O ‘Monstro' e o ‘Homem': Aspectos da construção institucional de mortos no Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro

Flavia Medeiros Santos

Resumo


Neste artigo apresento como foram realizados os procedimentos médico-legais e burocráticos em relação a dois cadáveres chegados ao Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro (IML): o “Monstro”, representado por Wellington Menezes de Oliveira, autor do chamado “Massacre de Realengo, e o “Homem”, um policial civil. Dessa maneira, demonstro como a forma que fora reconhecida nesses cadáveres determinada “pessoa” estabeleceu no IML a vida social dos mesmos. Também elucido como o tratamento dado aos cadáveres, aos seus corpos e às suas relações sociais expressam as formas nas quais os mortos são construídos por essa instituição da burocracia policial.

 

In the article The ‘Monster' and the ‘Man': Aspects of the Institutional Construction of the Dead at the Rio de Janeiro Institute of Forensic Medicine I present how forensic and bureaucratic procedures were conducted in relation to two corpses that arrived at the Rio de Janeiro Institute of Forensic Medicine (IML): the “Monster”, represented by Wellington Menezes de Oliveira, who committed the so-called “Realengo Massacre”, and the “Man”, a civil police officer. I therefore show how the way in which a certain “person” had been recognized in these corpses established the social life of those people at the IML. I also expose how the treatment given to the dead bodies and their social relations express the way in which the dead are constructed by this institution of police bureaucracy.


Key words: dead, Civil Police, bureaucracy, forensic medicine, Institute of Forensic Medicine


Palavras-chave


mortos, Polícia Civil, burocracia, medicina legal, Instituto Médico Legal

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Dilemas - Revista de Estudos de Conflito e Controle Social

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

             

APOIO: