DEIXA FALAR: UMA PROPOSTA QUILOMBISTA

Carlos Augusto da Conceição Junior

Resumo


O presente artigo tem como objetivo fazer uma reflexão acerca da escola de samba enquanto um quilombo. Ou seja, um espaço de sociabilidade entre os negros e negras, onde os mesmos têm a liberdade, que é privada pelo Estado, de exercer suas atividades culturais de forma segura, sem precisar se preocupar em sofrer represália da polícia a serviço do Estado. A escola de samba aqui pode ser pensada a partir das contribuições de Antônio Candeia e Abdias Nascimento como espaço de socialização de pessoas que são perseguidas diariamente pelo Necro-Racista-Estado, conceito também desenvolvido aqui. O objeto abordado será a fundação da Deixa Falar, o que viria ser a primeira Escola de Samba, tendo como principal fundador o Ismael Silva, no bairro Estácio de Sá, na cidade do Rio de Janeiro em 1928, com o intuito dos sambistas do Estácio poderem brincar o carnaval sem precisar entrar em conflito com a polícia.

Palavras-chave


Escola de samba; Sociabilidade; Deixa falar; Quilombo; Necro-Racista-Estado

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. (2011). Histórias musicais da Primeira República. Artcultura, 13(22). Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/14016.

ABREU, Martha; DANTAS, Carolina Vianna. Músi¬ca popular, identidade nacional e escrita da histó¬ria. Textos escolhidos de cultura e arte populares, Rio de Janeiro, v.13, n.1, p. 7-25, mai. 2016.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: O contexto de François Rabelais. São Paulo: HUCITEC, 1987.

BARROS, José D’Assunção. História e música - Considerações sobre suas possibilidades de interação. História & Perspectivas, Uberlândia (58); 25-39, jan./jun. 2018.

BURKE, Peter. História e teoria social. 2° ed. SP: ed. Unesp, 2012.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: O cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da belle époque. 2° edição, Campinas - SP: Editora da Unicamp, 2001.

CANDEIA, Antônio & Isnard. Escola de Samba: a árvore que esqueceu a raiz. RJ: Lidador – SEEC – 1978.

CARINO, João & CUNHA, Diogo. Geografia da música carioca. 2° ed. – Niterói – RJ: Muriqui Livros, 2016

CUNHA, Maria Clementina Pereira. Ecos da folia: Uma história social do carnaval carioca entre 1888 e 1920. SP: Companhia das letras, 2001.

DA MATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Herois. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DA CONCEIÇAO JR, Carlos Augusto. Geraldo Gamboa: Samba e resistência na Ditadura Militar em Campos dos Goytacazes. Rio de Janeiro: Trabalho de Conclusão de Curso, UFF, 2017.

DE MORAES, Wallace. As origens do Necro-Racista-Estado no Brasil – Crítica desde uma perspectiva decolonial e libertária. Revistas Estudos Libertários – REL (UFRJ) Vol. 2 n° 6. 2° sem/2020

FERNANDES, Leonardo. Além do samba: a música negra nas Américas no período pós-abolição. Ciência e Cultura. vol 70, n.4, SP, Oct/Dec 2018.

LINS, Paulo. DESDE QUE O SAMBA É SAMBA. São Paulo: Planeta, 2012.

LOPES, Nei & SIMAS, Luiz Antonio. Dicionário da História Social do Samba. 1° ed. RJ: Civilização Brasileira, 2015.

SOARES, Maria Thereza Mello. São Ismael do Estácio: O sambista que foi rei. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1985

NASCIMENTO, Abdias. Quilombismo: Documentos de uma militância pan-africanista. Petrópolis - RJ: Editora Vozes, 1980

NOGUEIRA, Carlos. Samba, Cuíca e São Carlos. Rio de Janeiro: Editora Oito e Meio, 2014.

RANGEL, Lúcio. Sambistas e Chorões. São Paulo: IMS, 2014


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Revista Estudos Libertários

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.