IMIGRAÇÃO E ANARQUISMO NO MOVIMENTO OPERÁRIO DURANTE A PRIMEIRA REPÚBLICA

Hamilton Santos

Resumo


O objetivo do presente artigo é analisar a influência da imigração europeia na formação do movimento operário brasileiro durante as primeiras décadas da Primeira República. Parte dos imigrantes europeus trouxe as ideias anarquistas de organização operária para o Brasil. A força do anarquismo no movimento operário brasileiro foi intensa. Setores mais combativos do movimento operário eram formados por militantes que, em sua maioria, eram oriundos do anarquismo, da tendência do sindicalismo revolucionário. O sindicalismo revolucionário foi a principal força sindical de resistência à opressão oriunda do incipiente capitalismo no Brasil. É importante conhecermos os alicerces do movimento sindical em nosso país, suas influências, através do estudo da formação da classe operária brasileira e suas estratégias de atuação.

Palavras-chave


imigração, anarquismo e movimento operário

Texto completo:

PDF DOCX

Referências


ADDOR, Carlos Augusto. (1986), A insurreição anarquista no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Ed. Dois Pontos.

______________________ e Deminicis, Rafael (organizadores). (2009), História do anarquismo no Brasil (2° volume). Rio de Janeiro: Achiamé.

ARENDT, Hannah. (1990), Da revolução. Brasília: EDUNB/Ed. Ática.

BANDEIRA JÚNIOR, Antonio Francisco. (1901), A indústria no estado de São Paulo. São Paulo: Editora Typ. Do Diário Official.

BAKUNIN, Michael Alexandrovich. (2014), Textos anarquistas. Porto Alegre: L&PM.

BANDEIRA, Moniz. (2004), O ano vermelho. São Paulo: Expressão Popular.

BATALHA, Cláudio H. M. (2009), Dicionário do movimento operário. São Paulo: Perseu Abramo.

_______________________. (2000), O movimento operário na Primeira República. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed..

BLOCH, Marc. (2001), Apologia da História ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores.

BOBBIO, Noberto; MATTEUCCI, N. e PASQUINO G. (1986), Dicionário de política. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

BOSI, Alfredo. (1992), Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras.

BOTTOMORE, Tom. (1988), Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

BRENER, Jayme. (1998), O jornal do século XX. São Paulo: Ed. Moderna.

CANELLAS, Antonio Bernardo. (1920), Viagem à Europa em missão da Federação de Resistência das Classes Trabalhadoras de Pernambuco, 21 de janeiro a 6 de setembro de 1919. Pernambuco.

___________________________. (1923), Relatório da delegacia à Rússia como representante do Partido Comunista do Brasil, acompanhado de uma exposição dos motivos que determinaram a minha demissão do C.C.E. do Partido. Rio de Janeiro : [s.n.].

CARONE, Edgard. O PCB – 1922/1943 (1° volume). Ed. Bertrand Brasil: São Paulo, 1ª Edição

_______________. (1989), Classes sociais e movimento operário. São Paulo: Ed. Ática.

_______________. (1982), Movimento operário no Brasil (1877-1944).São Paulo: Ed. DIFEL.

CARR, Edward Hallett. (1981), A Revolução Russa de Lênin a Stalin (1917-1929). Rio de Janeiro, Zahar Editores.

___________________. (1996), O que é História ? São Paulo: Ed. Paz e Terra.

CARVALHO, José Murilo de. (1987), Os bestializados: O Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia da Letras.

CHACON, Vamireh. (1981), História dos partidos políticos. Brasília: Ed. Universidade de Brasília.

CHILCOTE, M. (1982), Partido Comunista Brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. Graal.

CORRÊA, Felipe. (2011), Ideologia e estratégia: anarquismo, movimentos sociais e poder popular. São Paulo: Faísca Publicações Libertárias.

DEL PIORE, Mary (organizadora). (2007), História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto.

