Filosofia africana contemporânea desde os saberes ancestrais femininos: novas travessias / novos horizontes

Adilbênia Freire Machado

Resumo


Esse artigo traz um breve diálogo acerca da filosofia africana contemporânea refletindo novos caminhos / horizontes, nessa perspectiva busco trazer, brevemente, os saberes ancestrais femininos como mediadores desses novos / outros caminhos. Dialogaremos em torno de uma crítica à ausência das mulheres nas temáticas em torno da filosofia africana, compreendendo que filosofar desde os saberes ancestrais femininos é implicar-se em uma relação intima com nossa humanidade. O feminino é a energia do encantamento, é quem permite o existir com ética, amorosidade, cuidado, o que dá e o que permite a vida, é a ancestralidade perpassando e criando sentidos de re-existências.

Palavras-chave


FILOSOFIA AFRICANA CONTEMPORÂNEA; SABERES ANCESTRAIS FEMININOS; ANCESTRALIDADE.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feminista. Tradução de Cristina Baum, Companhia das Letras, São Paulo, 2014.

BIDIMA, Jean-Godefroy. Da travessia: contas experiências, partilhar o sentir. De la traversée: raconter des expériences, partager le sens. Rue Descartes, 2002/2, n.36, p. 7-17. Tradução para uso didático por Gabriel Silveira de Andrade Antunes.

CARNEIRO, Fernanda. Nossos Passos Vêm de Longe. In: WERNECK, Jurema; MENDONÇA, Maisa; WHITE, Evelyn C (Orgs). O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. 2. Ed. – Rio de Janeiro: Pallas / Criola, 2006.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não-ser como fundante do ser. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de São Paulo como parte dos requisitos para a obtenção do título de Doutora em Educação junto à área de Filosofia da Educação, FEUSP, 2005.

EVARISTO, Conceição. Conceição Evaristo: “O que nós conquistamos não foi porque a sociedade abriu a porta, mas porque forçamos a passagem”. Entrevista Concedida a Kamille Viola. Revista Marie Claire, Maio de 2018. https://revistamarieclaire.globo.com/Mulheres-do-Mundo/noticia/2018/05/conceicao-evaristo-o-que-nos-conquistamos-nao-foi-porque-sociedade-abriu-porta-mas-porque-forcamos-passagem.html?utm_source=facebook. Acesso em 26 de maio de 2018.

EVARISTO, Conceição. Conceição Evaristo: ‘Falar sobre preconceito racial no Brasil é derrubar o mito de democracia racial’. Entrevista realizado por Fernanda Canofre para Sul21. Publicado em 04 de Maio de 2018: https://www.sul21.com.br/ultimas-noticias/geral/2018/05/conceicao-evaristo-falar-sobre-preconceito-racial-no-brasil-e-derrubar-o-mito-de-democracia-racial/. Visitado em 05 de maio de 2018.

EVARISTO, Conceição. Poemas da recordação e outros movimentos. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

EVARISTO, Conceição. Prefácio. In: CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

EZE, E. Chukwudi: La moderna filosofia occidental y el colonialismo africana. In: EZE, E. Chukwudi. Pensamiento africano: ética y política. Barcelona: Ed. Bellaterra, 2001. Biblioteca de Estudios Africanos.

FLOR DO NASCIMENTO, Wanderson. Tecendo mundos entre uma educação antirracista e filosofias afro-diaspóricas da educação. In: KOHAN, Walter Omar; LOPES, Sammy William; MARTINS, Fabiana Fernandes Ribeiro (orgs.). O ato de educar em uma língua ainda por ser escrita. 1 ed. Rio de Janeiro: NEFI, 2016.

FLOR DO NASCIMENTO, Wanderson. Outras vozes no ensino de filosofia: O pensamento africano e afro-brasileiro. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Número 18: maio-out/2012, p. 74-89. Acesso em 01 de Junho de 2012.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação – episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. 1. Ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LORDE, Audre. Mulheres Negras: As ferramentas do mestre nunca irão desmantelar a caso do mestre. Tradução de Renata. Conferência do New Yor University Institute for the Humanities, 1979. Geledés, 10 jul. 2013. Disponível em: https://www.geledes.org.br/mulheres-negras-as-ferramentas-do-mestre-nunca-irao-desmantelar-a-casa-do-mestre/. Acesso em 29 de março de 2019.

MACHADO, Adilbênia Freire. Filosofia Africana: ancestralidade e encantamento como inspirações formativas para o ensino das africanidades. Fortaleza: Imprece, 2019.

MACHADO, Adilbênia Freire. Ancestralidade e Encantamento: filosofia africana mediando a história e cultura africana e afro-brasileira. Dissertação (mestrado), 240p. – Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Educação, Salvador, 2014.

MACHADO, Adilbênia Freire. Filosofia Africana e Currículo: Aproximações. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, Brasília, Vol.0, N.18, maio de 2012. Disponível em: http://seer.bce.unb.br/index.php/resafe/article/view/7027/5552

MACHADO, Adilbênia Freire. Linguagem e Identidade Africana e Afrobrasileira. Fólio – Revista de Letras, Vitória da Conquista, Vol.3, N.2, 2011. Disponível em: http://periodicos.uesb.br/index.php/folio/article/viewFile/619/772

MACHADO, Vanda. Prosa de Nagô: educando pela cultura. 2ª ed. Salvador: EDUFBA, 2017.

MACHADO, Vanda. Pele da Cor da Noite. Salvador: EDUFBA, 2013.

MACHADO, Vanda. Exu: o senhor dos caminhos e das alegrias. VI Enecult, encontro de estudos multidisciplinares em culturas. Facom-UFBA – Salvador / Bahia / Brasil. 25 a 27 de Maio de 2010.

NGOENHA, Severino Elias. Ensino da Filosofia e Povos Africanos. In: NGOENHA, Severino Elias; CASTIANO, José P. Pensamento Engajado: ensaios sobre filosofia africana, educação e cultura política. Editora EDUCAR, Centro de Estudos Moçambicanos e etnociências (CEMEC), Universidade Pedagógica, Maputo, 2011.

NOGUERA, Renato. O Ensino de Filosofia e a Lei 10.639. Rio de Janeiro: Pallas, Biblioteca Nacional, 2014.

OLIVEIRA, Eduardo David de. Cosmovisão africana no Brasil: elementos para uma filosofia afrodescendente. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2006.

OLIVEIRA, Kiusam Regina de. Pedagogia da Ancestralidade. In: Revista eonline, postado em 18 de Julho de 2019. Visitado em 08 de Agosto de 2019. Vide: https://www.sescsp.org.br/online/artigo/13431_PEDAGOGIA+DA+ANCESTRALIDADE

ONDÓ, Eugenio Nkogo. Síntese Sistemática De La Filosofia Africana. Barcelona: Edicionescarena, 2001.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Conceituando o gênero: os fundamentos eurocêntricos dos conceitos feministas e o desafio das epistemologias africanas. Tradução para uso didático de: OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Conceptualizing Gender: The Eyrocentric Foundations of Feminist Concepts and the challenge of African Epistemologies. African Gender Scholarship: Concepts, Methodologies and Paradigms. CORDESRIA Gender Series. Volume 1, Dakar, CORDESRIA, 2004, p. 1-8 por Juliana Araújo Lopes.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. Visualizando o Corpo: Teorias Ocidentais e Sujeitos Africanos. Visualizing the Body: Western Theories and African Subjects in: OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. The invention of women: making an African sense of western gender discourses. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1997, p. 1-30. Tradução para uso didático de wanderson flor do nascimento.

OXÓSSI, Mãe Stella de. Discurso de posse de Mãe Stella de Oxóssi na Cadeira nº 33 da Academia de Letras da Bahia. 13 de setembro de 2013. Fonte: blog Maria Preta. Disponível em http://correionago.ning.com/profiles/blog/show?id=4512587%3ABlogPost%3A363471&xgs=1&xg_source=msg_share_post.

OXÓSSI, Mãe Stella de. Fim de cena. In: PETROVICH, Carlos; MACHADO, Vanda. Irê Ayó: mitos afro-brasileiros. Salvador: EDUFBA, 2004.

ROCHA, Aline Matos. A corporal(idade) discursiva à sombra da hierarquia e do poder: uma relação entre Oyĕwùmí e Foucault. Dissertação (mestrado). Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Filosofia (Fafil), Programa de Pós-Graduação em Filosofia, 2018. 98f.

ROCHA, Aline Matos. Pensar o invisível: as mulheres negras como produtoras de pensamento filosófico. Monografia (Graduação). Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Filosofia, 2014. 33f.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, Outubro 2002: 237-280.

SOMÉ, Sobonfu. O Espírito da Intimidade: ensinamentos ancestrais africanos sobre relacionamentos. SP: Odysseus Editora, 2003.

WERNECK, Jurema. Introdução. WERNECK, Jurema; MENDONÇA, Maisa; WHITE, Evelyn C (Orgs). O Livro da Saúde das Mulheres Negras: nossos passos vêm de longe. Tradução de Maísa Mendonça, Marilena Agostini e Maria Cecília MacDowell dos Santos. – 2. ed. – Rio de Janeiro: Pallas / Criola, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Revista Ítaca - Periódico acadêmico administrado e editado por discentes de pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

ISSN (1519-9002 | 1679-6799) 

 

Última atualização: Agosto/2019

Last update: Agust/2019