Trabalho, gestão e subjetividade

Tania Mara Galli Fonseca

Resumo


As atuais práticas sociais de trabalho e de gestão articulam-se ao conceito de trabalho imaterial e à perspectiva de uma subjetividade descentrada da soberania do eu psicológico e assumida em sua processualidade coletiva. Objetiva-se, a partir desta articulação, dar a ver o potencial de afetação dos métodos administrativos na vida dos trabalhadores das empresas. Trata-se de considerar a história do trabalho como um processo incessantemente revirado pelo fazer experimental coletivo e pela reinvenção das práticas produtivas.

Palavras-chave


Subjetividade; Trabalho; Gestão

Texto completo:

HTML PDF

Referências


BAUMAN, Z. (1999) Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BERGSON, H. A. (1964) Evolução Criadora. Rio de Janeiro: Delta.

CHANLAT, J. F. (2000) Ciências Sociais e management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas.

COCCO, G. (2000) Trabalho e cidadania: produção de direitos na era da globalização. São Paulo: Cortez.

DELEUZE, G. & GUATTARI, F. (1995) Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. v. 2. Rio de Janeiro: Editora 34.

DELEUZE, G. (1992). Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34.

FONSECA, T. M. G. & BARROS DE BARROS, M. E. (2004) Psicologia e processos de trabalho: um outro olhar. Psico. Revista da Faculdade de Psicologia da PUCRS, 35 (2): 133-140.

FOUCAULT, M. (1996) Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes.

______. (2003) Mesa redonda 20 de maio de 1978. In: Ditos e escritos IV - Estratégias poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

GAULEJAC, V. de. (2005) La societé malade de la gestion: idéologie gestionnaire, pouvoir managérial e harcèlement social. Paris: Seuil.

GUATTARI, F. (1987) Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense.

LAZZARATO, M. (1997) Pour une redéfinition du concept de "bio-politique". Futur antérieur, n.3-40.

LAZZARATTO, M. & NEGRI, A. (2001) Trabalho imaterial. São Paulo: DP&A.

NEGRI, T. (2001) Exílio. Seguido de valor e afeto. São Paulo: Iluminuras.

SCHWARTZ, Y. (2000). Le paradigme ergologique ou un métier de Philosophe. Toulouse: Octarès.

______. (2003) Conferência de abertura do seminário Trabalho e Saber. Trabalho apresentado na UFES/Belo Horizonte.

SENNETT, R. (2003) A corrosão do caráter:conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record.

VEYNE, P. (1988) Como se escreve a história e Foucault revoluciona a história. Brasília: Ed. UnB.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Universidade Federal do Rio de Janeiro
Centro de Filosofia e Ciências Humanas
Instituto de Psicologia

Av. Pasteur, 250 - Pavilhão Nilton Campos, Praia Vermelha - Urca
CEP: 22290-902 - Rio de Janeiro-RJ - arquivosbrap@psicologia.ufrj.br
Portal Capes
Minerva