O pai e a função paterna na teoria winnicottiana

Gabriel Aparecido Gonçalves dos Santos, Valéria Barbieri, Manoel Antônio dos Santos

Resumo


A teoria psicanalítica de D. W. Winnicott assume a existência de uma tendência inata ao desenvolvimento que depende, para ter êxito, do oferecimento suficientemente bom de recursos ambientais que deem suporte e estimulem o desenvolvimento e integração do Self em formação. Grande parte de sua obra enfoca o papel da mãe como principal agente fornecedor de cuidados ao recém-nascido. Contudo, Winnicott não deixou de abordar a importância do pai como elemento real da dinâmica familiar e, como tal, também agente de cuidados do filho e da díade mãe-filho, pois o considera como parte do ambiente total disponível da criança. Esse artigo busca descrever e analisar as principais proposições teóricas do autor e de estudiosos contemporâneos a respeito do pai e das funções paternas na família, de acordo com cada etapa do amadurecimento pessoal em que o filho se encontra.


Texto completo:

PDF HTML

Referências


Aberastury, A. (1991). A paternidade. In A. Aberastury, & E. J. Salas (Orgs.), Paternidade: Um enfoque psicanalítico (pp. 41-87). Porto Alegre: Artes Médicas.

Andrade, E. V. (2007). A descontinuidade entre agressividade e violência: Uma contribuição psicanalítica às práticas educacionais (Dissertação de Mestrado). Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Barretta, J. P. F. (2012). O complexo de Édipo em Winnicott e Lacan. Psicologia USP, 23(1), 157-170. https://doi.org/10.1590/S0103-65642012000100008

Dias, E. O. (2003). A teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott. Rio de Janeiro: Imago.

Di Loreto, O. (2004). Origem e modo de construção da mente (psicopatogênese): A psicopatogênese que pode estar contida nas relações familiares. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Fulgencio, L. (2011). A constituição do símbolo e o processo analítico para Winnicott. Paidéia, 21(50), 393-401. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2011000300012

Loparic, Z (2006). De Freud a Winnicott: Aspectos de uma mudança paradigmática. Winnicott e-prints, 1(1), 1-29.

Loparic, Z. (2014). O pai e o monoteísmo em Winnicott. In C. D. Rosa (Org.), E o pai? Uma abordagem winnicottiana (pp. 63-91). São Paulo: DWW.

Outeiral, J. (1997). Sobre a concepção de pai na obra de D. W. Winnicott. In J. Outeiral, & S. Abadi (Orgs.), Donald Winnicott na América Latina: Teoria e clínica psicanalítica (pp. 203-211). Rio de Janeiro: Revinter.

Ribeiro, M. J. (2014). Considerações sobre o desenvolvimento excessivo da inteligência na criança e o papel do pai na dependência relativa. In C. D. Rosa (Org.), E o pai? Uma abordagem winnicottiana (pp. 107-126). São Paulo: DWW.

Rosa, C. D. (2007). A presença do pai no processo de amadurecimento: Um estudo sobre D. W. Winnicott (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Rosa, C. D. (2009). O papel do pai no processo de amadurecimento em Winnicott. Natureza Humana, 11(2), 55-96.

Rosa, C. D. (2011). O papel do pai no processo de amadurecimento em Winnicott. In E. O. Dias, & Z. Loparic (Orgs.), Winnicott na escola de São Paulo (pp. 257-302). São Paulo: DWW.

Rosa, C. D. (2014). O pai em Winnicott. In C. D. Rosa (Org.), E o pai? Uma abordagem winnicottiana (pp. 25-62). São Paulo: DWW.

Safra, G. (2009). Os registros do masculino e feminino na constituição do self. Jornal de Psicanálise, 42(76), 77-89.

Santos, M. A. (1999). A constituição do mundo psíquico na concepção winnicottiana: Uma contribuição à clínica das psicoses. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(3), 603-625. https://doi.org/10.1590/S0102-79721999000300005

Souza, C., & Santos, M. A. (2021). Figurações da relação mãe-bebê nas esculturas de Felícia Leirner: Um olhar winnicottiano. Revista Subjetividades, 21(2), 1-13. https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v21i2.e11411

Veludo, C. M. B., & Viana, T. C. (2012). Parentalidade e o desenvolvimento psíquico na criança. Paidéia, 22(51), 111-118. https://doi.org/10.1590/S0103- 863X2012000100013

Winnicott, D. W. (1982). E o pai? In D. W. Winnicott, A criança e seu mundo (6a ed., pp. 127-133, A. Cabral, Trad.). Rio de Janeiro: LTC. (Obra original publicada em 1944-1945).

Winnicott, D. W. (1971). As crianças e as outras pessoas. In D. W. Winnicott, A criança e seu mundo (pp. 116-124, A. Cabral, Trad.). Rio de Janeiro: LTC. (Obra original publicada em 1949).

Winnicott, D. W. (1982). Um homem encara a maternidade. In D. W. Winnicott, A criança e seu mundo (pp. 15-18, A. Cabral, Trad.). Rio de Janeiro: LTC. (Obra original publicada em 1949).

