Procedimentos Metodológicos e Técnicas em Geomorfologia Tectônica

Luiza Leonardi Bricalli

Resumo


Há uma notória relação entre Neotectônica e aspectos da morfologia das paisagens atuais. Nos últimos anos, a tectônica envolvendo o intervalo de tempo do Neógeno e do Quaternário (Neotectônica) tem sido amplamente investigada para explicar as feições morfotectônicas, especialmente na região Sudeste e Nordeste do Brasil. A base metodológica utilizada para estudos em Geomorfologia Tectônica deve integrar: análise de domínios de lineamentos sobre MDE, pois podem indicar reativação de linhas de fraqueza pré-cambrianas; análise estrutural de conjuntos de pares falha/estria afetando o embasamento alterado e os depósitos neogênicos, que podem apontar eventos tectônicos geradores de estruturas e do relevo; análises morfotectônicas que correspondem a formas sob o controle tectônico ativo, resultado de movimentos crustais ocorridos no cenozoico; análises hipsométricas que podem indicar blocos altos e baixos com origem tectônica; análise da rede de drenagem, através da identificação de anomalias de drenagem, cálculo de assimetria de drenagem, identificação de padrões de drenagem controlados tectonicamente, orientação da rede de drenagem e identificação de knickpoints. A preocupação central desse artigo é demonstrar que não se realiza pesquisa em Geomorfologia Tectônica dissociada da Neotectônica, uma vez que feições derivadas de ação tectônica antiga apresentam variação de suas características devido a processos erosivos.


Palavras-chave


Morfotectônica; Neotectônica; Geomorfologia Tectônica; Lineamentos; Rede de Drenagem

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2016.5239

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Luiza Leonardi Bricalli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 2237-3071