Alcoolismo e Movimento Anarquista no Rio de Janeiro no Início do Século XX

Marco Antonio Arantes

Resumo


A finalidade do artigo é analisar as considerações anarquistas sobre o alcoolismo durante as duas primeiras décadas do século XX, no Rio de Janeiro. O alcoolismo, expressão de uma simbologia negativa do operário, era tratado como um obstáculo para a emancipação e conscientização da classe operária. Na perspectiva médica do período, a partir dos primeiros anos da república, o alcoolismo passou a ser estudado sob a ótica da eugenia e da higiene mental, que definiria o alcoolismo como doença e o alcoolista como doente. Tais campanhas antialcoólicas são problematizadas, tendo como referência as publicações anarquistas do período sobre o alcoolismo.


Palavras-chave


Anarquismo; Alcoolismo; Eugenia; Higiene Mental

Texto completo:

PDF

Referências


ADDOR, Carlos Augusto. (2002), A Insurreição Anarquista no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Achiamé.

ALODIO, José. (1919), Párias, despertai. In A Voz Operária. Campinas, ano 1, nº 2, 7 de setembro.

ARQUIVOS BRASILEIROS DE HIGIENE MENTAL. (1929), Trabalhos de Antialcoolismo. Ano 2, nº 1, pp. 12-16.

ASSOCIATION NATIONALE DE PRÉVENTION EM ALCOOLOGIE ET ADDICTOLOGIE (ANPAA). (2020) Disponível em https://www.anpaa.asso.fr/lanpaa/qui-sommes-nous/histoire, acessado e 23 de abril de 2020.

AZEVEDO, Noé. (1920), Dos Tribunais Especiais de Menores Delinquentes, p. 30.

A LANTERNA. (1913), 2º CONGRESSO Operário Brasileiro: mais algumas moções aprovadas. A Lanterna, ano 13, n. 221, p. 3.

_____________. (1914), A Lanterna no Amparo: a festa do natal. A Lanterna, ano 13, n. 224, p. 3.

_____________. (1915), A Religião na Sociedade Futura. A Lanterna, ano 14, n. 271, p. 2.

_____________. (1909), Bacanais: uma peregrinação piedosa. A Lanterna, ano 4, n. 4, p. 4.

_____________. (1912a), Capital e Trabalho. A Lanterna, n. 152, p. 3.

_____________. (1911), O Anticlericalismo. A Lanterna, ano 10, n. 101, p. 2.

_____________. (1912b), O Que Vai Pelo Mundo. A Lanterna, ano 12, n. 163, p. 2.

A VOZ OPERÁRIA. (1919), Operários Conscientes. Ano 1, nº 2, 7 de setembro.

A VOZ DO TRABALHADOR. (1922), Centros de Perdição. Ano 2, nº 35, 14 de outubro, p. 1.

_____________. (1913), É Preciso Reagir Contra a Carestia da Vida. Ano 6, nº 24, 1 de fevereiro.

_____________. (1909), A Classe dos Sapateiros. Ano 2, nº 18, 30 de setembro

_____________. (1913), Ação Popular: Campanha Contra a Carestia da Vida. Ano 6, nº 27, 15 de março.

_____________. (1909a), Alcoolismo e Loucura. Ano 1, nº 12, 1 de junho.

A VOZ OPERÁRIA. (1919), Boicote aos Produtos da Antarctica e Cia Souza Cruz. A Voz Operária, ano 1, n. 2, p. 5.

ALVORADA OPERÁRIA. (1979), Os Congressos Operários no Brasil: Primeiro Congresso Operário Brasileiro. Rio de Janeiro: Mundo Livre.

ARANTES, Erika. (2013), A Vida na Estiva: O cotidiano dos trabalhadores do porto do Rio de Janeiro nos primeiros anos do século XX, in Revista Trilhas da História. Três Lagoas, v.3, nº5 jul-dez, p.21-40.

ASSIS, Machado de. (1972), Relíquias da Casa Velha. São Paulo: Formar Ltda.

BARÃO, A. Movimento Operário: a arte da cantaria. In A Voz do Trabalhador, ano 1, nº 6, 29 de novembro de 1908.

BARRANCOS, Dora Beatriz. (1993), Os Últimos Iluminados: ciência para trabalhadores na Argentina de princípios do século. Vol. 1. Tese de Doutorado em História. Unicamp.

BARRETO, Lima. (1948), Clara dos Anjos. RJ/SP: Editora Mérito.

BERKMAN, Alexander. (2017), A Revolução Russa e o Partido Comunista. Revista Verve, 32: 82-127.

BERTUCCI, Liane Maria. (1992), Impressões Sobre a Saúde: a questão da saúde na imprensa operária (1891-1925). (Mestrado em História) – Unicamp.

CARRARA, Sérgio. (1998), Crime e Loucura : o aparecimento do manicômio judiciário na passagem do século / Sérgio Carrara. – Rio de Janeiro : EdUERJ ; São Paulo : EdUSP, (Coleção Saúde & Sociedade).

