A Reestruturação Urbana em Resende-RJ e a Autossegregação Socioespacial

Autores

  • Livia Maria de Souza Magalhães Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2017.16315

Palavras-chave:

Reestruturação Urbana, Valorização e Especulação Imobiliária, Autossegregação e Cidade Média

Resumo

O Médio Vale Paraíba possui posição geográfica estratégica -- está entre as metrópoles do Rio de Janeiro e de São Paulo. A microrregião recebeu um aporte de infraestrutura e investimentos públicos e privados a partir da lógica pós-fordista da década de 1990, com atração de unidades industriais. A chegada dessas indústrias foi, desse modo, vinculada à possibilidade de progresso, modernização e visibilidade num caráter diferencial ao que as cidades do Médio Vale Paraíba já haviam vivenciado. Devido à reestruturação no polo industrial, houve uma demanda maior por mercadorias urbanas, o que gerou aumento do preço da terra, valorização e especulação imobiliária, privilegiando, dessa maneira, certas áreas, que são os centros de investimento de capital, em detrimento de outras, que entraram em processo de marginalização. É este o “cenário” para o lançamento de condomínios e loteamentos fechados em Resende, o que configura um processo de autossegregação nessa cidade média.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Livia Maria de Souza Magalhães, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestranda em Geografia pelo Programa de Pós-graduação em Geografia. Bacharel em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Membro do Grupo de pesquisa sobre Reestruturação e Centralidade -- GRUCE.

Downloads

Publicado

2017-12-23

Como Citar

MAGALHÃES, Livia Maria de Souza. A Reestruturação Urbana em Resende-RJ e a Autossegregação Socioespacial. Espaço Aberto, Rio de Janeiro, Brasil, v. 7, n. 2, p. 79–97, 2017. DOI: 10.36403/espacoaberto.2017.16315. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/EspacoAberto/article/view/16315. Acesso em: 22 jun. 2024.