Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro e Crise Político-Econômica no Brasil: o Município de Itaboraí pós-2014 / The Petrochemical Complex of Rio de Janeiro and Political-Economic Crisis in Brazil: Itaboraí Municipality after 2014

Autores

  • Wander de Souza Dias Guerra Escola Nacional de Ciencias Estatisticas (ENCE)

DOI:

https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2018.18998

Palavras-chave:

Comperj, Itaboraí, Crise, Brasil

Resumo

O Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro foi o bastião do modelo novo-desenvolvimentista brasileiro. O município escolhido para localização do megaempreendimento foi Itaboraí, localizado na Região Metropolitana do estado do Rio de Janeiro. A escolha da RMRJ e do município evidenciou o processo de guerra dos lugares tanto entre regiões quanto entre municípios e é recheada de polêmicas. Apesar de ter vencido a guerra dos lugares e vivenciado ligeiras melhorias, Itaboraí, após em 2014, com a crise político-econômica brasileira começa a vivenciar a perversidade da guerra dos lugares e os limites do modelo novo-desenvolvimentista. Nesse sentido, o objetivo deste artigo é apresentar brevemente os efeitos da crise político-econômica brasileira no município de Itaboraí, a partir da desaceleração do Comperj e à luz da guerra dos lugares. A partir de uma pesquisa quali-quantitativa, elaborado por meio de entrevistas e visitas técnicas, pôde-se constatar a condição do município no contexto de crise econômica.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Wander de Souza Dias Guerra, Escola Nacional de Ciencias Estatisticas (ENCE)

ENGENHEIRO AMBIENTAL

MESTRE EM POPULAÇÃO, TERRITÓRIO E ESTATISTICAS PUBLICAS

Downloads

Publicado

2018-12-22

Como Citar

GUERRA, Wander de Souza Dias. Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro e Crise Político-Econômica no Brasil: o Município de Itaboraí pós-2014 / The Petrochemical Complex of Rio de Janeiro and Political-Economic Crisis in Brazil: Itaboraí Municipality after 2014. Espaço Aberto, Rio de Janeiro, Brasil, v. 8, n. 2, p. 187–205, 2018. DOI: 10.36403/espacoaberto.2018.18998. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/EspacoAberto/article/view/18998. Acesso em: 13 jun. 2024.