CARRILHO, Heitor. (1925), Considerações Sobre Profilaxia Mental e Delinquência. In Arquivos Brasileiros de Higiene Mental, ano 1, nº 1, pp.130-139.

CARVALHO, Alexandre Magno Teixeira de. (1999), Trabalho e higiene mental: processo de produção discursiva do campo no Brasil. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, v. 6, n. 1, p. 133-156.

_____________. (2002), Higiene e Eugenia: brevíssima genealogia da trama discursiva antialcoólica no Brasil. In Alarcon, S e Jorge, Mas (orgs). Álcool e Outras Drogas: diálogo sobre um mal-estar contemporâneo. Rio de Janeiro. Editora Fiocruz.

CASTRO. Edgardo. (2016), Vocabulário de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica Editora

CERRUTI, Isabel. (2018), O Triunfo da Anarquia: e outros ensaios. São Paulo: Biblioteca Livre.

CHALHOUB, S. (1996), Cidades febris. Companhia das Letras, São Paulo.

CONGRÈS DE DÉMOCRATIE CHRÉTIENNE, (1898), Le Droit du Peuple, nº 31, 3 setembro.

COSTA JR, Manuel Luiz da. (1913), Os Deserdados. In Terra Livre, ano 1, nº 19, 19 de junho.

COSTA, Jurandir Freire. (2007), História da Psiquiatria no Brasil: um corte ideológico. Rio de Janeiro: Garamond.

DELESALLE, Paul. (1899), L´Alcoolisme. In Les Temps Nouveaux. Ano 4, nº 50, 14 de abril.

DULLES, John. (1977), Anarquistas e Comunistas no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

EDLER, F.C. (1999), A Constituição da Medicina Tropical no Brasil Oitocentista: da climatologia à parasitologia médica. Tese de doutorado. Instituto de Medicina Social/UERJ, Rio de Janeiro.

FONTES, José Cupertinto Teixeira. (1883), Do Alcoolismo Crônico e suas Consequências. Tese (Doutorado) - Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

FOUCAULT, Michel. (2001), Os Anormais. São Paulo: Martins Fontes.

_____________. (1995), História da Loucura na Idade Clássica. Rio de Janeiro: Ed. Perspectiva.

FURETEUR, L. Um Cri D´alarme, (1913), La Cravache – Organe Hebdomadaire de Defese et d´education Ouvrière, nº 27, 21 jun.

GOLDMAN, Emma. (2015), Vivendo Minha Vida. Curitiba: L. Dopa.

HARDMAN, Francisco Foot. (1984), Nem Pátria, Nem Patrão (vida operária e cultura anarquista no Brasil). São Paulo: Brasiliense.

KIST, André Urban. (2018), Discurso Revolucionário na Greve Geral de São Paulo em 1917. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

JOANILHO, André. (1996), O Corpo de Quem Trabalha: estratégias para a construção do trabalhador. Londrina: Ed. UEL.

L´ACTION SYNDICALE: ORGANE HEBDOMADAIRE DES TRAVAILLERS DU PAS-DE-CALAIS ET DU NORD. (1907), Ano 5, nº 31, 18 outubro.

LIMA, Hermeto. (1914), O Alcoolismo no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

LIMA, Nísia Trindade & HOCHMAN, Gilberto. (2000), Pouca Saúde, Muita Saúva, os Males do Brasil são... Discurso Médico-Sanitário e Interpretação do País. Ciência & Saúde Coletiva, 5 (2), pp, 313-332.

LITVAK, Lily. (2017), A Musa Libertária: arte, literatura y vida cultural del anarquismo espanõl (1880-1913). Barcelona: Antonio Bosh.

LOPES, Carlos Augusto. (1944), Alcoolismo e Higiene Mental. Arquivos Brasileiros de Higiene Mental, ano XV, n. 1.

LOPES, Cunha. (1925), Profilaxia Social das Toxicomanias. Arquivos Brasileiros de Higiene Mental, Ano 1, nº 1, pp. 117-129.

LOPREATO, Christina da Silva Roquette. (1996), O Espírito da Revolta (a greve geral anarquista de 1917). (Doutorado em História) – Unicamp.

MANSANERA, Adriano Rodrigues & SILVA, Lúcia Cecília da. (2000), A influência das ideias higienistas no desenvolvimento da psicologia no Brasil. Psicol. estud. [online]. vol.5, n.1 [cited 2020-03-03], pp.115-137.

MARAM, Sheldon Leslie. (1979), Anarquistas, Imigrantes e o Movimento Operário Brasileiro, Rio de Janeiro: Paz & Terra.

MARINHO, Eustachio. (1920), Um Apelo. In A Voz do Trabalhador, ano 1, vol. 1, 2 de outubro, p. 3.

