O sentido trágico da existência em Kierkegaard: uma leitura ontológico-existencial

João Bosco Batista

Resumo


Nosso trabalho busca investigar o sentido trágico da existência no pensamento de Kierkegaard como pressuposto para se vislumbrar o significado mais autêntico do existir do homem no mundo. Para isto buscamos a inserção do tema da dramaturgia da existência, como capítulo fundamental da abordagem fenomenológicoexistencial, verificando-se assim, a contribuição do filósofo dinamarquês para o constructo de uma hermenêutica de cunho existencial.

 

 

Referências Bibliográficas

 

AUGRAS, Monique. O ser da compreensão. Petrópolis: Vozes,
1978.

BUZZI, Arcângelo. Filosofia para principiantes. Petrópolis: Vozes,
1993.

CARMO, Raymundo E. Antropologia filosófica geral. Belo
Horizonte: O Lutador, 1975.

ETCHEVERRY, Auguste. O conflito actual dos humanismos:
Porto: Livraria Tavares Martins,1975.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes, 1988.

KAZANTZAKIS, Nikos. Zorba, o grego. Trad. Edgar Flexa Ribeiro
e Guilhermina Sette. São Paulo: Victor Civita, 1974.

KIERKEGAARD, SørenAabye. O Conceito de angústia. Trad.
Álvaro L. M. Valls. São Paulo: Editora Universidade São Francisco,
2010.

_____. Diário. Brescia: Morcelliana, 1980.

_____. Post-scriptum conclusivo não científico às migalhas
filosóficas. Milano: SansoniEditori, 1993.

_____. Temor e tremor. São Paulo: Hemus, 2008.
LUIJPEN, W. Introdução à fenomenologia existencial. São Paulo:
EPU/EDUSP, 1973.


Palavras-chave


KIERKEGAARD; EXISTÊNCIA; FENOMENOLOGIA EXISTENCIAL; HOMEM.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Revista Ítaca - Periódico acadêmico administrado e editado por discentes de pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

ISSN (1519-9002 | 1679-6799) 

 

Última atualização: Agosto/2019

Last update: Agust/2019