A imagem da bruxa em contos infantis: a inveja como elemento mobilizador do imaginário do medo na literatura

Luiza Liene Bressan, Pricila Furlan Borghezan, Heloisa Juncklaus Preis Moraes

Resumo


Este artigo apresenta uma discussão sobre a imagem da bruxa em três contos de fadas (Branca de Neves e os Sete Anões, A Bela e a Fera, Rapunzel), confrontando-a com a expressão do mal a partir da imagem feminina. Para o embasamento teórico, recorreremos à teoria do Imaginário, desenvolvida por Durand (1996, 2012) que expressa que as imagens constituem um museu que orienta o percurso antropológico. Como metodologia de trabalho, utilizamos a mitodologia, método próprio, desenvolvido por Durand (1996), para empreender a análise das imagens. A análise foi desenvolvida a partir da imagem expressa nos contos que fazem parte deste estudo e que revelam os estereótipos femininos a partir da distorção da imagem, pois a mesma sempre foi presença constante na literatura infantil desde o seu surgimento, no século XVIII, com a adaptação dos contos maravilhosos para a criança burguesa. Caudatárias de mitos primordiais, essas histórias passaram a compor o imaginário do ser humano de todos os tempos e das mais diversas culturas. Concluídas as análises, compreende-se que a imagem da bruxa se faz presente no imaginário de todos os tempos e a inveja é elemento mobilizar desta construção imaginal.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Vera Teixeira de. Leitura literária e escola. In: EVANGELISTA, Aracy Alves Martins; BRANDÃO, Heliana Maria Brina; MACHADO, Maria Zélia Versiani (Org.). Escolarização da leitura literária: o jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

ARAÚJO, Alberto Filipe; ALVERNE, Iduína Mont’. Educar para a imaginação. Revista Memorare, [S.l.], v. 4, n. 2-II, p. 73-105, ago. 2017. ISSN 2358-0593. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2018.

AZEVEDO, Fernando. Da luta entre o bem e o mal, as crianças são sempre vencedoras. In: AZEVEDO, Fernando (org). Infância, memória e imaginário: ensaios sobre literatura infantil e juvenil. Braga: CIFPEC Universidade do Minho, 2010.

BABO, Carolina Chamizo Henrique. Era uma vez: a reinvenção dos contos de fadas. Curitiba: Appris, 2016.

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos. Ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins e Fontes, 2016.

BARROS, Ana Taís Portanova. Comunicação e imaginário – uma proposta mitodológica. Intercom- Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. São Paulo: vol.33, nº 2, p.125-143, jul./dez. 2010.

BEAUMONT, Jeanne-Marie Leprince de. A Bela e a Fera. São Paulo: Editora Poetisa, 2016.

BETTELHEIM, B. A Psicanálise dos contos de fadas. 8ed. São Paulo: Paz e Terra, 1980.

CAGNETI, Sueli de Souza. Livro que te quero livre. Rio de Janeiro: Nórdica, 1996.

COELHO, Nelly Novaes. O Conto de Fadas: símbolos, mitos, arquétipos. São Paulo: DCL, 2003.

______. Literatura e Linguagem: a obra literária e a expressão linguística. São Paulo: Edições Quíron, 1986.

______. Panorama Histórico da Literatura Infantil/Juvenil. 4 ed. São Paulo: Ática, 1991.

CUNHA, Maria Antonieta Antunes. Literatura Infantil: Teoria e prática. 18 ed. São Paulo: Ática, 1999.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

______. Campos do Imaginário. Textos reunidos por Danièle Chauvin. Grenoble: Ellug, 1996.

ESTES, Clarissa Pinkola. Contos dos Irmãos Grimm. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

FRANZ, Marie-Louise Von. A Interpretação dos Contos de Fada. 3. ed. Trad. Maria Elci Spaccaquerque Barbosa. São Paulo: Paulus, 1990.

GABORIT, Lydia; GUESDON, Yveline; CAPORAL, Myrian Boutrolle. As feiticeiras. In: BRUNEL, Pierre (Org.). Dicionário de Mitos Literários. Rio de Janeiro: UnB/José Olympio Editora, 1997.

GUTFREIND, C. Contos e desenvolvimento psíquico. Viver Mente & Cérebro, 13, 142, 24-29, 2004.

MORAES, Heloisa Juncklaus Preis. Sob a perspectiva do imaginário: os mitos como categoria de estudos da cultura e da mídia. In: FLORES, Giovanna G. Benedetto; NECKEL, Nádia Régia Maffi; GALLO, Solange Maria Leda (orgs). Análise de Discurso em rede: cultura e mídia. v.2. Campinas: Pontes, 2016.

MORAES, Heloisa Juncklaus Preis; BRESSAN, Luiza Liene; OSNILDO, Reginaldo. O medo no imaginário e o imaginário do medo. Revista Memorare, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 192-206, ago. 2017.

PITTA, Danielle P. Rocha. Iniciação à teoria do Imaginário de Gilbert Durand. Rio de Janeiro: Atlântica, 2005.

SANTOS, Marcos Ferreira; ALMEIDA, Rogério de. Aproximações ao Imaginário. Bússola de investigação poética. São Paulo: Képos, 2012.

SHARP, D. Léxico junguiano: dicionário de termos e conceitos. São Paulo: Cultrix, 1997.

SILVEIRA, Danieli Munique Fontes da. O arquétipo da Grande Mãe na representação da bruxa em contos fantásticos hispânicos. 138 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, 2015. Disponível em: .

TEIXEIRA, Maria Cecília Sanchez. Gilbert Durand: imaginário e educação. Niterói: Intertexto, 2013.

TURCHI, Maria Zaira. Literatura e Antropologia do Imaginário. Brasília: Editora UnB, 2003.

WIKIPEDIA. A Bela e a Fera. Disponível em:

http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Bela_e_a_Fera. Acesso em: 15 outubro. 2016.

WUNENBURGER, Jean-Jacques. O imaginário. São Paulo: Loyola, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.