DIAS, Everardo. (1977), História das lutas sociais no Brasil. São Paulo: Editora Alfa-Omega.

DULLES, John W. F. (1977), Anarquistas e comunistas no Brasil: 1900-1935. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

FAUSTO, Boris. (2002), História concisa do Brasil. São Paulo: Edusp.

_____________. (1976), Trabalho urbano e conflito social. São Paulo: Difel.

FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucília Neves. (2004), O Brasil republicano (4° volume). Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira.

FERREIRA, Maria Nazareth. (1978), A imprensa operária no Brasil, 1880-1920. Petrópolis: Editora Vozes.

FERRO, Marc. (1984), O Ocidente diante da revolução soviética. São Paulo: Ed. Brasiliense.

FÜCHTNER, Hans. (1980), Os sindicatos brasileiros. Rio de Janeiro: Editora Graal.

FURTADO, Celso. (1985), Formação econômica do Brasil. São Paulo: Ed. Nacional.

GARAUDY, Roger. (1949), Les sources françaises du socialisme scientifique. Paris: Editeurs Réunis.

GATTAI, Zélia. (1988), Anarquistas, graças a Deus. Rio de Janeiro: Ed. Record.

GRAMSCI, Antonio. (1968), Maquiavel: a política e o estado moderno. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira.

HARDMAN, Francisco Foot. (2002), Nem pátria, nem patrão!. São Paulo: Ed. UNESP.

_______________________ e LEONARDI, Victor. (1991), História da indústria e do trabalho no Brasil: das origens aos anos 20. Rio de Janeiro: Ed. Ática.

HOBSBAWM, Eric. (1995), A era dos extremos. São Paulo: Ed. Companhia das Letras.

________________. (1983), História do marxismo I: o marxismo no tempo de Marx. São Paulo: Ed. Paz e Terra.

________________. (1982), História do marxismo II: o marxismo na época da Segunda Internacional. São Paulo: Ed. Paz e Terra.

________________. (1982), História do marxismo III: o marxismo da Terceira Internacional. São Paulo: Ed. Paz e Terra.

JÚNIOR, Caio Prado. (1966), A revolução brasileira. São Paulo: Ed. Brasiliense.

KONDER. Leandro. (2002), A questão da Ideologia. São Paulo: Ed. Companhia das Letras.

KROPOTKIN, Piotr Alexeyevich. (2011), A conquista do pão. Rio de Janeiro: Ed. Achiamé.

LEVAL, Gaston. (2009), Bakunin: fundador do sindicalismo revolucionário. São Paulo: Imaginário/Faísca.

LINHARES, Hermínio. (1977), Contribuição à história das lutas operárias no Brasil. São Paulo: Ed. Alfa-Omega.

LINHARES, Maria Yedda (organizadora). (1990), História geral do Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Campus.

LOPES, Milton. (2013), Crônica dos primeiros anarquistas no Rio de Janeiro (1888-1900). Rio de Janeiro: Ed. Achiamé.

LOWY, Michael (organizador.). (1999), O marxismo na América Latina: uma antologia de 1909 aos nossos dias. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo.

MALATESTA, Errico. (2009), Entre camponeses. São Paulo: Hedra.

__________________. (1989), Escritos revolucionários. São Paulo: Novos Tempos Editora.

MARAM, Sheldon Leslie. (1979), Anarquistas, imigrantes e o movimento operário brasileiro (1890-1920). Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra.

MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. (1997), O manifesto comunista: 150 anos depois. São Paulo: Ed. Contraponto.

_____________________________. (2002), A ideologia alemã. São Paulo: Editora Martins Fontes.

MENEZES, Lená Medeiros de. (1996), Os indesejáveis: desclassificados da modernidade. Rio de Janeiro: edUERJ.

OITICICA, José. (1983), A doutrina anarquista ao alcance de todos. São Paulo: Editora Econômica.

PEREIRA, Astrojildo. (1924), O processo de um traidor. Rio de Janeiro: PCB.

__________________. (2012), Formação do PCB. 3ª Ed., São Paulo: Anita Garibaldi.

__________________. (1923), Resolução sobre o relatório do delegado do P.C.B. ao IV Congresso da I.C., adotada em seção do 6.6.1923. Rio de Janeiro: PCB.

PROUDHON, Pierre Joseph. (1988), A propriedade é um roubo. Porto Alegre: L&PM.

_______________________. (1997), O que é a propriedade?. Lisboa: Estampa.

REIS FILHO, Daniel Aarão. (1991), História do marxismo no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra.

_______________________ e DEMICINIS, Rafael Borges (organizadores). (2006), História do anarquismo no Brasil. (1º volume). Niterói: edUFF : Rio de Janeiro: MAUAD.

_______________________ e MORAES, João Quartim de (organizadores). (2003), História do marxismo no Brasil: o impacto das revoluções (1° volume). Campinas: Editora da UNICAMP.

RÉMOND, René. (1981), O século XX: de 1914 aos nossos dias. São Paulo: Ed. Cultrix.

RODRIGUES, Edgard. (1969), Socialismo e sindicalismo no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Laemmert.

___________________. (1987), ABC do sindicalismo revolucionário. Rio de Janeiro: Ed. Achiamé.

___________________. (1979), Novos rumos. Rio de Janeiro: Ed. Mundo Livre.

___________________. (1979), Alvorada operária. Rio de Janeiro: Ed. Mundo Livre.

___________________. (1980), Socialismo, uma visão alfabética. Rio de Janeiro: Ed. Porta Aberta.

ROMANI, Carlo. (2002), Oreste Ristori: uma aventura anarquista. São Paulo: Annablume.

SALLES, Iza. (2005), Um cadáver ao sol. Rio de Janeiro: Ediouro.

SAMIS, Alexandre. (2002), Clevelândia: anarquismo, sindicalismo e repressão política no Brasil. São Paulo: Ed. Imaginário.

________________. (2009), Minha pátria é o mundo inteiro: Neno Vasco, o anarquismo e o sindicalismo revolucionário em dois mundos. Lisboa: Letra Livre.

________________ e RAMOS, Renato. (2009), Domingos Passos: o Bakunin brasileiro. São Paulo: Faísca Publicações Libertárias.

SANTANA, Marco Aurélio. (2001), Homens partidos. São Paulo: Boitempo Editorial.

SANTOS, Hamilton Moraes Theodoro dos. (2017), Anarquismo e a formação do Partido Comunista do Brasil. Rio de Janeiro: Rizoma Editorial.

SANTOS, Kauan Willian dos e Silva, Rafael Viana da (organizadores). (2018), História do anarquismo e do sindicalismo de intenção revolucionária. Curitiba: Editora Prismas.

SCHMIDT, Michael e VAN DER WALT, Lucien. (2009), BlackFlame: the revolutionary class politics of anarchism and syndicalism. Oakland: Ak Press.

SODRÉ, Nelson Werneck. (1966), A História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.

______________________. (1968), Fundamentos do materialismo histórico. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.

______________________. (1968), Fundamentos do materialismo dialético. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira.

THOMPSON, Edward Palmer. (1987), A Formação da Classe Operária Inglesa: A Árvore da Liberdade. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra.

TOLEDO, Edilene. (2004), Anarquismo e sindicalismo revolucionário: trabalhadores e militantes em São Paulo na Primeira República. São Paulo: Ed. Perseu Abramo.

ULAM, Adam B. (1976), Os bolcheviques. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira.

Vários autores. (1998), História da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea (4° volume). São Paulo: Ed. Companhia das Letras.

VINHAS, Maurício. (1970), Estudos sobre o proletariado brasileiro. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira.

WOODCOK, Geroge. (2002), História das ideias e dos movimentos anarquistas. Porto Alegre: L&PM.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Hamilton Santos