DIÁLOGOS POSSÍVEIS ENTRE A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A LEI 10639/03 NA PERSPECTIVA DA CORPOREIDADE

CARLOS HENRIQUE SANTOS MARTINS

Resumo


O artigo propõe reflexões a respeito das possíveis aproximações entre a educação física escolar, pelo viés da cultura corporal, e a lei 10639/03, que implementou o ensino da história e culturas africana e afro-brasileiras nas instituições da educação básicas do Brasil. Para isso, privilegiou-se a interface corporeidade/raça como recorte analítico, pois consideramos o corpo – e por que não dizer o corpo negro – como expressão dos sentidos e significados das atividades da educação física escolar cuja origem de seus conteúdos vão ao encontro do que preconiza a referida lei. Assim, é apresentada breve discussão teórica que envolve aspectos legais que organizam a legislação no âmbito da educação. Posteriormente, são levantadas importantes questões relacionadas ao corpo e à corporeidade, seguida do diálogo com alguns autores e suas contribuições para pensarmos os conceitos de raça e miscigenação. Por fim, sem estabelecer considerações finais, propõe-se o debate a respeito das possibilidades de articulação desses conceitos, considerando o corpo e a corporeidade, como recortes específicos de análise, integrantes da educação física escolar, cuja contextualização está expressa na lei 10.639/03, através dos conteúdos da cultura corporal.


Palavras-chave


Educação Física Escolar; Corporeidade; Relações Raciais; Lei 10639/03

Texto completo:

Remoto XML XML PDF

Referências


BETTI, Mauro. Educação física e sociedade. São Paulo: Movimento, 1991.

BONFIM, Genilson César Soares. A prática da capoeira na educação física e sua contribuição para a aplicação da Lei 10.639 no ambiente escolar: a capoeira como meio de inclusão social e da cidadania. (s/d). Disponível em:< http://www.rbceonline.org.br/congressos/index.php/conece/3conece/paper/viewFile/2379/975>. Acesso em: 06 nov. 2013.

BOURDIEU. Pierre. O poder simbólico: Editora Bertrand, 1989.

BRACHT, Valter. Educação física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, 1992.

BRANCO, Guilherme Castelo. “Racismo, individualismo e biopoder”. Revista Filosofia, Aurora, Curitiba, v. 21, n. 28, p. 29-38, jan./jun. 2009

CARVALHO, Rosa Malena. Corporeidade e cotidianidade na formação de professores. Niterói: Editora da UFF, 2011.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GOMES, Nilma Lino. “Cultura negra e educação”. Revista Brasileira de Educação. Maio/ Ago, nº 23, 2003. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n23/n23a05.pdf>. Acesso em: 06 nov. 2013.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e antirracismo no Brasil. São Paulo: Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo; Ed. 34, 1999.

___________. “A questão racial na política brasileira (os últimos quinze anos)”. Tempo Social; Rev. Sociol. USP; São Paulo, 13 (2), p. 121-1424, nov. 2001.

___________. “Direitos e avessos da nacionalidade” IN: GUIMARÂES. A. S. A. Classes, raças e democracia. São Paulo, Editora 34, 2002, p. 109-136.

___________. Preconceito Racial: modos, temas e tempos. Coleção Preconceitos. São Paulo: Cortez, v.6, 2008.

KARASCH, Mary. A vida dos escravos no Rio de Janeiro: 1808 a 1850. Companhia das Letras, 2000.

KOIFMAN, Fábio. “Apontamento sobre o pensamento eugênico no Brasil”. IN: MENDONÇA, Sonia Regina. Estado e historiografia do Brasil. Niterói: EdUFF, 2006, p. 297-309.

KUNZ, Elenor. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Editora Unijuí, 1994.

LE BRETON, David. A Sociologia do Corpo. Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

LUCKESI, Cipriano C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1992.

MAIO, Marcos Chor. “Raça, doença e saúde pública no Brasil: um debate sobre o pensamento higienista do século XIX”. IN: MONTEIRO, Simone e SANSONE, Lívio (orgs.). Etnicidade na América Latina: um debate sobre raça, saúde e direitos reprodutivos. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2004, p. 15-44.

MARANHÃO, Fabiano, GONÇALVES JUNIOR, Luiz, CORRÊA, Denise Aparecida. Jogos e brincadeiras africanos nas aulas de educação física: construindo uma identidade cultural negra positiva em crianças negras e não negras. In: XV Jornadas de Jóvenes Investigadores de la AUGM, 2007, Asunción. Actas... Asunción: AUGM, 2007. Disponível em:< http://www.ufscar.br/~defmh/spqmh/pdf/2007/augm_jogosafro.pdf> Acesso em: 06 nov. 2013.

MAUSS, Marcel. “Técnicas do Corpo”. IN: Sociologia e Antropologia, Rio de Janeiro, 2003, p. 401-419.

MERLEAU-PONTY, Maurice. “A espacialidade do corpo próprio”. IN: Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999, 2ª edição.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a Mestiçagem no Brasil. Identidade Nacional versus Identidade Negra. 3ª Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

NASCIMENTO, Alexandre do. “Para uma pedagogia da (re)educação das relações étnico-raciais. In: NASCIMENTO, Alexandre do [et al]. Histórias, culturas e territórios negros na educação: reflexões docentes para uma reeducação das relações étnico-raciais. Rio de Janeiro: E-papers, 2008, p. 47-57.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira & Identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2005.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. Gilberto Freyre. Um vitoriano nos trópicos. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

PANDOLFI, Dulce (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1999. Disponível em:< http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/ handle/10438/6762/142.pdf?sequence=1> Acesso em: 31 ago. 2013.

PEREIRA, Ana Maria. Motricidade Humana: a complexidade e a práxis educativa. Trabalho apresentado ao Curso de Pós- Graduação, em Ciências do Desporto, da Universidade Beira Interior, Covilhã – Portugal, Tese de Doutorado, 2006. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2013.

SAVIANI, Demerval. Escola e Democracia. 27ª Ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1994.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das Raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Igor Fangueiro. A educação física e as danças populares brasileiras de matriz africana e indígena: reflexões sobre as leis 11.645 e 10.639. Trabalho de conclusão de curso -Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

SILVA et al. “Corpo e experiência: para pensar as práticas corporais”. IN: FALCÃO, José Luiz Cirqueira, SARAIVA, Maria do Carmo. Práticas corporais em contextos contemporâneos: (In)Tensas experiências. Florianópolis: Copiart, 2009, p. 10-27.

STEPAN, Nancy Leys. “Eugenia no Brasil, 1917-1940”. IN: HOCHMAN, Gilberto e ARMUS, Diego (orgs.). Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, p. 331-391, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556. Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.