RETOMAR 2013: Ação Direta e Trabalho de Base como Práticas de Resistência

Federico Venturini

Resumo


Primeiramente, considero o conceito de ação direta conforme definido na literatura e como foi posto em prática no Rio de Janeiro na forma de ação direta militante. As manifestações de rua assumiram um papel político crescente desde junho de 2013 e enfrentaram forte repressão policial. A necessidade de resistir a essa violência repressiva forçou os movimentos sociais urbanos a implementarem uma nova ação direta militante. Por todo o Brasil, assistimos o surgimento da tática Black Bloc como resposta à violência policial. Procuro desconstruir a criminalização da ação direta militante e ofereço, em oposição, uma interpretação das ações como ‘direito de resistência’. Em seguida, complemento essa interpretação introduzindo o conceito de contra-violência emancipatória coletiva, que me permite explorar as táticas adotadas pelos movimentos sociais urbanos no Brasil para além de um discurso de legalidade e direitos. Depois disso, exploro a práxis do trabalho de base, que é o fundamento das ações dos movimentos sociais urbanos, e explico como ele pode ser entendido como uma forma particular de ação direta com o objetivo de “preencher as lacunas do Estado”. Concluo com uma reflexão geral sobre como avançar nas teorias da ação direta e da violência, me inspirando nas práticas e nos discursos introduzidos pelos movimentos sociais urbanos no Rio de Janeiro.

Palavras-chave


ação direta; anarquismo; resistência; black bloc; violência

Texto completo:

PDF

Referências


ACME Collective. (1999) N30 Black Bloc Communique. Disponível em: http://www.urban75.com/Action/seattle9.html Acessado em: 10/01/2016.

ALINKSY, S. (1971) Rules for Radicals: A Practical Primer for Realistic Radicals. New York: Random House.

BEST, S. (2012) The Revolutionary Implications of Animal Standpoint Theory. State of Nature: An Online Journal of Radical Ideas. Disponível em: http://www.stateofnature.org/?p=4904 Acessado em: 19 June 2015.

BEST, S. (2014) The Politics of Total Liberation: Revolution for the 21st Century. London: Palgrave Macmillan.

BOFF. (1984) Como Trabalhar com o Povo. Coleção fazer.

BOOKCHIN, M. (1988) Toward an Ecological Society. Montreal: Black Rose Books.

BOOKCHIN, M. (2004) Post-Scarcity Anarchism. Oakland: AK Press.

BOOKCHIN, M. (2005) The Ecology of Freedom. Oakland: AK Press.

BOOKCHIN, M. (2015) The Next Revolution. London: Pluto Press.

CAVA, B. (2013) A Multidão Foi ao Deserto: As Manifestações no Brasil em 2013 (Jun. a Out.). Rio de Janeiro: Annablume.

CAVA, B.; COCCO, G. (2014) Amanhã Vai Ser Maior: O Levante da Multidão no Ano que Não Terminou. Rio de Janeiro: Annablume.

CASTELLS, M. (1983) The City and the Grassroots: a Cross-cultural Theory of Urban Social Movements. London: Edward Arnold.

CHATTERTON, P. (2006) ‘Give up Activism’ and Change the World in Unknown Ways: Or, Learning to Walk with Others on Uncommon Ground. Antipode. 38(2), p. 259-281.

CONTROPIANO. (2013) Il Grido dei No Tav: ‘Siamo Tutti Terroristi’. Contropiano. Disponível em: http://contropiano.org/articoli/item/18277 Acessado em: 3/8/ 2015.

CORNELL, A. (2012) White Skins, Black Masks: Marxist and Anti-racist Roots of Contemporary US Anarchism. Em: Prichard, A. et al. (eds.) Libertarian socialism: Politics in Black and Red. New York, Palgrave Macmillan, p. 167-186.

CRIMETHINC. ex-Workers’ Collective. (2004) Recipes for a Disaster. Winnipeg: Hignell Book Printing.

DÁVALOS, P. (2011) Violencia y Poder en el Posneoliberalismo. America Latina em Movimento. 22 September. Disponível em: http://www.alainet.org/es/active/49618#sthash.XFMkGlzM.TeTLEiX3.dp Acessado em 5/5/ 2015.

DAY, R. J. (2005) Gramsci is Dead: Anarchist Currents in the Newest Social Movements. London: Pluto Press.

FREIRE, P. (1983) Para Trabalhar com o Povo. São Paulo: Centro de Capacitação da Juventude.

GOHN, M. G. (2014) A Sociedade Brasileira em Movimento: Vozes das Ruas e Seus Ecos Políticos e Sociais. Em: Cad. CRH. 27(71), p. 431-441.

GORDON, U. (2008) Anarchy Alive!: Anti-authoritarian Politics from Practice to Theory. London: Pluto Press.

GRAEBER, D. (2009) Direct Action: An Ethnography. Oakland: AK Press.

GRAEBER, D. (2013) The Democracy Project: A History, a Crisis, a Movement. London: Penguin Books.

HANSEN, A. (2002) Direct Action: Memoirs of an Urban Guerrilla. Oakland: AK Press.

HARVEY, D. et al. (eds.) (2012) Occupy: Movimentos de Protesto que Tomaram as Ruas. São Paulo: Boitempo.

HAZEN, J. M. (2009) From Social Movement to Armed Group: A Case Study from Nigeria. Contemporary Security Policy. 30(2), p. 281-300.

JASPER, J. (2014) Protest: A Cultural Introduction to Social Movements. Cambridge: Polity Press.

