A METODOLOGIA ATIVA E O ENSINO DO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO LITIGIO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO

Eduardo Biacchi Gomes, Ane Elise Bransalise Gonçalves

Resumo


O presente trabalho visa encontrar possibilidades de aclarar questões e noções que ainda parecem circundar os profissionais e estudantes do ensino superior no que tange ao estudo do Direito Internacional Público. Outrossim, com foco igualmente no papel do docente, cuida de pontos positivos e negativos encontrados no ensino do Direito Internacional Público. A hipótese inicial é a de que a metodologia ativa é uma opção viável e com êxito na formação de futuros profissionais, aptos a atuar em um mundo cada vez mais globalizado e com maiores exigências. Mais especificamente, o trabalho encontra foco no estuda o uso do litígio estratégico nesse processo de ensino, esclarecendo o que é e como ele pode ser aplicado em sala de aula, a exemplo maior do uso de estudos de caso. O trabalho valeu-se da revisão bibliográfica sobre o ensino do Direito Internacional Público e sobre a metodologia ativa, bem como faz menção à prática cotidiana vivida pelos pesquisadores docentes.


Palavras-chave


Metodologia ativa. Direito Internacional Público. Litígio Estratégico.

Texto completo:

PDF

Referências


ARREOLA, Guillermo Nieto; GUÍZAR, Luis Alejandro Coutiño. Control difuso de convencionalidad en México: Metodología teórica y práctica. 2016.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL, Ministério da Educação (MEC). Portaria n° 1.351, publicada no D.O.U. de 17/12/2018. Disponível em:

. Acesso em: 22 dez 2018.

CARVALHO, Sandra; BAKER, Eduardo. Experiências de litígio estratégico no sistema interamericano de proteção dos direitos humanos. SUR, Revista Internacional de Direitos Humanos. 20ª ed. Jun/Dez 2014. Disponível em: . Acesso em: 02 out 2018.

CASELLA, Paulo Borba; ACCIOLY, Hidelbrando; SILVA, Geraldo E. N.. Manual de direito internacional público. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

DEMO, P. Professor do futuro e reconstrução do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2004.

FREEMAN, Scott et alii. Active learning increases student performance in science, engineering, and mathematics. PNAS – Proceedings of National Academy of Sciences of United States of America, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 set 2018.

GEMIGNANI, Elizabeth Yu Me Yut. Formação de Professores e Metodologias Ativas de Ensino Aprendizagem: Ensinar Para a Compreensão. Revista Fronteira das Educação [online], Recife, v. 1, n. 2, 2012.

GONÇALVES JUNIOR, Paulo Roberto. Advocacia estratégica na advocacia-geral da união: instrumento para a efetivação da carta republicana, 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 out 2018.

MARTINS, Evandro Silva. A etimologia de alguns vocábulos referentes à educação. Revista Olhares e Trilhas. Uberlândia, Ano VI, n. 6, p. 31-36, 2005.

MENEGOLLA, M.; SANT’ANNA, I.M. Por que planejar, como planejar?: currículo-área-aula. 11º ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

MIRANDA, Jorge. Curso de Direito Internacional Público. 3ª ed., rev., e atual. Portugal, Estoril: Ed. Princípia, 2006.

MOURA, C. R. O Instituto Rio Branco e a diplomacia brasileira. Um estudo de carreira e socialização, Rio de Janeiro, FGV, 2007.

NUNES, Ana Lucia Paula Ferreira; SILVA, Maria Batista Cruz. A extensão universitária no ensino superior e a sociedade. Revista Mal-Estar e Sociedade. V. 4, n. 7, p. 119-133, 2011.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS (OEA). CIDH apresenta caso sobre o Brasil à Corte IDH. Washington, D.C, 2018. Disponível em: . Acesso em: 22 dez 2018.

PEARSON, G. Students, Parents Give Thumbs-Up to Flipped Classroom. Education Canada, v. 52, n. 5, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 out 2018.

RODRIGUES, Horácio Wanderlei; BORGES, Marcus Vinicius Motter. Revista Quaestio Iuris, vol.09, nº. 03, Rio de Janeiro, p.1363-1388, 2016.

RODRIGUES, Carolina Stancati, et alii. Sala de aula invertida - uma revisão sistemática. EDUCERE – XIII Congresso Nacional de Educação, V Seminário Internacional sobre Profissionalização Docente, 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 out 2018.

SASSAKI, Claudio. Inovações em Educação - A proposta de Harvard para uma educação para compreensão. Porvir, 30 jul 2018. Disponível em: . Acesso em: 03 out 2018.

SCALLON, Gérard. Avaliação da Aprendizagem Numa Abordagem por Competências. Trad. Juliana Vermelho Martins. Curitiba: PUCPress, 2017.

SILVA, Maria do Socorro da Batista, SOLANO, Dhuany Nogueira de Souza. O planejamento no cotidiano da prática pedagógica: reflexões acerca da sua contribuição

para a formação docente. In: CARVALHO, Ana Maria, Et al (org). Veredas da Formação Docente. Mossoró: Edições UERN, 2014.

WINTER, L. A. C.; RIBEIRO, L. B. V. Empresas transnacionais e o serviço de transporte: como adequar o ordenamento da matriz às exigências legais brasileiras. REVISTA DIREITO EMPRESARIAL (CURITIBA), v. 2, p. 193-208, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 INTER: REVISTA DE DIREITO INTERNACIONAL E DIREITOS HUMANOS DA UFRJ

BASE - Bielefeld Academich Search Engine Resultado de imagem para livre revistaResultado de imagem para rvbi Resultado de imagem para google scholar

EM AVALIAÇÃO: 

 

 JSTOR Home  ORCID logo  CNEN  Resultado de imagem para european reference index for the humanities