GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA E DISCIPLINAS RELACIONADAS ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS: REVISÃO SISTEMÁTICA DE LITERATURA

Mayara Erbes Ranzan, Edison Duarte, Fátima Elisabeth Denari

Resumo


A formação em Educação Física tornou, em 1987, obrigatória uma disciplina específica na grade curricular para desenvolver conhecimentos e conteúdos sobre pessoas com deficiência. Hoje, 33 anos após sua criação, essa disciplina apresenta-se de diferentes maneiras no Brasil. Considerando essa multiplicidade, o presente artigo objetivou averiguar, através do método da revisão sistemática da literatura, o que as dissertações e teses a nível nacional expõem sobre a realidade da disciplina específica voltada para as pessoas com deficiência nos cursos de graduação em Educação Física no contexto do Brasil. Com base nos critérios de inclusão e exclusão foram analisados treze estudos, os quais, em unanimidade, constataram a necessidade de reestruturação da disciplina no que compete a ampliação das cargas horárias, acréscimo de conteúdos e possibilidades de vivências e experencias práticas e diretas com o público estudado, visando tornar a formação mais efetiva para os futuros profissionais. As conclusões dos estudos ainda consideraram a importância das outras disciplinas que compõem a grade curricular aprimorarem seus conteúdos teóricos e práticos, abarcando essa população como alvo de seus conhecimentos.


Palavras-chave


Educação Física; formação inicial; disciplina específica; pessoas com deficiência.

Texto completo:

PDF graduação

Referências


ALVES, F. D. A experiência pibidiana por licenciandos em educação física: contribuições para a formação de professores. In: XVII ENDIPE Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 2010. Ceará.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: MEC,1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física, 3º e 4º ciclos, v. 7. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. Ministério Público Federal: Fundação Procurador Pedro Jorge de Melo e Silva (Org.). O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular. 2a ed., Brasília: Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, 2004.

CRUZ, Gilmar de Carvalho; SORIANO, Jeane Barcelos. Perspectivas docentes sobre a formação profissional em Educação Física para atuação em contextos inclusivos. Revista pensar a prática. Goiânia: v. 13, n°3, p. 1-16, set de 2008.

DUARTE, E. A formação do profissional em Atividade Motora Adaptada. Temas em Educação Especial: avanços recentes. Mendes, E. G.; Almeida, M. A,;Williams, L. C. A.(org). EdUFSCar, São Carlos-SP, 2004.

GOMES, N. M. Análise da disciplina de Educação Física Especial nas Instituições de ensino superior públicas do Estado do Paraná. Tese de Doutorado – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas. 2007.

MANOEL, E. de. J.; CARVALHO, Y.M de. Pós-graduação na educação física brasileira: a atração (fatal) para a biodinâmica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.37, n.2, p. 389-406, mai./ago. 2011

MICHELS, M. H.; GARCIA, R. M. C. A nova LDB e os processos de integração de sujeitos considerados portadores de deficiência. In: Revista Ponto de Vista, nº1, p. 3035, Florianópolis, 1999.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 732, 1999.

RANZAN, M. E. Educação Especial na formação em Educação Física: um olhar sobre os planos de ensino das licenciaturas paranaenses. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2018.

SAMPAIO, R.F.; MANCINI, M.C. estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioterapia., São Carlos, v. 11, n. 1, p. 8389, jan./fev. 2007

SILVA, C. S. da; DRIGO, A. J. A educação física adaptada: implicações curriculares e formação profissional. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

SOUZA, C. J. Formação de professores dos cursos de Educação Física e pedagogia: um vir a ser inclusivo? 2013. 123f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2013.

STEINER, J. E. Qualidade e diversidade institucional na Pós-Graduação brasileira. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 54, p. 341-362, maio/ago. 2005.

VITALIANO, C. R.; MANZINI, E. J. A formação inicial de professores para inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. In: VITALIANO, C. R. (Org.). Formação de professores para a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Londrina: EDUEL, 2010. p. 49-112.

WILLICH, S. N. “How objective are systematic reviews? Differences between reviews on complementary medicine”, J R Soc Med, 2003, München, p. 17-22, jan. 2003.

ZINI, Rodrigo. Formação inicial do professor de educação física para o trabalho com alunos com necessidades educacionais especiais. 2018, 184 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1809-9556.

Todos os direitos reservados a revista ARQUIVOS em MOVIMENTO e a seus Autores.