Conflito urbano e comércio informal: Quadros da repressão e da tolerância aos camelôs na cidade do Rio de Janeiro (1983-2009)

Hernán Armando Mamani

Resumo


O artigo busca compreender os quadros sociais que explicaram e justificaram a expansão, a tolerância e a repressão no comércio informal no Centro do Rio de Janeiro entre 1983 e 2009. Com base em uma “cartografia” de notícias do jornal O Globo entre estes anos pretende-se identificar as arenas, conjunturas, atores e repertórios utilizados e reconhecer, na imprensa, termos e enquadramentos duráveis do conflito entre comerciantes e ambulantes, buscando identificar aqueles que predominam na definição da situação e sua mudança. As análises dispõem-se cronologicamente identificando a eclosão do problema (1983), sua estabilização no incentivo aos “camelódromos” (1984) e sua rotinização (1994). Em um segundo momento, trata da associação do comércio informal à “pirataria” (1999), à desordem urbana e à ilegalidade (2009).


Palavras-chave


mercados populares, comércio informal, conflito, ordem urbana, crime

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Dilemas - Revista de Estudos de Conflito e Controle Social

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

        

APOIO: 

SCImago Journal & Country Rank