_____________. (1921), Eu Acuso. In A Voz do Trabalhador, ano 1, nº 23, 12 de março, p. 3.

MATTOS, Joaquim de. (1909). Lembrando e Protestanto. A Voz do Trabalhador, ano 2, nº 19, p. 3

MOREIRA, Juliano. (1925), A Seleção Individual de Imigrantes no Programa de Higiene Mental. In Arquivos Brasileiros de Higiene Mental. Ano 1, nº 1, pp. 109-115.

MOTA, André. (2003), Quem é Bom já Nasce Feito: sanitarismo e eugenia no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A.

MATTOS, Joaquim de. (1909), Lembrando e Protestando. In A Voz do Trabalhador, ano 2, nº 19, 30 de outubro.

OITICICA, José. (1915), As causas do Crime – Carta Aberta ao Dr. Marquês. In Na Barricada, 2 de setembro, ano 1, nº 13.

_____________. (1983), A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos. São Paulo: Econômica Editorial.

OLIVEIRA, Tiago Bernardon de. (2009), Anarquismo, Sindicatos e Revolução no Brasil (1906-1936). (Doutorado em História), UFF.

PENAFIEL, Carlos. (1925), O Elemento Psíquico no Trabalho Humano. In Arquivos Brasileiros de Higiene Mental. Ano 1, nº 2, pp. 11-26.

PIMENTEL, A de Serpa. (1902), Socialismo a Comte. In O Amigo do Povo. Ano 1, nº 4, 24 de maio, p. 1.

PORTOCARRERO. Vera. (2002), Arquivos da loucura: Juliano Moreira e a descontinuidade histórica da psiquiatria [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, Loucura & Civilização Collection, v.4.

RAGO, Margareth. (2007), Anarquismo e Feminismo no Brasil: a audácia de sonhar. Rio de Janeiro: Robson Achiamé.

_____________. (1985), Do Cabaré ao Lar- a utopia da cidade disciplinar. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

RAUTER, Cristina. (2003), Criminologia e subjetividade no Brasil. Rio de Janeiro: Revan.

REIS, José Roberto Franco. (1994). Higiene Mental e Eugenia: o projeto de "regeneração

nacional" da Liga Brasileira de Higiene Mental (1920-300). (Dissertação em História). Unicamp.

REZENDE, Gustavo de. (1925), Resenhas e Análises, in Arquivos Brasileiros de Higiene Mental. Ano 1, nº 2, pp. 105-110.

ROXO, Henrique Belford. (1925), Trabalhos Originais: Higiene Mental. In Arquivos Brasileiros de Higiene Mental, ano 1, nº2.

SALES, Eliana. (2010), Aspectos da História do Álcool e do Alcoolismo no Século XIX. Cadernos de História – UFPE, Ano VII No 7.

SAMIS, Alexandre. (2008), O Anarquismo no Brasil, in História do Anarquismo. São Paulo: Editora Imaginário.

SANT´ANNA, Álvaro de. (1920), Os Conscientes, in A Voz do Trabalhador, ano 1, vol. 1, 2 de outubro, p. 4.

SANTOS, Fernando Sergio Dumas dos; VERANI, Ana Carolina. (2010), Alcoolismo e medicina psiquiátrica no Brasil do início do século XX. História, ciências, Saúde - Manguinhos, Vol 17, supl. 2, p. 400-420.

SANTOS, Hamilton. (2019). Imigração e Anarquismo no Movimento Operário Durante a Primeira República. Revista de Estudos Libertário, UFRJ, Vol. 1, nº 2, pp.1-33.

SOARES, Primitivo. (1914), Vinganças Burguesas. In A Rebelião. Ano 1, nº 1, 1 de maio.

THOMAS, JOSÉ JULIÁN LLAGUNO. (2017), Ação Local e Audiência Global: a presença anarquista na américa central segundo suas fontes documentais (1910-1930). verve, 31: 63-96.

TOLSTOI, Leon. (1946), Why Do Men Stupefy Themselves? In Recollections & Essays, Geoffrey Cumberlege, Oxford University Press, London New York Toronto.

TOULOUSE. (1912), Les crimes nouveaux et l'idée anarchique, in: Demain : "efforts de pensée et de vie meilleures" : organe d'hygiène intégrale pour la conduite de la vie [...], 25 de Maio.

VASCO, Neno. (1913), Observação Cotidiana, in Almanaque A Aurora.

_____________. (1915), O Papel das Juventudes. In Jornal “A Aurora”, 01 de agosto.

_____________. (1919), A Casa dos Trabalhadores e as Oito Horas. In A Batalha, ano 1, nº 228, 14 de outubro.

_____________. (1916), Noções Rudimentares Sobre Amor Livre, in A Sementeira, 2º série, nº 5, maio.

VELLOSO, Mônica Pimenta. (1988), As Tradições Populares na “Belle Époque” carioca. Rio de Janeiro: FUNARTE.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Estudos Libertários

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.