A sociedade operária vista pelos periódicos: As críticas dos periódicos anarquistas às habitações operárias em 1917

Roque Lemos Junior

Resumo


Resumo: As habitações da classe trabalhadora como testemunho da mudança nas relações de poder e luta de classe, além da percepção da figura do operário como um agente importante para a construção da cidade de São Paulo. Através da pesquisa histórica sobre o mundo operário, este trabalho também discorre sobre a luta da classe trabalhadora em busca de uma melhoria de qualidade de vida. As vilas se apresentam como uma ferramenta e objeto que nos possibilitam compreender todo o mundo operário, um mundo além das fábricas, sendo essas habitações um fenômeno arquitetônico, social, econômico e principalmente, político. Meu objetivo é proporcionar a compreensão dos fatos que nos indicam a transformação na relação entre operários e a sociedade.

Palavras chave: Operário, Habitação social, São Paulo, Jornal A Plebe.

Palavras-chave


Operário; , Habitação social, São Paulo, Jornal A Plebe

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Moniz. O ano vermelho: a Revolução Russa e seus reflexos no

Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

BEIGUELMAN, Paula. Os companheiros de São Paulo: Ontem e hoje, ed. Cortez, S.P., 200.

BATALHA, Cláudio Henrique de Moraes. O Movimento operário na Primeira República. Rio de Janeiro: Zahar, 2000. 78p (Descobrindo o Brasil). ISBN 8571105413.

BLAY, Eva Alterman. Eu não tenho onde morar: vilas operárias na cidade de São Paulo. São Paulo: Nobel, 1985.

BIONDI, Luigi. Entre Associações étnicas e de classe: os Processos de organização política e sindical dos trabalhadores italianos na cidade de São Paulo (1890-1920). Tese de Doutorado em História. Campinas: Unicamp, 2002.

BIONDI, Luigi; TOLEDO, Edilene. Uma revolta urbana: A greve geral de 1917 em São Paulo. Fundação Perseu Abramo, 2018.

BONDUKI, Nabil. Origens da habitação social no Brasil. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.

CAMPOS, Candido Malta. Os rumos da cidade: urbanismo e modernização em São Paulo. São Paulo: SENAC, 2002. 660 p. ISBN 857359254

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da Bélle Époque. São Paulo: Brasiliense, 1986.

DECCA, Maria Auxiliadora Guzzo. A vida fora das fábricas. São Paulo. Paz e Terra, 1986.

DECCA, Maria Auxiliadora Guzzo. Indústria, Trabalho E Cotidiano: Brasil – 1889 a 1930. São Paulo: Atual, 1991. – (História em documentos).

ENGELS, Friedrich. A questão da habitação. São Paulo: Ed. Acadêmica, 1988.

FAUSTO, Boris. Imigração e Política em São Paulo. Ed. Sumaré. São Paulo, 1995.

FAUSTO, Boris. Trabalho urbano e conflito social, 1890-1920. 4° ed. São Paulo. Difel, 1986.

FREITAS, Marcos César (org) Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo, Ed. Contexto.

FRANZINA, Federico (org.) História do trabalho e histórias da imigração: trabalhadores italianos e sindicatos no Brasil. São Paulo. Edusp/FAPESP, 2010.

HAHNER, June Edith. Pobreza e política: os pobres urbanos no Brasil - 1870/1920. Brasília, DF: EDUNB, 1993. 428 p. ISBN 8523003282.

HARDMAN, F. Francisco, LEONARDI, Victor. História da Indústria e do Trabalho no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Ática, 1991.

HARVEY, David. Cidades Rebeldes. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

KHOURY, Yara M. As greves de 1917 em São Paulo e o processo de organização proletária. São Paulo: Cortez, 1981.

KROPOTKIN, Piotr. A moral anarquista. Lisboa: Edições Sílabo, 2009.

KROPOTKIN, Piotr. Palavras de um revoltado. São Paulo: Imaginário, 2005.

LEMOS, Carlos A. C. Alvenaria Burguesa: breve história da arquitetura residencial de tijolos em São Paulo a partir do ciclo econômico liderado pelo café. São Paulo, Nobel, 1989.

LEMOS, Carlos A. C. História da casa brasileira. São Paulo: Contexto, 1989.

LEUENROTH, Edgard. Anarquismo: roteiro da libertação social. Rio de Janeiro: Editora Mundo Livre, 1963.

LOPREATO, Christina Roquette. O espírito da revolta: a greve anarquista de 1917. São Paulo. Annablume/Fapesp. 2000.

LOPREATO, Christina Roquette. O (des)encontro do Brasil consigo mesmo: ditos e escritos de Edgar Leuenroth. In: Verve, Revista do Núcleo de Sociabilização Libertária do Programa de estudos pós-graduados em Ciências Sociais da PUC: São Paulo, n°15, P. 201-221, 2009.

LOPREATO, Christina Roquette. Sobre o pensamento libertário de Kropotkin: indivíduo, liberdade, solidariedade. In: História & Perspectivas, Uberlândia, (27 e 28): pp. 557-572, 2003.

MARAM, Sheldon Leslie. Anarquistas, imigrantes e o movimento operário brasileiro 1890 – 1920. Ed. Paz e Terra S.A. Rio de Janeiro. 1979.

PAUTASSO, Diego. Como a Revolução Russa Influenciou o Brasil. Sputinik. São Paulo, p. 45-46. 09/2017.

PRADO JR., Caio. A cidade de São Paulo: Geografia e história. São Paulo:

Editora Brasiliense, 1983.

PROUDHON, P. J. A nova sociedade. Editora Rés. Porto, n/ d.

SEGAWA, Hugo. Prelúdio da Metrópole. São Paulo: Ateliê Editorial, 2004.

TOLEDO, Edilene; BIONDI, Luigi. Uma Revolta Urbana. A greve geral de 1917 em São Paulo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Roque Lemos Junior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.