Os encontros e a relação familiar: uma leitura deleuziana

Roberta Carvalho Romagnoli

Resumo


Esse estudo pretende rastrear o conceito de relação nas diferentes abordagens da terapia familiar, acrescentando a leitura deleuziana do conceito na obra de Espinosa. A relação familiar, seja oriunda de uma estrutura familiar inconsciente, como para a Psicanálise, seja advinda do padrão de interação do grupo, como para a Teoria Sistêmica, seja entendida como construtora de contextos recursivos, como para a Si-Cibernética, é essencial nessa prática clínica. A partir da perspectiva deleuziana, todas essas leituras teóricas desenvolvem um tratamento de interioridade, ao tentar explicar a realidade mediante os modelos propostos. Utilizando um raciocínio de exterioridade, fundamentado nas idéias de Deleuze sobre Espinosa, a relação familiar molda maneiras de expressão, conectando as partes de cada um e as partes do grupo. é no jogo das forças ativas e das forças passivas que a família se engendra, abre-se para conexões ou fecha-se para a circulação da vida.

Palavras-chave


Psicologia Clínica; Família; Terapia Familiar; Subjetividade; Esquizoanálise

Texto completo:

HTML PDF

Referências


BATESON, G. (1976) Pasos hacia una ecologia de la mente. Buenos Aires: Carlos Lohlé.

BERENSTEIN, I. (1988) Família e doença mental. São Paulo: Escuta.

BLOCH, D. A. & RAMBO, A. (1998) O início da terapia familiar: temas e pessoas. In: ELKAIM, M. (Org.). Panorama das terapias familiares. São Paulo: Summus.

DELEUZE, G. (1981) Curso sobre Spinoza. Disponível em: Consulta efetuada em 2001.

DELEUZE, G. (2002) Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta.

EIGUER, A. (1985) Um divã para a família: do modelo grupal à terapia familiar psicanalítica. Porto Alegre: Artes Médicas.

MAGALHÃES, A. S. (2003) Transmutando a individualidade em conjugalidade. In: FéRES-CARNEIRO, T. (Org.) Família e casal: arranjos e demandas contemporâneas. Rio de Janeiro/São Paulo: PUC-Rio/Loyola.

MEIRA, Y. M. et al. (2003) O porão da família: ensaios de Psicanálise. São Paulo: Casa do Psicólogo.

MEYER, L. (2002) Família, dinâmica e terapia: uma abordagem psicanalítica. 2 ed. São Paulo: Casa do Psicólogo.

ORLANDI, L. B. L. (2000) Linhas de ação da diferenças. In: ALLIEZ, E. Gilles Deleuze: uma vida filosófica. São Paulo: Ed 34.

RAPIZO, R. (1996) Terapia sistêmica de família: da instrução à construção. Rio de Janeiro: Instituto NOOS.

ROMAGNOLI, R. C. (2004) O sintoma da família: excesso, sofrimento e defesa. Interações IX (18): 41-60.

SCHNITMAN, D. F (1996). Introdução: ciência, cultura e subjetividade. In: SCHNITMAN, D. F. (Org.) Novos Paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas.

ZOURABICHVILI, F. (2004). O vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Relume Dumará.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Universidade Federal do Rio de Janeiro - Centro de Filosofia e Ciências Humanas - Instituto de Psicologia

Av. Pasteur, 250 - Pavilhão Nilton Campos, Praia Vermelha - Urca
CEP: 22290-902 - Rio de Janeiro-RJ - arquivosbrap@psicologia.ufrj.br
Portal Capes
Minerva

Indexação
Lilacs
Pepsic
Index Psi Periódicos (BVS - Psi)
Latindex
Scopus
Clase
Psicodoc
Redalyc
PsycINFO

Apoio:
UFRJ/Capes/CNPq/FAPERJ