A ALDRAVA DE MARÍLIA DE DIRCEU. AUTORIDADE E TRADIÇÃO LITERÁRIA NA CONSTRUÇÃO DE UM OBJETO MUSEOLÓGICO

Rafael Zamorano Bezerra

Resumo


O texto analisa a partir do conceito de “função autorg (e seu corolário, “autoridade”) o processo de canonização das letras nacionais através da monumentalização de um objeto museológico do acervo do Museu Histórico Nacional. Trata-se de uma aldrava retirada da casa onde, supostamente, teria morado Maria Dorothea, a Marília de Marília de Dirceu, musa inspiradora de Tomás Antônio Gonzaga. O artefato escolhido tem duas particularidades. A primeira a ser destacada, é o tratamento que lhe foi dado, inicialmente, como relíquia histórica. A segunda é sua relação com o poema Marília de Dirceu, de Tomás Antônio Gonzaga, poeta canonizado pela história literária como um dos principais representantes da “escola mineira”, entendida por muitos como precursora da literatura nacional.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



A Revista de História Comparada é um periódico do PPGHC/UFRJ.

http://www.ppghc.historia.ufrj.br/index.php/destaque/publicacoes/revista-de-historia-comparada

ISSN 1981-383X

Revista indexada no DialNet, Latindex e REDIB.