Máquina e Justiça: um caminho por Nietzsche e Derrida

Guilherme Cadaval

Resumo


Nietzsche habita a história da filosofia como um nome extremamente controverso. De tudo que se fez de seu pensamento, de todos os acontecimentos a que seu nome foi associado, seja o Nazismo, seja a leitura heideggeriana a tentar salva-lo, a leitura derridiana do filósofo alemão talvez se situe em um estranho espaço. Não buscando simplesmente salva-lo, tampouco entrega-lo a um certo relativismo, Derrida almeja fazer justiça a Nietzsche, buscando pensar o futuro de seu texto a partir de uma máquina na qual se entrecruzam, contaminando-se irremediavelmente, forças aparentemente opostas.

Palavras-chave


Nietzsche; Derrida; Máquina; Direito; Justiça

Texto completo:

PDF

Referências


CRAGNOLINI, Mónica. De Bactriana e as margens de Urmi à montanha e o ocaso. DIAS, Rosa [et al] (Org.). Tradução: Rebeca Furtado de Melo. Rio de Janeiro: Mauad X : FAPERJ, 2011.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche. Tradução: Alberto Campos. Lisboa: Edições 70, 2009.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. Tradução: Miriam Chnaiderman & Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 2006.

______________. Força de lei: o fundamento místico da autoridade. Tradução: Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

_____________. Otobiographies. Paris: Editions Galilée, 1984.

_____________. Nietzsche e a Máquina. In: “Revista Trágica: estudos sobre Nietzsche”, v. 9, nº 2, pp. 94-134. Tradução: Guilherme Cadaval & Rafael Haddock Lobo, 2016.

_____________. Limited Inc. Tradução: Samuel Weber. Evanston: Northwestern University Press, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Revista Ítaca - Periódico acadêmico administrado e editado por discentes de pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

ISSN (1519-9002 | 1679-6799) 

 

Última atualização: Agosto/2019

Last update: Agust/2019