Avaliação de padrões de curva de torque extensor do joelho e de atividade eletromiográfica do vasto lateral em dinamometria isocinética

Conrado Torres Laett

Resumo


Dinamômetros isocinéticos (DI) são utilizados na mensuração de torque muscular. Pico de torque (PT) e ângulo de pico de torque (APT) são importantes para análises biomecânicas. Frequentemente esses dados são analisados em conjunto com a eletromiografia (EMG). Apesar do uso frequente, poucas investigações foram feitas sobre os padrões de curva de torque, RMS-EMG e reprodutibilidade dos dados coletados em DI. O objetivo do estudo  investigar os padrões de curva de torque e RMS-EMG e calcular parâmetros de reprodutibilidade dessas variáveis. As repetições apresentaram padrão de curva de torque e EMG bem definido. O PT apresentou alta reprodutibilidade (Direito: ICC = 0,958, SEM = 6,72 Nm; esquerdo: ICC = 0,966, SEM = 7,17Nm), assim como o APT (Direito: ICC = 0,985, SEM=1,16º; esquerdo: ICC = 0,972, SEM=1,67º) e o valor RMS-EMG (Direito: ICC = 0,91; esquerdo: ICC = 0,896). O PT da primeira repetição foi significativamente inferior aos demais. O maior PT ocorreu com maior frequência na segunda repetição, com distribuição normal. Uma única repetição em DI parece ser insuficiente para aferição do pico de torque. A curva de torque e RMS-EMG apresenta padrão consistente. Os parâmetros estudados indicam que medidas de PT e APT obtidas em DI são reprodutíveis.


Palavras-chave


reprodutibilidade; média coerente; erro padrão da medida

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556. Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.