INTER: REVISTA DE DIREITO INTERNACIONAL E DIREITOS HUMANOS DA UFRJ


Imagem para capa da revista

Notícias

 
Nenhuma notícia publicada.
 
Outras notícias...

v. 2, n. 2 (2019)

A questão que se coloca nesse início de século XXI é se efetivamente a Declaração Universal dos Direitos Humanos e, com ela, todo o sistema de proteção universal dos direitos humanos erigido pelas Nações Unidas, inaugurou uma nova fase do direito internacional.

A princípio, parece que uma primeira mudança que se operou foi efetivamente a colocação do indivíduo na posição de sujeito de direitos e deveres, ao mesmo tempo em que o direito internacional passou a proteger juridicamente um novo ente, ora denominado humanidade.

Essa apreensão da humanidade pelo direito internacional pode ter produzido um fenômeno de dupla dimensão: de um lado, a juridicização do conceito de humanidade é transformadora do próprio conceito – de um conceito filosófico e metafísico para um conceito jurídico; de outro lado, o direito internacional começa a passar por um processo de humanização propiciado pelo rompimento de algumas de suas bases herdadas do pilar da concepção de soberania do Estado – de um direito internacional clássico para um novo direito internacional.

As mudanças no conceito de humanidade e da própria concepção do direito internacional são obra de todos esses acontecimentos sociais contemporâneos ao processo, que passaram a exigir a proteção do ser humano na cena internacional e a imposição de limites à razão de Estado.

As atrocidades que marcaram o fim do século XIX e a primeira metade do século XX acabaram por despertar “a consciência jurídica universal para a necessidade de reconceitualizar as próprias bases do ordenamento jurídico internacional”[1].

Esse direito internacional nasce de um corpo de princípios e de costumes e transforma-se pouco a pouco em uma ordem jurídica convencional, encontrando um desenvolvimento sem precedentes desencadeado pela Declaração universal dos direitos humanos.

Neste septuagésimo primeiro aniversário da Declaração de Direitos, a Revista Inter orgulhosamente publica seu terceiro número com estudos que contemplam “novos olhares” e reflexões sobre os Direitos Humanos, no plano doméstico e no sistema internacional. Desejamos uma ótima leitura!

 

Prof. Dr. Sidney Guerra

Editor da Inter – Revista de Direito Internacional e Direitos Humanos da UFRJ

 


[1] CANÇADO TRINDADE, Antônio Augusto. A humanização do direito internacional. Belo Horizonte: Del Rey, 2006, p. 111.

Sumário

ARTIGOS

Getúlio Nascimento Braga Junior
PDF
Andrea Vergara da Silva, Jaime de Carvalho Leite Filho
PDF
Leonardo Felipe de Oliveira Ribas
PDF
Felipe Klein Gussoli
PDF
Amanda Carolina Buttendorff Rodrigues Beckers, Daniela Maria Pinheiro, Luís Alexandre Carta Winter
PDF
Tatiana Cardoso Squeff, Julia Melo Sebben
PDF
Janny Carrasco Medina
Denis De Castro Halis
PDF
Alberto Rodrigues Roda
PDF

CONVIDADOS

Sergio Córtes Beltrán
Mario Peña Chacón