Práticas feministas em Belo Horizonte: Encontros, consensos, dissensos

Juliana Gonzaga Jayme, Aléxia Dutra Balona Passos

Resumo


 

 

O artigo discute a multiplicidade dos feminismos em Belo Horizonte, desde os anos 2000, marco da fase atual desses movimentos. Atenta-se para as relações de poder, dissensos e consensos em relação às suas formulações teóricas, práticas políticas, expressões culturais e formas de organização, em uma perspectiva geracional. Considera-se que há aspectos comuns entre certas bandeiras de lutas atuais e as manifestações anarquistas do início do século XX. Também leva-se em conta, naturalmente, que há de novo (ou diferente) hoje. A análise será realizada a partir de observações na Marcha das Vadias e nos atos políticos do Dia Internacional da Mulher, além do exame em páginas na internet, blogs e redes sociais. 


Palavras-chave


Gênero; Feminismos; Prostituição; Marcha das Vadias; Dia Internacional da Mulher

Texto completo:

PDF

Referências


ADRIÃO, Karla Galvão; TONELI, Maria Juracy Filgueiras; MALUF, Sônia Weidner. (2011), “Movimento feminista brasileiro na virada do século XX: reflexões sobre sujeitos políticos na interface com as noções de democracia e autonomia”. Estudos Feministas, Florianópolis, 19(3): 392. Pp. 661-681 Disponível (on-line) em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v19n3/02.pdf.

ALVAREZ, Sonia E. (2014), “Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista” Cadernos Pagu, São Paulo (43), jan./jun. pp. 13-56. Disponível (on-line) em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n43/0104-8333-cpa-43-0013.pdf

BARRETO L. C.; MAYORGA, C.; GROSSI, M. P. (2017), “Vadias, putas e feministas: diálogos em Belo Horizonte”. Psicologia & Sociedade n. 29, e159528, 2017, pp. 01-09. Disponível (on-line) em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v29/1807-0310-psoc-29-e159528.pdf

BLAY, Eva Alterman. (2001), “08 de março; conquistas e controvérsias”. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2. Pp. 601-607 Disponível (on-line) em http://www.scielo.br/pdf/ref/v9n2/8643

BUTLER, Judith. (2005), Cuerpos que importam. Sobre los limites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires, Barcelona, México: Paidós.

CESAR, Maria Rita de Assis; ATHAYDE, Thays, Conceição Cunha (2013, “Por um feminismo ‘vadio' e outras considerações contemporâneas”. Labrys: Revista de Estudos Feministas, n. 24, jul-dez. Disponível (on-line) em https://www.labrys.net.br/labrys24/libre/maria%20rita.htm

COACCI, Thiago. (2014), “Encontrando o transfeminismo brasileiro: um mapeamento preliminar de uma corrente em ascensão”. História Agora nº 15, pp.134-161.

CORRÊA, Mariza. (1989), “Os Índios do Brasil Elegante & a Professora Leolinda Daltro”. Revista Brasileira de História, São Paulo, v.9, n. 18, pp. 43-65.

GRECO, Heloísa Bizoca. Helena Greco: direitos humanos/cidadania no binômio feminino/feminista. CARMO, Dinorah. O movimento de mulheres em Belo Horizonte: 1975: ano das precursoras. Em DUARTE, Constância Lima; CARMO, Dinorah; LUZ, Jalmelice (Orgs). Mulheres em Minas: lutas e conquistas. Belo Horizonte, Imprensa Oficial, 2008, p. 279-280.

GOMES, Carla; SORJ, Bila (2014), “Corpo, geração e identidade: a Marcha das vadias no Brasil”. Sociedade e Estado, Brasília, v.29, n.2, p.433-447.

GONZÁLEZ, Ana Isabel Álvarez (2010), As origens e a comemoração do Dia Internacional das Mulheres. São Paulo: Sempreviva Organização Feminista (SOF); Expressão Popular.

GROSSI, Miriam Pillar (1994), “Novas/velhas violências contra a mulher no Brasil”. Estudos Feministas, Disponível (on-line) em http://miriamgrossi.paginas.ufsc.br/files/2012/03/16179-49803-1-PB.pdf

LEITE, Miriam Lifchitz Moreira (1994), Outra face do feminismo: Maria Lacerda de Moura. São Paulo: Ática (Coleção: ensaios 112).

MARQUES, Gabriela Miranda; PEDRO, Joana Maria (2012). “O feminismo Riot: geração e conflito”. Labrys: Revista de Estudos Feministas, n. 22, jul./dez. Disponível (on-line) em: www.labrys.net.br/labrys22/libre/gabriela.htm

PINTO, Céli Regina Jardim (2003), Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 119 p. (Coleção História do Povo Brasileiro).

RAGO, Margareth. “Trabalho feminino e sexualidade” (2000), En: PRIORE, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000, p. 578-606.

RAGO, Margareth (2007), Feminismo e Anarquismo no Brasil: a audácia de sonhar. Rio de Janeiro: Achiamé.

RAGO, Margareth (2013), A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp.

RAGO, Margareth (2014), Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar e a resistência anarquista Brasil 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Coleção Estudos Brasileiros).

SCOTT, Joan (199), Gênero: “Uma Categoria Útil para Análise Histórica”. Educação e Realidade, Vol 16, nº 2, julho-dezembro, p. 5-22.

VIANA, Fábio Caim; CASAJEROS, Sandra Febbes; AZEVEDO JÚNIOR, Aryovaldo (2014), “A Marcha das Vadias: o corpo-signo da autonomia feminina na mídia”. Revista Communicare -- Dossiê Feminismo. Volume 14 -- Nº 1 -- 1º Semestre, p 120-131.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Dilemas - Revista de Estudos de Conflito e Controle Social

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

             

APOIO:    

SCImago Journal & Country Rank