Filosofia africana e a crítica à Razão Negra de Achilles Mbembe.

Pessanha de Melo Pessanha

Resumo


Resumo: Na história da filosofia africana é quase sempre presente a justificativa que convença que existe uma filosofia africana, e que essa filosofia não tem inicio com a colonização europeia. Os processos de necropolítica e epistemicidio, consequência do período colonial no continente africano, colaboraram para o empobrecimento ontológico do ser-negro, impondo ao africano o status ontológico de inferioridade e subalternidade. Na compreensão de Achilles Mbembe por causa desses fatores a razão negra se ocupa basicamente em produzir argumentos com fundamentos que se tornaram resistência à escravatura, o colonialismo, e o apartheid.


Palavras-chave


Filosofia; Filosofia africana; Filosofia afro-brasileira; Ontologias Contemporâneas

Texto completo:

PDF

Referências


CASTIANO, J. P. Referênciais da filosofia africana: em busca da intersubjectivação. 1. ed. Maputo: Ndjira, Lda, 2010.

CÉSAIRE, A. Discurso sobre o colonialismo. Tradução de Noémia de Sousa. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1978.

DOMINGUES, P. J. Movimento da negritude: uma breve reconstrução histórica. África: Revista do Centro de Estudos Africanos, São Paulo, v. 26, p. 193-210, 2005.

HEGEL, G. W. Filosofia da História. Tradução de Hans Harden Maria Rodrigues. Brasília: UnB, 1999.

INIKORI, J. E. A África na história do mundo: o tráfico de escravos a partir da África e a emergência de uma ordem econômica no Atlântico. Brasília: UNESCO, v. História Geral da África V África do século XVI ao XVIII, 2010.

KALUMBA, K. M. Filosofia da Sagacidade: sua metodologia, resultados, significância e futuro. In: WIREDU, K. A companion to African Philosophy. Tradução de Renato Rocha Lima Marques. Oxford: Blackwell, 2004. p. 274-281.

MACEDO, J. R. D. O pensamento africa no no século XXI. São Paulo: Outras Expressões , 2016.

MAZRUI, A. A. Tendências da filosofia e da ciência na África. In: MEC História Geral da África VIII: África desde 1935. Tradução de Luiz Herman de Almeida. Brasília: UNESCO, 2010. p. 761-815.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. Tradução de Marta Lança. 1. ed. Lisboa: Antígona, 2014.

OMOREGBE, J. I. La Filosofia africana: ayer y hoy. Barcelona: Edicions Bellaterra, 2002.

ORUKA, O. H. Quatro tendências da atual Filosofia Africana. The African Philosophy Reader, New York, p. 120-124, 2002.

RAMOSE, M. Sobre a Legitimidade e o Estudo da Filosofia Africana. Tradução de Rafael Medina Lopes, Roberta Ribeiro Cassiano Dirce Eleonora Nigro Solis. Rio de Janeiro: Ensaios Filosóficos, v. IV - outubro 2011, 2011.

SANTOS, G. A. D. A invenção do "ser negro": um percurso das ideias que naturalizaram a inferioridade dos negros. Rio de Janeiro: Pallas, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Revista Ítaca - Periódico acadêmico administrado e editado por discentes de pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

ISSN (1519-9002 | 1679-6799) 

 

Última atualização: Agosto/2019

Last update: Agust/2019