JBL. (2015) Por que os Anarquistas ainda Estão na FIP? Jornal Bandera Preta. 10 February, 2015. Disponível em: http://jornalbandeirapreta.noblogs.org/?p=69 Acessado em: 10/12/ 2015.

JENNINGS et al. (eds.) (2014) Brasil em Jogo. São Paulo: Boitempo.

JORNAL A NOVA DEMOCRACIA. (2013) Entrevista: Professor Nilo Batista Fala Sobre Protestos, Violência Policial e Prisões Políticas. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DrDPEFWhoWM Acessado em:19/05/2015.

JURIS, J. S. (2005) Violence Performed and Imagined Militant Action, the Black Bloc and the Mass Media. Genoa. Critique of Anthropology. 25(4), p. 413-432.

KATSIAFICAS, G. (2006) The Subversion of Politics: European Autonomous Social Movements and the Decolonization of Everyday Life. Oakland: AK Press.

KUYMULU, M. B. (2013) The Vortex of Rights: ‘Right to the City’ at a Crossroads. International Journal of Urban and Regional Research. 37(3), p.923-940.

LOCATELLI, P. ; VIEIRA, W. (2013) O Black Bloc Está na Rua. Carta Capital. XVIII (760), p. 22-26.

MALATESTA, E. (1921) Self Defence. Umanità Nova. Disponível em: https://bristolaf.files.wordpress.com/2010/08/anarchism-and-violence.pdf Acessado em 13/09/ 2015.

MANSO, B. P. ; ZANCHETTA, D. (2013) A Revolta do Gás Lacrimogêneo (em Sete Capítulos) Estadão. 22 June. Disponível em: http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,a-revolta-do-gas-lacrimogeneo-em-setecapitulos,1045716 Acessado em: 19/05/2015.

MELLON, J. (2007) Tompkins Square Riot. In: PATTERSON, C. Resistance: A Radical Political and social History of the Lower East Side. New York: Seven Stories Press. p. 344-347.

MELUCCI, A. (1996) Challenging Codes: Collective Action in the Information Age. Cambridge: Cambridge University Press.

MILSTEIN, C. (2010) Anarchism and its Aspirations. Oakland: AK Press.

MORGENSTERN, F. (2015) Por trás da Máscara. Rio de Janeiro: Editora Record.

NADDEO, A. (2013) Sindicato de Professores Apoia Black Blocs e Quer Autodefesa. Terra. 9 October, 2013. Disponível em: http://noticias.terra.com.br/educacao/rj-sindicato-de-professores-apoia-black-blocse-quer-autodefesa,b82227a531f91410VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html Acessado em: 05/07/2015.

NOTES FROM NOWHERE. (2003) We Are Everywhere: The Irresistible Rise of Global Anticapitalism. London: Verso.

ORTELLADO, P. (2014) Os Black Blocs e a violência. In: SOLANO, E. Bruno Paes Manso; NOVAES, W. Mascarados: A Verdadeira Historia dos Adeptos da Tática Blac Bloc. São Paulo: Geração Editorial, p. 281-287.

PADILHA, J. (Diretor) (2002). Ônibus 174 [DVD]. 133 min. Rio de Janeiro: Riofilme.

SAFATLE, V. (2010) Do Uso da Violência Contra o Estado Ilegal. In: TELES, E.; SAFATLE, V. (eds.) O que resta da ditadura. São Paulo: Boitempo, p. 237-252.

SECCO, L. (2013) O Direito à Violência. Boitempo blog. Disponível em: http://blogdaboitempo.com.br/2013/12/05/o-direito-a-violencia Acessado em: 19/05/2015.

SOLANO, E. et al. (2014) Mascarados: A Verdadeira Historia dos Adeptos da Tática Black Bloc. São Paulo: Geração Editorial.

SOLNIT, R. (2004) Hope in the Dark: Untold Histories Wild Possibilities. New York: Nation Books.

STARHAWK. (2001) Quebec City: Beyond Violence and Nonviolence. Disponível em: http://starhawk.org/Activism/activism%20writings/2001- 05- Quebec%20City/Quebec%20City%20Beyond%20Violence%20and%20Nonviolence .pdf Acessado em: 19/06/ 2015.

THE BARBARIANS. (2014) Tactics. The Barbarian Review. 1, p. 6-20.

THOMPSON, A. K. (2010) Black Bloc, White Riot: Anti-globalization and the Genealogy of Dissent. Oakland: AK Press.

TOMAZINE, E. (2014) Não Vai Ter Protesto: Evolução Tática da Repressão Durante a Copa. 4 July. Blog da Boitempo. Disponível em: http://blogdaboitempo.com.br/2014/07/04/nao-vai-ter-protesto-evolucao-tatica-darepressao-durante-a-copa/ Acessado em: 19/06/2015.

TRAPESE COLLECTIVE. (2007) Do it Yourself: A Handbook for Changing Our World. London: Pluto Press.

WALL, D. (1999) Earth First! and the Anti-roads Movement: Radical Environmentalism and Comparative Social Movements. London: Routledge.

WAHLSTRÖM, M. (2011) Taking Control or Losing Control? Activist Narratives of Provocation and Collective Violence. In: Social Movement Studies. 10(4), p. 367-385.

UNIVERSIDADE POPULAR E MOVIMENTO DOS TRABALHADORES DESEMPREGADOS-RJ. (2009) Capitalismo, Anticapitalismo e Organização Popular. Rio de Janeiro: WordPress. Disponível em: https://www.anarquista.net/wp-content/uploads/2018/08/Capitalismo-Anticapitalismo-e-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Popular.pdf Acessado em: 13/07/2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Estudos Libertários

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.