Winnicott, D. W. (1997). Crescimento e desenvolvimento na imaturidade. In D. W. Winnicott, A família e o desenvolvimento individual (pp. 29-41, M. B. Cipolla, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1950).

Winnicott, D. W. (2000). Retraimento e regressão. In D. W. Winnicott, Da pediatria à Psicanálise: Obras escolhidas (pp. 347-354, D. L. Bogomoletz, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Obra original publicada em 1954-1955).

Winnicott, D. W. (2000). A posição depressiva no desenvolvimento emocional normal. In D. W. Winnicott, Da pediatria à psicanálise: Obras escolhidas (pp. 355-373, D. L. Bogomoletz, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Obra original publicada em 1955).

Winnicott, D. W. (1993). A família e o desenvolvimento individual (M. B. Cipolla, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1956).

Winnicott, D. W. (2001). Fatores de integração e desintegração da vida familiar. In D. W. Winnicott, A família e o desenvolvimento individual (2a ed., pp. 59-72, M. B. Cipolla, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1957).

Winnicott, D. W. (1978). Agressão e sua relação com o desenvolvimento emocional. In D. W. Winnicott, Textos selecionados: Da pediatria à psicanálise (pp. 355-374, J. Russo, Trad.). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Obra original publicada em 1958).

Winnicott, D. W. (2000). A agressividade em relação ao desenvolvimento emocional. In D. W. Winnicott, Da pediatria à psicanálise: Obras escolhidas (pp. 288-304, D. L. Bogomoletz, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Obra original publicada em 1958).

Winnicott, D. W. (1994). Material clínico: “Sobre os elementos masculinos e femininos ex-cindidos (split-off)”. In D. W. Winnicott, Explorações psicanalíticas (pp. 144-150, J. O. A. Abreu, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Obra original publicada em 1959-1963).

Winnicott, D. W. (1983). Classificação: Existe uma contribuição psicanalítica à classificação psiquiátrica? In D. W. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação (pp. 144-127, I. C. S. Ortiz, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Obra original publicada em 1959-1964).

Winnicott, D. W. (1999). O que irrita? In D. W. Winnicott, Conversando com os pais (2a ed., pp. 77-100, A. Cabral, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1960).

Winnicott, D. W. (1994). Psiconeurose na infância. In D. W. Winnicott, Explorações psicanalíticas (pp. 53-58, J. O. A. Abreu, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Obra original publicada em 1961).

Winnicott, D. W. (1988). O recém-nascido e sua mãe. In D. W. Winnicott, Os bebês e suas mães (J. L. Camargo, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1964).

Winnicott, D. W. (1999). Este feminismo. In D. W. Winnicott, Tudo começa em casa (3a ed., pp. 183-195, P. Sandler, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1964).

Winnicott, D. W. (1983). A família e o desenvolvimento individual. In D. W. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação (pp. 03-20, I. C. S. Ortiz, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Obra original publicada em 1965).

Winnicott, D. W. (1990). Distorção do ego em termos de falso e verdadeiro self. In D. W. Winnicott, O ambiente e os processos de maturação: Estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp. 128-139, I. C. S. Ortiz, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Obra original publicada em 1965).

Winnicott, D. W. (1996). A criança no grupo familiar. In D. W. Winnicott, Tudo começa em casa. (pp. 123-136, P. Sandler, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1966).

Winnicott, D. W. (1999). O aprendizado infantil. In D. W. Winnicott, Tudo começa em casa (pp. 137-144, P. Sandler, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1968).

Winnicott, D. W. (1994). O uso de um objeto no contexto de Moisés e o monoteísmo. In D. W. Winnicott, Explorações psicanalíticas (pp. 187-191, J. O. A. Abreu, Trad.). Porto Alegre: Artmed, 1994. (Obra original publicada em 1969a).

Winnicott, D. W. (1994). O uso de um objeto e o relacionamento através de identificações. In D. W. Winnicott, Explorações psicanalíticas. (pp. 171-177, J. O. A. Abreu, Trad.) Porto Alegre: Artmed. (Obra original publicada em 1969b).

Winnicott, D. W. (1999). A imaturidade do adolescente. In D. W. Winnicott. Tudo começa em casa. (3a ed., pp. 145-163, P. Sandler, Trad.). São Paulo: Martins Fontes, 1999. (Obra original publicada em 1969).

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade (J. O. A. Abreu & V. Nobre, Trads.).Rio de Janeiro: Imago. (Obra original publicada em 1971).

Winnicott, D. W. (1996). Vivendo de modo criativo. In D. W. Winnicott, Tudo começa em casa (pp. 23-29, P. Sandler, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1986).

Winnicott, D. W. (1990). Natureza humana (D. L. Bogomoletz, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Obra original publicada em 1988).




DOI: https://doi.org/10.36482/1809-5267.ARBP2021v73i3p.112-128

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Arquivos Brasileiros de Psicologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Universidade Federal do Rio de Janeiro
Centro de Filosofia e Ciências Humanas
Instituto de Psicologia

Av. Pasteur, 250 - Pavilhão Nilton Campos, Praia Vermelha - Urca
CEP: 22290-902 - Rio de Janeiro-RJ - arquivosbrap@psicologia.ufrj.br
Portal Capes
Minerva