Considerações sobre o conceito de liberdade em Agostinho -- uma reflexão sobre a vontade livre no horizonte da teoria da graça

Matheus Jeske Vahl

Resumo


Agostinho concebe o conceito de liberdade a partir de uma teoria da vontade livre, na qual ele concebe no homem um significativo horizonte de autonomia e responsabilidade moral. Todavia, percebe que o exercício desta vontade é limitado por uma diversidade de condicionantes, vários deles pertencentes à condição ontológica do homem na ordem do ser, mas alguns decorrentes da presença do mal nela. Na teoria da Graça ele apresenta a visão de uma liberdade frágil que precisa ser recuperada para que o homem possa agir com virtude, porém, tal recuperação não é possível para homem na solidão de seu ser, precisa de uma ajuda externa que cure sua natureza e restaure a integridade de sua condição enquanto ser moral. Este ponto que faz a teoria agostiniana suscitar uma diversidade de interpretações, mais ou menos radicais, quanto à qualidade da natureza livre do homem.

Palavras-chave


Ética; Liberdade; Responsabilidade; Culpa e Perdão

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO. A Cidade de Deus. Trad. J. Dias Pereira. 2º ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

___________. De la Predestinación de los Santos. In: Obras completas de Saint Agustín. 2 ed. Trad. Emiliano López. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1956, tomo VI, p. 463-570.

___________. De la Naturaleza y de la Gracia. In: Obras completas de Saint Agustín. 2 ed. Trad. Victorino Capañaga. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1956, tomo VI, p. 815-953.

___________. De los méritos y perdón de los pecados y Sobre el bautismo de los infantes. In: Obras Completas de San Agustín. Trad. Victorino Capañaga. Ed. Bilingüe. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1952, tomo IX, p. 187-456.

___________. De la Predestinación de los Santos. In: Obras completas de Saint Agustín. 2 ed. Trad. Emiliano López. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1956, tomo VI, p. 463-570.

__________. Sobre o Gênesis contra os maniqueus. In: Comentário ao Gênesis. Trad. Agustinho Belmonte. São Paulo: Paulus, 2005, p. 499-592. (Coleção Tradição Patrística 21).

___________. Diálogo sobre o Livre Arbítrio. Trad. Paula Oliveira e Silva. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2001.

__________. Confissões. Trad. Arnaldo do Espírito Santo, João Bento e Maria Cristina de Castro-Maia de Sousa Pimentel. 2 ed. Lisboa: Centro de Literatura e Cultura Portuguesa e Brasileira: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2004.

____________. De la Verdadera Religión. In: Obras Completas de San Agustín. Trad. Victorino Capañaga. Ed. Bilingüe. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1956, tomo IV, p. 3-236.

___________. De la Corrección y de la Gracia. In: Obras completas de San Agustín. 2 ed. Trad. Victorino Capañaga. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1956, tomo VI, p. 121-224.

____________. Sobre diversas cuestiones a Simpliciano. In: Obras Completas de San Agustín. Trad. Victorino Capañaga. Ed. Bilingüe. Madrid: La Editorial Católica/BAC, 1952, tomo IX, p. 61-186.

___________. La perfezione della giustizia dell'uomo. In: augustinus.it/versione italiana.

BROWN, P. Santo Agostinho: uma biografia. Trad. Vera Ribeiro.6.ed. Rio de Janeiro: Record, 2011.

CAPAÑAGA, V. Introducción a los dos libros sobre diversas cuestiones a Simpliciano. In: Obras Completas de San Agustín. Madrid: La Editorial Catolica/BAC, 1952, tomo IX, p. 03-60.

DAWSON, C. A Divisão da Cristandade: da reforma protestante à era do iluminismo. 2. ed. Trad. Márcia Xavier de Brito. São Paulo: É Realizações, 2014.

DODARO, R. Cristo e a sociedade justa no pensamento de Agostinho. Trad. Bárbara Theoto Lambert. Curitiba: Scripta Publicações, 2014.

GILSON, E. Introdução ao estudo de Santo Agostinho. Trad. Cristiane Negreiros Abbud Ayoub. 2.ed. São Paulo, Paulus, 2010.

HORN, C. Agostinho: conhecimento, linguagem e ética. Trad. Roberto Hofmeister Pich. Porto Alegre: EDIPUC, 2008.

KAHN, C.H. Discovering the will: from Aristotle to Augustine. In: DILLON, J.M. e LONG, A.A. (orgs.). The Question of Eclecticism: Studies in Later Greek Philosophy. Berkeley: University California Press, 1988, p. 234-259.

MACDONALD, S. Primal Sin. In: MATTHEWS, G. (org.). The Augustian Tradition. California: University California Press, 1999, p. 110-139.

PICH, R. H. Agostinho e a “descoberta” da vontade: primeiro estudo. In: Veritas. Porto Alegre, v.50, n.2, p. 175-206, 2005.

RICOUER, P. O Conflito das interpretações: Ensaios de Hermenêutica. Trad. M. F. de Sá Correia. Porto: RES Editora, 1988.

RIGBY, P. Pecado Original. In: FITZGERALD, A. (org.). Diccionario de San Agustín: San Agustín a traves del tiempo. Burgos: Monte Castelo, 2001, p. 1018-1029.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Revista Ítaca - Periódico acadêmico administrado e editado por discentes de pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

ISSN (1519-9002 | 1679-6799) 

 

Última atualização: Agosto/2019

Last update: Agust/2019