, p. 99-104, 2013. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/principia/article/view/7686. Acesso em: 22 de mar. de 2018.

SOUZA, Zildene de. Febo e Jacinto: um outro olhar sobre o mito. 2016. Dissertação (Mestrado em Letras Clássicas) — Universidade Federal do Rio de Janeiro.

VANSAN, Jaqueline. Poética e retórica nas Heroides de Ovídio: uma análise da epístola I “de Penélope a Ulisses”. 2016. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) — Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

VASCONCELLOS, Paulo Sérgio de. Persona poética e autor empírico na poesia amorosa romana. São Paulo: Editora Unifesp, 2016.




DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v8i1.31795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Dreykon Fernandes Nascimento, Leni Ribeiro Leite, Camilla Ferreira Paulino da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.