“Não mais governos, nem rei!”: a literatura rebelde e libertária de Angelo Bandoni

Bruno Corrêa de Sá e Benevides

Resumo


Este artigo busca resgatar os textos poéticos confeccionados pelo militante anarquista de origem franco-italiana, Angelo Bandoni, durante os anos em viveu no Brasil, mais especificamente no Estado de São Paulo (1900-1947). Nesse sentido, por meio da leitura de poesias publicadas por Bandoni na imprensa libertária paulista, pretende-se ressaltar a importância concedida por este militante a esse gênero literário a partir da função que tais práticas exerceram enquanto estratégia de propaganda anárquica.


Palavras-chave


Angelo Bandoni. Propaganda anarquista; Poesia; Cultura Libertária; Anarquismo.

Texto completo:

PDF DOCX

Referências


Periódicos utilizados

Alba Rossa, São Paulo.

Germinal!, São Paulo.

Germinal, São Paulo.

Guerra Sociale, São Paulo.

La Battaglia, São Paulo.

La Propaganda Libertaria, São Paulo.

Palestra Social, São Paulo.

Referências bibliográficas

BENEVIDES, Bruno Corrêa de Sá e (2018a), A educação libertária como “nova tendência revolucionária”: as experiências pedagógicas de Angelo Bandoni, Revista Latino-Americana de História, vol. 7, n. 19, jan./jul.

______ (2018b), O Anarquismo sem adjetivos: a trajetória libertária de Angelo Bandoni entre propaganda e educação, Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

BIONDI, Luigi (2011), Classe e nação. Trabalhadores e socialistas italianos em São Paulo, 1890-1920. Campinas: Ed. Unicamp.

FEDELI, Ugo (1954), Gigi Damiani. Note biografiche: il suo posto nell’anarchismo. Cesena:L’Antitato.

FELICI, Isabelle (2009), Poésie d’un rebelle: Gigi Damiani. Poète, anarchiste, émigré (1876-1953). Lyon: Atlier de création libertaire.

GATTAI, Zélia (1994), Anarquistas, graças a Deus. Memórias, 2ª ed. Rio de Janeiro: Record.

HARDMAN, Francisco Foot (2003), Nem pátria, nem patrão: vida operária e cultura anarquista no Brasil. São Paulo: Brasiliense.

HOBSBAWM, Eric J (2012), A Era dos Impérios (1875 – 1914). 16ª ed. São Paulo: Paz e Terra.

KHOURY, Yara A. (1997), Edgard Leuenroth: Uma Vida e Um Arquivo Libertários. In: Revista Brasileira de História, ANPUH/Editora Unijuí, vol. 17, no. 33, p. 112-149.

______ (1988), Edgard Leuenroth: uma voz libertária. Imprensa, memória e militância anarco-sindicalista. Tese de doutorado em História. São Paulo, Universidade de São Paulo.

LEAL, Claudia Feierabend B (1999), Anarquismo em verso e prosa: literatura e propaganda na imprensa libertária em São Paulo (1900-1916). Dissertação de mestrado. Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP.

LEVY, Carl (1999), Gramsci and the Anarchist. New York: Berg.

NASCIMENTO, Rogério H. Z. (2000), Florentino de Carvalho. Pensamento social de um anarquista. Rio de Janeiro: Achiamé.

PERNICONE, Nunzio (2009), Italian Anarchism, 1864-1892. Oakland: AK Press.

PRADO, Antonio A. HARDMAN, Francisco Foot; LEAL, Claudia Feierabend Baeta. (Orgs) (2011); Contos anarquistas: temas e textos da prosa literária n Brasil (1890-1935). São Paulo: Martins Fontes.

REY, Didier (2008), Historique des migrations en Corse depuis 1789. In: PESTEIL, Ph (Org.); Histoire et mémoires des immigrations en région Corse. Corte: Université de Corse – Pascal Paoli.

ROMANI, Carlo (2013), História e historiografia do anarquismo italiano: das origens até 1907. Rede-A, [S.l.], v.3, n. 2, p. 3-23, jul/dez.

______ (2002), Oreste Ristori uma aventura anarquista. São Paulo: Annablume.

SAMIS, Alexandre (2009), Minha pátria é o mundo inteiro. Neno Vasco, o anarquismo e o sindicalismo revolucionário em dois mundos. Lisboa: Letra Livre.

VEGLIANTE, Jean-Charles (1996), Gli Italiani all’estero: Tome 4, Ailleurs, d’ailleurs. Paris: Presses Sorbonne Nouvelle.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Bruno Corrêa de Sá e Benevides