Filosofia da oralidade: contribuições da tradição oral para filosofia africana e afrodiaspórica

Antonio Filogenio de Paula Junior

Resumo


Este artigo apresenta as epistemologias contidas na tradição oral de matriz africana como elementos constitutivos da filosofia da oralidade. A tradição oral é, segundo Hampaté Bâ (2010), Ki Zerbo (2010) e Vansina (2010), um traço fundamental do modo de ser africano que se prolonga na diáspora, sendo possível o seu reconhecimento, também, nas culturas de resistência ou culturas afro-brasileiras. Neste sentido, fazer filosofia a partir dessa referencialidade é dialogar com a filosofia da oralidade como campo conceitual para filosofia africana e afro-diaspórica.

Palavras-chave


Filosofia; Oralidade; Tradição; Ancestralidade; Corpo

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONACCI, Antonieta. Memórias ancoradas em corpos negros. São Paulo: EDUC, 2013.

CARNEIRO, Sueli. A construção do outro como não ser como fundamento do ser. Tese de doutorado em Educação, São Paulo: USP, 2005.

CASTIANO, José P. Referenciais da filosofia africana: em busca da intersubjetivação. Maputo: Sociedade Editorial Ndjira, 2010.

CASTIANO, José P. Filosofia Africana: da sagacidade à intersubjetivação. Maputo: Editora Educar, 2015.

DA SILVA, Vagner Gonçalves. Exu: o guardião da casa do futuro. Rio de Janeiro: Pallas, 2015.

DIOP, Cheikh Anta. A unidade cultural da África Negra: esferas do patriarcado e do matriarcado na antiguidade clássica. Luanda/Ramada: Mulemba/Pedago, 2014.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petópolis-RJ: Vozes, 2017.

HAMPATÉ BÂ, Amadou. Amkoullel, o menino fula. São Paulo: Palas/Casa das Áfricas, 2003.

_____________________. Tradição viva. In: História geral da África I. ZERBO, J.K (org.). Brasília:MEC/Unesco, 2010.

HEYWOOD, Linda M. Diáspora negra no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010.

KI-ZERBO, Joseph. Introdução Geral. In: História Geral da África.V.1.Brasília: UNESCO, 2010.

MACHADO, Adilbênia Freire. Filosofia Africana: ancestralidade e encantamento como inspirações formativas para o ensino de africanidades. Fortaleza: Imprece, 2019.

OLIVEIRA, Eduardo David de. Filosofia da ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira. Tese de doutorado. Programa de Pós-graduação em Educação – UFC. Fortaleza: Ceará, 2005.

PAULA JUNIOR, Antonio Filogenio de. Educação e Oralidade no Oeste Africano pela representação de Amadou Hampaté Bâ. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação – Unimep. Piracicaba, 2014.

_________________________________. Filosofia afro-brasileira: epistemologia, cultura e educação na caiumba paulista. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação – Unimep. Piracicaba, 2019.

RAMOSE, Mogobe. A ética do ubuntu. Tradução para uso didático de: RAMOSE, Mogobe B. The ethics of ubuntu. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p. 324-330, por Éder Carvalho Wen. Disponível em filosofia-africana.weebly.com/.../1/3/.../mogobe_b._ramose_-_a_ética_do_ubuntu.pdf

________________. Sobre a legitimidade e o estudo de filosofia africana. Ensaios Filosóficos. Volume IV, outubro, 2011, p. 6-25.

SOMÉ, Sobunfu. O Espirito da Intimidade: ensinamentos tradicionais africanos sobre maneiras de se relacionar. São Paulo: Odysseus, 2007.

WILLIAMS, Eric. Capitalismo e escravidão. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

VANSINA, Jan. A tradição oral e sua metodologia. In: História geral da África I. ZERBO, J.K (org). Brasília: MEC / Unesco, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Revista Ítaca - Periódico acadêmico administrado e editado por discentes de pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

ISSN (1519-9002 | 1679-6799) 

 

Última atualização: Agosto/2019

Last update: Agust/2019